Blog do Dresch

2 de novembro de 2016

Intelectuais criam um observatório para Lula

                   Um grupo de intelectuais decidiu criar um observatório para acompanhar e defender o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no debate público sobre a figura do petista no Brasil. O grupo conta com a participação do professor Paulo Sérgio Pinheiro (ex-secretário de Direitos Humanos do governo FHC), do economista Luiz Carlos Bresser-Pereira, do jornalista e escritor Fernando Morais, além de advogados de Lula. A ideia é combater o chamado “processo de deslegitimização” do petista, e o desmonte das conquistas obtidas na Constituição de 1988. Pinheiro afirmou que a iniciativa não tem influência da eleição municipal, nem qualquer tipo de objeto eleitoral ou ligação partidária.

Um observatório para Lula 2

                   Para o jornalista Fernando Morais, a perseguição a Lula “faz parte do golpe”, mas o objetivo não é a prisão do petista, mas inabilitá-lo a disputar a eleição presidencial em 2018. Para ele, “farão de tudo para tornar Lula um ficha suja, que é o elo que falta dessa corrente para que o golpe fique completo”. O advogado Cristiano Zanin, advogado de Lula nos processos da Lava Jato, disse que a criação do Observatório é importante para que se possa acompanhar “todas essas arbitrariedades que temos colocado e que estão acontecendo em relação ao presidente Lula” justificou Zanin.

 

PEC vai desconstruir PNE

                   Uma audiência pública realizada pela Comissão de Direitos Humanos do Senado, que reuniu especialistas da área da educação, concluiu que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que limita os gastos públicos nos próximos 20 anos, vai desconstruir o Plano Nacional de Educação (PNE). Segundo Jaqueline Pasuch, do Fórum Nacional da Educação, o princípio norteador do PNE consiste em “quase dobrar as atuais receitas orçamentárias da União para cumprir as 20 metas do Plano, inclusive a que prevê atingir 10 % do Produto Interno Bruto (PIB), e equiparar a remuneração média do Magistério com outras categorias profissionais da mesma escolaridade”. Contudo, os objetivos principais da PEC 241 (que no Senado ganhou o número 55) são de suspender por duas décadas as receitas de impostos da educação bem como limitar os investimentos educacionais. O Fórum é composto por 50 entidades e órgãos ligados à educação, incluindo representantes dos secretários estaduais e municipais da área, movimentos sociais, entidades estudantis e o próprio Ministério da Educação, que aliás, não enviou representante para a audiência pública do Senado.

 

Kits para irrigação

                   Pequenos agricultores familiares de Alagoas vão receber kits para irrigação em 21 municípios, beneficiando cerca de 372 famílias. Os equipamentos foram garantidos pelo BNDES, que garantiu a liberação de R$ 2 milhões, para a compra dos kits, com a intermediação do secretário nacional de Irrigação do Ministério da Integração, Ricardo Santa Rita. Cada kit é composto por uma caixa d’água, moto bomba, filtro, fiação, e tubulações com sistema de irrigação por microaspersão e por gotejamento, com capacidade para atender áreas de até 2 hectares.  Eles funcionam na modalidade de gotejamento por gravidade e a cada 30 centímetros há um gotejador emissor que cria bulbos molhados na área das raízes.

Meninos contra o HPV

             A partir de Janeiro de 2017, o Brasil vai começar a vacinar meninos de 12 e 13 anos contra o HPV. O vírus atinge a pele e as mucosas, podendo causar verrugas ou lesões precursoras de câncer de colo de útero e garganta. Devem ser imunizados 3,6 milhões de meninos. Em 2014 o Brasil começou a imunizar gratuitamente meninas de 9 a 13 anos com a vacina quadrivalente. A faixa etária foi escolhida por apresentar maior benefício em razão da grande produção de anticorpos e por ter sido menos exposta ao vírus por meio de relações sexuais.

Meninos contra o HPV 2

              O Ministério da Saúde comprovou a eficácia da vacina contra o HPV em homens para a prevenção de verrugas genitais e lesões precursoras de câncer no pênis e ânus. Além disso vacinar homens contra o vírus é uma estratégia que acaba protegendo também as mulheres, já que ele é sexualmente transmissível. O Ministério também confia na vacina, considerada segura e bem tolerada. Os eventos contrários mais observados são de dor, inchaço e vermelhidão no local da injeção e uma leve dor de cabeça. A vacina para as meninas está disponível nos postos de saúde e nas escolas quem aderirem à campanha. A mesma estratégia vai ser adotada para os meninos a partir de Janeiro de 2017.

Meninos contra o HPV 3

              A transmissão do vírus se dá por contato direto com a pele ou mucosa infectada. A principal forma é pela via sexual, que inclui contato oral-genital, genital-genital ou mesmo manual-genital, desta forma o contágio pode acontecer mesmo na ausência de penetração vaginal ou anal. Também pode haver transmissão durante o parto. Não está comprovada a possibilidade de contaminação através de objetos, do uso do vaso sanitário ou piscina ou pelo compartilhamento de roupas íntimas ou toalhas. O uso do preservativo mesmo recomendado, não protege totalmente da infecção pelo HPV, podendo existir infecção na vulva, região pubiana, perineal, perianal e saco escrotal.

 

 

  • Um traficante preso em Goiás gastou cerca de R$ 200 mil na construção de 112 quitinetes no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. A obra durou menos de 20 dias, e estavam em faz de acabamento quando foram “descobertas”, segundo o jornal “O Popular” de Goiânia.
  • As quitinetes seriam usadas para encontros íntimos dos presos. O preso Thiago César de Souza, de 32 anos, pensava em faturar R$ 120 mil por mês alugando os apartamentos.
  • Segundo o preso, ele gastou R$ 120 mil na compra do material de construção e mão de obra e R$ 70 mil para o pagamento de propina ao então diretor da unidade, Marcos Vinicius Alves, afastado do cargo.
  • A existência da construção ilegal foi descoberta por equipes da inteligência da Superintendência de Administração Penitenciária (Seap), que ao comprovar a construção determinou sua destruição.
  • A Lei das Execuções Penais garante ao preso um local para encontros íntimos, para cada 100 presos.
  • Em Aparecida de Goiânia estão cerca de 400 presos, e na mesma unidade já existe de 12 a 20 quartos disponíveis para visitas íntimas.