Blog do Dresch

26 de outubro de 2016

Acusações contra Collor respinga em Alagoas

                   A acusação da Procuradoria Geral da República (PGR) contra o senador alagoano Fernando Collor de Mello (PTC-AL) por ter recebido propina da BR Distribuidora, de mais de R$ 29 milhões entre 2010 e 2014, pode acabar respingando em Alagoas. Com a retirada do sigilo sobre a ação, através do ministro Teori Zavascki, constatou-se que as irregularidades cometidas pelo senador, envolvem empresas de sua propriedade, como a Gazeta de Alagoas e TV Gazeta, utilizadas para pagamentos e financiamentos de veículos de luxo e registrados em nome de uma empresa de nome Água Branca Participações, segundo a Procuradoria, uma empresa de ocultação patrimonial do parlamentar.

Pode respingar em Alagoas 2

                   De acordo com a Procuradoria Geral da República, existia uma verdadeira “organização criminosa” na BR Distribuidora para desviar recursos públicos. Além de Collor, estão envolvidos no suposto esquema, a esposa do senador, Caroline, e outros acusados que atuavam como “operadores particulares”. Toda a acusação foi baseada em depoimento do doleiro Alberto Yousseff e que deu início à Operação Lava Jato. A procuradoria também encaminhou ao Supremo Tribunal Federal pedido para decretar a devolução de R$ 154,7 milhões e a perda da função pública de Collor, além do bloqueio de R$ 30,9 milhões em bens para garantir o ressarcimento dos cofres públicos.

 

Vaticano abre diálogo de paz

                   O governo da Venezuela e a Aliança de oposição Mesa da Unidade Democrática, comprometeram-se ontem a iniciar um diálogo para superar a crise política, econômica e social na Venezuela. O aviso foi feito pelo enviado do Papa, Emil Paul Thering. Ele afirmou que as duas partes assinaram um acordo para iniciar reuniões de diálogo, a partir do próximo dia 30, na ilha venezuelana de Margarita, no nordeste do país. Em declarações à imprensa, Thering, que também é núncio apostólico na Argentina, esclareceu que foi apresentada a ambas as partes “uma sugestão de pauta com locais, temas, metodologia e calendário do diálogo”. Governo e oposição aceitaram trabalhar em conjunto, e buscar as condições para garantir a segurança e o desenvolvimento pacífico de democrático das manifestações públicas, previstas para os próximos dias. O núncio argentino fez questão de salientar a importância de “um clima de respeito, cordialidade e vontade política para fazer avançar o processo que tem os venezuelanos como objetivo essencial, o seu futuro, as melhorias das conjunturas econômicas, sociais, políticas e institucionais, fundamentais para a necessária convivência democrática que requer a sociedade”.

 

Vaquejada chega a Brasília

                   Uma grande manifestação em defesa da manutenção da Vaquejada no Brasil, foi realizada ontem em Brasília, por defensores da prática, considerada ilegal pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Foram 2.800 pessoas, 410 caminhões, 1.200 cavalos, 53 ônibus e 110 carros que chegaram à capital federal n final da tarde de segunda, ficando acampados em uma área ao lado da Capital de Brasília. Ontem seguiram para a frente do STF, logo após a realização de uma missa. Por orientação da Polícia Militar, seguiram em pequenos grupos, para evitar tumulto no trajeto. O objetivo é mostrar aos ministros que a vaquejada não é uma atividade cruel com os animais e que pode ser encarada como um esporte ou uma atividade cultural.

Vaquejada chega a Brasília 2

                   Em uma votação que terminou empatada em 5 a 5, os ministros do Supremo, julgaram, no último dia 5 deste mês, uma ação do governo do Ceará que pretendia regulamentar a vaquejada. Com o empate, coube à presidente do STF, ministra Carmen Lúcia dar o voto de minerva sobre o assunto. E ela decidiu pela ilegalidade da atividade, por não considera-la um esporte nem tampouco uma atividade cultural. Ele disse que a vaquejada era uma atividade agressiva e cruel contra os animais. A decisão teve grande repercussão em todo o país, mas principalmente na região nordestina, onde a vaquejada é participativa, e responde por um segmento economicamente positivo.

BNDES libera menos

            Os desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) somaram R$ 62,2 bilhões de Janeiro a Setembro do corrente ano. O montante significa uma redução de 34% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com a própria instituição financeira. Apesar da forte queda em relação aos financiamentos, atribuída à crise econômica, o Banco salientou em seu relatório uma estimativa otimista, gerada por uma menor queda em Setembro, no ritmo de todos os desembolsos apoiado pelo Banco. O BNDES ressalta que essa melhora já teve impacto sobre o cenário global, uma vez que, no acumulado até Junho a queda na liberação dos financiamentos chegava a 42%.

 

BNDES libera menos 2

            No relatório também foi citado o fato do bom desempenho da indústria, que liderou os desembolsos nos primeiros nove meses do ano, recebendo R$ 21,8 bilhões. Outro segmento que chamou a atenção, foi o de material de transportes, cujas liberações atingiram R$ 9,5 bilhões. Este segmento engloba aeronaves, veículos automotores, embarcações e equipamentos ferroviários, e tem tido um bom desempenho em 2016 por causa da alta das exportações de bens de capital. As consultas por financiamentos, que significam uma tendência dos desembolsos futuros atingiram R$ 85 bilhões nos nove meses do ano, 8% menos que no mesmo período de 2015.

 

  • Uma ação rápida e eficaz por parte da polícia alagoana, proporcionou a recuperação de uma carreta com placa de São Paulo, carregada com dois mil pneus, que havia sido roubada horas antes, na BR 101, próximo ao município do Pilar. O veículo foi recuperado em Colônia de Leopoldina, na região norte do estado.
  • O trabalho conjunto da polícia (Civil, Militar e Rodoviária Federal) possibilitou a prisão de Valmir Fernandes, que conduzia a carreta no momento da apreensão. Sua detenção aconteceu na tarde da segunda feira, dia do roubo.
  • Ele fazia parte do bando formado por cinco marginais, que cercou o veículo e obrigou o motorista Luiz Carlos da Cruz Ávila a parar a carreta. O motorista ficou rendido pelos bandidos que o liberaram na altura de Flexeiras.
  • A polícia foi acionada pela seguradora, que repassou as coordenadas da carreta, que é rastreada por satélite.
  • Os demais integrantes do bando conseguiram escapar, mas o condutor preso e a carga recuperada.