Blog do Dresch

15 de outubro de 2016

Uma referência na psiquiatria nacional

                   Expoente da psiquiatria nacional, e homem de atividades múltiplas, o psiquiatra, psicoterapeuta e escritor Flávio Gikovate, 73, que morreu na última quinta-feira, ficou conhecido por abordar questões e problemas ligados a relacionamentos pessoais, especialmente sexo, amor, vida conjugal e nos últimos anos, vícios. Escreveu 34 livros, sobre os temas que estudou, muitos traduzidos para diversas línguas. Desde 2007 mantinha um programa dominical “No Divã com Gikovate” e participava diariamente do “CBN Noite Total”. Durante alguns anos foi articulista da Folha de São Paulo, com a coluna “Comportamento”. Em 2010 participou da novela da Globo, “Passione”, de Silvio de Abreu, onde interpretou a si mesmo.

Participativo e contemporâneo 2

                   Gikovate formou-se como médico-psiquiatra em 1966 na USP e foi assistente clinico do instituto de psiquiatria da London University. Em sua clínica atendeu mais de 10 mil pacientes, em São Paulo, Londres e Nova York. Suas principais influências profissionais, eram o alemão Schopenhauer e o espanhol José Ortega y Garret. Também passou um tempo escrevendo para as revistas femininas “Claudia” e “Capricho” sobre sexo e amor. Também apresentou um programa na TV Bandeirantes. Igualmente trabalhou com o preparo psicológico do elenco do Corinthians, na época da chamada Democracia Corintiana. Seu perfil no Twitter tem quase 80 mil seguidores e mais de 180 mil na sua página no Facebook.

Bancos limitam consignado

                   Entre as muitas repercussões da revisão dos benefícios e aposentadorias pagas pelo INSS, uma delas diz respeito à concessão dos empréstimos consignados. Alguns bancos chegaram mesmo a suspender este tipo de empréstimo, como Safra e Daycoval enquanto que outros apertaram as exigências. A restrição de muitos é para aposentados com menos de 60 anos, cerca de 1,2 milhão de beneficiários que terão que passar por uma nova perícia para comprovar a incapacidade ao trabalho. Mas as instituições financeiras sabem que é uma linha de crédito barata (29% de juros ao ano em média), com garantia de desconto em folha e índice de calote muito baixo, em torno de 1,7%. No primeiro semestre deste ano, os cinco maiores bancos (BB, Bradesco, CEF, Itaú e Santander) disseram ter elevado as concessões para consignados. Estima-se que eles detenham 70% do crédito consignado do país. Procurados pelo Globo e pela Folha para se manifestarem a respeito, o Banco do Brasil e o Bradesco disseram que continuam operando normalmente a linha de crédito. O Itaú diz que está acompanhando o caso mas não tomou posição. O Santander e a Caixa preferiram não se manifestar a respeito.

 

Jornal é a fonte mais confiável

               Pela primeira vez no Brasil, a convite do Festival Piauí Globonews de Jornalismo, o jornalista Walter Robinson, de 70 anos, disse que apesar das dificuldades financeiras dos jornais impressos em todo o mundo e à explosão da internet, são eles (os jornais) que continuam sendo a mais importante fonte de informações confiável. Robinson chefiou a equipe de reportagem do “Boston Globe” que revelou a enorme escala de abusos sexuais cometidos por padres católicos na cidade de Boston, e que gerou o filme “Spotlight- Segredos Revelados”, que ganhou o Oscar de melhor filme neste ano. O jornalista revelou ser apaixonado por sua profissão, iniciada no próprio jornal a partir de 1972.

Jornal é a fonte mais confiável 2

               Sobre a série de reportagens que ele a sua equipe realizaram, Walter Robinson (no filme, interpretado por Michael Keaton) disse que tudo começou a partir de um caso antigo, sobre um padre que havia sido acusado de abusar de crianças nos anos 80. “Logo vimos que aquilo era apenas a ponta do iceberg, e o que parecia no início ser algo de no máximo uma dúzia de casos, acabou revelado o envolvimento de mais de 250 padres envolvidos em abusos de crianças na cidade de Boston. O caso rendeu à equipe o Prêmio Pullitzer e depois o filme e o Oscar. Ele disse lamentar que os jornalistas têm deixado escapar muitas histórias importantes, mas mesmo assim os jornais continuam a ser fundamentais.

Equipe da PF em Alagoas

                   Na próxima semana, uma equipe da Polícia Federal desembarca em Maceió, para colaborar com as investigações que envolvem crime eleitorais, cujos inquéritos foram abertos antes e durante o pleito do dia 2 de Outubro e que já estão sendo analisados pela Federal. A equipe é composta de um delegado federal, um escrivão e dois agentes, todos especializados em legislação eleitoral e com experiência em trabalhos com a Justiça Eleitoral. Entre os crimes apurados estão a participação de policiais (8 militares, um civil e um federal) que trabalhavam como seguranças de candidatos, flagrantes de compra de voto e outras irregularidades.

 

Lei Seca mais pesada

                    Atualmente o motorista desinformado que insiste em beber e dirigir, quando flagrado na Operação Lei Seca, paga uma multa de R$ 1,915. A partir do próximo mês, o valor passará para R$ 2.934,70, além da suspensão de dirigir por 12 meses. Também o motorista que utilizar o celular enquanto dirige vai pagar uma multa de R$ 191,54 (infração gravíssima) além de perder quatro pontos na carteira. O mesmo vale para quem estacionar em vaga destinada a idoso e deficiente físico. O objetivo é tentar inibir as transgressões através das penalizações, mas visando sempre educar o motorista.

  

  • Quatro jornalistas foram mortos em 2016 no Brasil, segundo a ONG Repórteres Sem Fronteiras, o que torna o país o quarto do mundo onde mais jornalistas morreram este ano.
  • O número é igual ao registrado no Iraque. O macabro ranking é liderado pelo México com 12 mortes. Na Síria, que vive uma guerra civil foram 7 mortos e no Iêmen, cinco.
  • Em todo o mundo, 145 jornalistas foram mortos e outros 145 estão presos.
  • O Brasil está em 104º lugar no ranking de liberdade de imprensa em todo o mundo, de acordo com levantamento feito pela Organização, que avaliou 180 países. No ano passado ficou na 99ª posição.
  • Segundo o relatório da Repórteres Sem Fronteiras, o Brasil é um dos países da América Latina mais violentos e perigosos para jornalistas, que apontou ainda agressões físicas durante manifestações.
  • “Proteger os repórteres é ainda mais difícil devido á falta de um mecanismo nacional para sua proteção e a um clima de impunidade, alimentado pela corrupção onipresente” diz o relatório.
  •  A Associação Brasileira de Alzheimer – Regional Alagoas convida fami­liares e interessados para participar de uma reunião do Grupo Apoio Social e Emocional aos familiares da pessoa com Doença de Alzheimer. Uma oportunidade para receber informações, aprender e compartilhar. Local: Hospital Universitário – sala ao lado da radiologia. Dia 17 às 14h. Mais informa­ções: 9 9920-9097