Blog do Dresch

23 de novembro de 2016

Merenda terá produtos da agricultura alagoana

             Uma reunião, esta semana, discutiu alguns critérios para a aplicação dos recursos federais destinados á merenda escolar, em compras de produtos da agricultura familiar de Alagoas. Participaram da reunião o vice-governador (e Secretário de Educação) Luciano Barbosa, o Secretário de Agricultura, Álvaro Vasconcelos, a deputada Jô Pereira, representantes da CUT, Conab e da União Nacional das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária. A lei estabelece que devem ser aplicados 30% dos recursos da merenda na aquisição de produtos fornecidos pelos agricultores familiares do Estado.

Merenda com produtos locais 2

             O percentual estabelecido pela legislação é retirado do valor repassado a estados e municípios pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), e de ser utilizado na compra de gêneros alimentícios diretamente da agricultura familiar e do empreendedor familiar rural ou de suas organizações. Nesses casos prioriza-se os assentamentos da reforma agrária, as comunidades tradicionais indígenas e comunidades quilombolas. A aquisição dos produtos da agricultura familiar poderá ser realizada por meio da Chamada Pública, dispensando-se, nesse caso, o procedimento licitatório.

 

Lugar de corrupto é na cadeia

             “A vontade do povo brasileiro é ver corruptos e criminosos punidos, sejam eles ricos ou poderosos”. A afirmação é do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, durante uma palestra feita esta semana em Brasília. No mesmo evento, ele defendeu a aprovação do Projeto de Lei sobre as Dez Medidas contra a Corrupção. Ao participar da abertura de um seminário sobre o processo penal, Janot disse que foi alertado na semana passada sobre articulações para “desvirtuar a vontade dos cidadãos”. No entanto o procurador garantiu “estar confiante” de que o Congresso vai manter a vontade da população, que participou da campanha lançada pelo Ministério Público Federal, e terminou com 2,5 milhões sem assinaturas de apoiadores ao projeto. “Estamos confiantes de que os parlamentares que integram essa comissão saberão dar uma resposta digna à sociedade. Estamos todos cansados da corrupção e da impunidade e desejamos que o Estado brasileiro, através do seu parlamento, endosse em sua decisão o justo anseio social” disse Janot.

 

A ética vai pegar Geddel

             O governo quer virar a página da enrolada em que se meteu o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, e o seu apartamento de luxo em Salvador (BA). Mesmo com a Comissão de Ética da Presidência abrindo procedimento para apurar a conduta do ministro Geddel, o governo vai trabalhar para encerrar o assunto por aí. A Comissão decidiu, por unanimidade, abrir o procedimento e deu dez dias de prazo para que Geddel se manifeste a respeito do assunto. A depender de outras informações que ainda serão solicitadas, o colegiado já poderá deliberar sobre o caso na próxima reunião marcada para o dia 14 de Dezembro.

A ética vai pegar Geddel 2

             O boato que circulava ontem em Brasília, é de que o ministro baiano, não é só dono de um dos apartamentos de luxo do prédio em discussão, mas é dono do imóvel todo. Geddel antecipou-se e telefonou ao presidente da Comissão, se dizendo disposto a dar os esclarecimentos pertinentes, mostrou boa vontade em esclarecer todas as dúvidas e quer responder com a máxima rapidez. Geddel foi denunciado na sexta feira pelo ex-ministro da Cultura, Marcelo Caleiro, que disse em entrevista que o ministro Geddel o estava pressionando para conseguir do IPHAN a liberação da construção de um edifício de alto padrão em uma área tombada em Salvador.

Mais partos, menos cesáreas

                 Um projeto desenvolvido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (:ANS), conseguiu aumentar em 43% a taxa de partos normais em 35 hospitais de 11 estados, Entre os nascimentos nestas instituições, 23,8% foram partos normais. Com isso foram evitados, segundo a ANS, 10 mil cesarianas sem indicação em 18 meses. O programa que agora será ampliado, pretende conter o número de cesáreas verificados nos últimos anos e ampliar o número de partos não cirúrgicos. Em 2005 as cesáreas chegavam a 75% nos hospitais particulares. Em 2015 o percentual chegou a 85% e não parava de crescer.

Mais partos, menos cesáreas 2

                 A cesárea é uma cirurgia e precisa ser enfrentada como tal. Segundo a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia só existem duas situações absolutas para o procedimento: a desproporção céfalo-pélvica e a apresentação previa de placenta. O projeto voltado a estimular o parto normal, começou trabalhando os médicos plantonistas, resgatando a enfermeira-obstetra, e as equipes profissionais. Também foi preciso dialogar com as gestantes, evitar o uso indiscriminado de remédios, acabou-se o jejum e a presença de um acompanhante do parto passou a ser obrigatória. O projeto agora será expandido para 150 hospitais de todo o país.

 

  • Até depois de ser sepultado, o ex-ditador das Filipinas, Ferdinand Marcos, gera controvérsias em seu país. A controversa e inesperada cerimônia somente foi anunciada pelas autoridades do país, poucas horas antes do sepultamento.
  • O corpo de Marcos, acusado de ser responsável pela morte, tortura e prisão ilegal de 100 mil filipinos, além da apropriação de US$ 10 bilhões de recursos públicos.
  • O ex-presidente foi enterrado em uma cerimônia militar privada, custodiada por centenas de soldados da Polícia Nacional das Filipinas.
  • Entre os familiares presentes estava a viúva de Ferdinand, Imelda Marcos, conhecida por suas excentricidades, como uma coleção de sapatos com milhares de pares, que a tornou conhecida em todo o mundo.
  • O governo Filipino disse que houve uma desobediência a lei, uma vez que o ex-ditador não poderia ter sido sepultado no local destinado aos heróis da pátria. Mas o sepultamento havia sido autorizado pelo atual presidente Rodrigo Duterte, atendendo pedido da família de muitos anos.
  • Ferdinand Marcos foi deposto em 1986, após ter governado as Filipinas por duas décadas com um regime de força e de muita violência. Morreu no exílio três anos depois.