Blog do Dresch

28 de outubro de 2016

São Paulo inaugura estátua de Herzog

              O jornalista Vladimir Herzog, morto sob tortura na sede do DOI-Codi de São Paulo, foi homenageado pela Câmara Municipal da capital paulista com uma estátua de dois metros de altura, na praça que leva o nome do jornalista. A cerimônia de inauguração aconteceu 41 anos após a morte de Herzog, em solenidade que reuniu a viúva, Clarice, o filho Ivo, que hoje dirige o Instituto com o nome do pai, vereadores, jornalistas e o público em geral, além do autor da obra, o artista plástico Elifas Andreato. Este, se disse orgulhoso em poder prestar essa homenagem ao jornalista vítima da repressão política.

Homenagem a Vlado 2

                Segundo o artista, a obra foi concebida originalmente por encomenda da Organização das Nações Unidas, para um prêmio especial, em 2008, pela passagem dos 60 anos da Declaração dos Direitos Humanos. Olhando para cima e com os braços para o alto, Andreato denominou a obra como “Vlado Vitorioso”. Para ele “a nossa geração foi vitoriosa contra a ditadura e o Vlado foi uma mártir desta geração. Então eu precisava fazer algo que fosse a celebração dessa vitória contra o regime militar que o matou” disse o artista. Para Ivo Herzog as novas gerações estão sempre chegando e precisam conhecer nossa história. “Temos que preservar as nossas conquistas e isso se faz através do conhecimento da nossa história” disse.

 

Reforma da previdência

                   O tempo passa, o tempo voa, e a reforma da Previdência permanece uma incógnita. E pra todo mundo, já que nem mesmo as centrais sindicais, ou os empresários sabem o que vai ser modificado. Aliás nem mesmo o governo Temer parece ter ideia do que fazer. O presidente voltou a dizer esta semana que vai conversar com os representantes dos segmentos envolvidos e com outros membros da sociedade civil para elaborar a proposta. O governo havia assegurado que enviaria o texto ao Congresso em Setembro, mas desistiu após pressões dos parlamentares, que temiam reflexos nas disputas eleitorais, e dos sindicatos, que queriam discutir mais a fundo o assunto. Segundo o porta-voz da Presidência, Alexandre Parola “o presidente pretende, oportunamente, aprofundar um diálogo amplo com trabalhadores, empresários, centrais sindicais, sociedade civil, bem como com as lideranças políticas, em torno da reforma da Previdência e sua necessidade indispensável”. Enquanto o governo não se decide para colocar em discussão a proposta, a situação somente se agrava, uma vez que todos os entes envolvidos aguardam ser chamados para opinar a respeito. A alegação é que até esta semana, a prioridade do governo era a PEC dos gastos, que já passou pela Câmara dos Deputados.

 

Compromisso agropecuário

                   O governador Renan Filho demonstrou ontem, com uma série de ações, o seu compromisso com o setor agropecuário do estado. Ele participou da abertura do Proleite, programa voltado para a otimização do segmento leiteiro no estado. Também esteve presente à abertura oficial da segunda etapa da Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa de 2016, que vai acontecer durante todo o mês de Novembro e pretende alcançar os mesmos índices de imunização do rebanho obtidos na primeira etapa, que chegou a 97%. E ainda assinou um decreto desonerando a carne bovina de ICMS nas operações internas do Estado, que incentiva o produtor e privilegia a comercialização da carne nos supermercados locais.

ONU apura abuso de poder

                   O Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos intimou o governo brasileiro para no prazo de 60 dias, apresentar informações ou observações relevantes sobre a violação da Convenção Internacional dos Direitos Políticos e Civis e abuso de poder pelo juiz Sérgio Moro e procuradores federais da operação Lava-Jato contra o ex-presidente Lula. A denúncia foi protocolada em Julho na ONU, pedindo que o Comitê se pronuncie pelo fato do Juiz Sergio Moro ter violado o direito de Lula à privacidade, de não ser preso arbitrariamente e o direito da presunção da inocência.

ONU apura abuso de poder 2

                   As evidências da violação e os abusos dos procuradores do Paraná, admitidas pelo Comitê de Direitos Humanos são os seguintes: a condução coercitiva do dia 4 de Março de 2016, completamente fora do previsto na legislação brasileira; o vazamento de dados confidenciais para a imprensa; divulgação de gravações, obtidas de forma ilegal e o recurso abusivo a prisões temporárias e preventivas para a obtenção de acordos de delação premiada, e ainda o fato de Moro haver assumido em documento enviado ao Supremo Tribunal Federal, o papel de acusador, imputando crime a Lula por doze vezes, além de antecipar juízo de valor sobre assunto pendente de julgamento.

 

 

Prevenindo o AVC

             Neste Sábado, dia 29, considerado o Dia Mundial de Combate ao AVC (Acidente Vascular Cerebral), uma série de atividades serão desenvolvidas na Praça Multieventos, na Pajuçara, entre 8h ás 12h. A promoção é da Associação Ação AVC, juntamente com o Hospital Geral do Estado e algumas instituições de ensino superior em Alagoas. Serão oferecidos gratuitamente alguns serviços à população como o cálculo do Índice de Massa Corpórea (IMC), aferição de pressão arterial, medição de glicemia, além de orientações nutricionais e médicas, explanação sobre o AVC, atividades educativas sobre a doença e macroginástica.

 

 

  • O Vaticano divulgou esta semana, as regras para a cremação de católicos, que incluem a proibição à conservação das cinzas do morto em casa, evitando que elas se tornem “lembranças comemorativas”.
  • As normas fazem parte de uma instrução da Congregação para a Doutrina da Fé aprovada pelo Papa Francisco. Pelo documento, se for escolhida a cremação, as cinzas do defunto devem ser mantidas em um local sacro, como os cemitérios, já que em ambiente doméstico não é permitido.
  • O Vaticano abre exceção apenas para casos envolvendo circunstâncias graves e excepcionais, dependendo das condições culturais de caráter local. Mesmo assim, as cinzas não devem ser divididas entre membros da família e devem ser respeitadas as condições adequadas de conservação.
  • Outro hábito comum, manifestado com frequência em Maceió, também foi proibido pela Igreja Católica: o de espalhar as cinzas no mar, ou em qualquer outro tipo de ambiente.
  • “Para evitar qualquer tipo de equívoco panteísta, naturalista ou niilista, não é permitida a dispersão de cinzas no ar, na terra, na água ou de outro modo” afirma o documento.