Blog do Dresch

30 de setembro de 2016

Correios preparados para a eleição

                   Os Correios já estabeleceram o cronograma de atividades e a logística montada para a operacionalização das eleições municipais deste Domingo. “Vamos trabalhar de forma eficaz e responsável, contribuindo para o exercício da cidadania em nosso estado” salientou o diretor regional do órgão em Alagoas, Carlos Roberto Medeiros de Almeida. O órgão vai trabalhar com 520 empregados e 330 veículos de pequeno, médio e grande porte, além de uma base montada para acompanhamento de cada etapa de coleta, armazenamento, distribuição e recolhimento do material.

Correios prontos para o pleito 2

                   As atividades começam no Sábado logo cedo com a distribuição das urnas para as respectivas zonas eleitorais, tanto de Maceió como para o interior. No Domingo as urnas serão recolhidas logo após o encerramento da votação. Caberá ainda aos Correios o transporte de cabines, mídias e outros materiais de expediente. A experiência dos Correios neste tipo de operação logística, tem vários anos e sempre foi realizada com êxito, graças ao empenho e a seriedade dos trabalhadores em geral.

STF e as mudanças no ensino médio

                   Várias ações estão sendo impetradas junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) contestando a Medida Provisória do governo que altera o ensino médio no país. Primeiro a contestar a mudança foi o advogado Carlos Alexandre Klomfahs, do ABC paulista, que alegou que a iniciativa não atende aos requisitos para a edição de uma Medida Provisória. O diretório nacional do PSOL seguiu o mesmo caminho e agora vários parlamentares e professores também manifestam sua contrariedade pela proposta governamental. Segundo os autores das ações, a proposta não tem relevância ou urgência, condições necessárias para a edição de uma medida provisória, Para o governo, a urgência se justifica pelos resultados do ensino médio no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. Outro argumento utilizado para contestar a MP, é a exclusão de algumas disciplinas, como filosofia e sociologia que caso se concretize aumentam a exclusão social e política, provocadas pela ausência de reflexão e postura crítica. Outro aspecto é que o governo não discutiu com a sociedade a profundidade destas mudanças. Isso é ilegal e abuso de poder. A sociedade deve ter o direito de participar, opinar, principalmente em órgãos como associação de docentes, pais e mestres.

 

Aposentados ainda ativos

              Dados do IBGE apontam que mais de um quarto dos aposentados brasileiros continuam ativos no mercado de trabalho. Esse envelhecimento da população economicamente ativa, segundo o Instituto, é natural e positivo, uma vez que os mais velhos têm melhor qualificação e mais experiência. A participação de pessoas com 60 anos ou mais no mercado passou de 5,9% em 2012, para 6,5% em 2016. Na faixa dos 14 aos 24 anos a participação caiu de 20,1% para 17,8%. O crescimento econômico do país vai depender muito, nos próximos anos, do aumento da produtividade.

Aposentados ainda ativos 2

         Atualmente, quase metade dos aposentados continua trabalhando não porque quer, mas porque precisa, diz um estudo feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL). Para 46% dos entrevistados o motivo de seguir trabalhando é para complementar a renda, uma vez que o benefício é insuficiente para pagar as contas. E 60% dos mais velhos são responsáveis pelo sustento da casa. Hoje a pessoa com 50 anos é bem diferente da que tinha essa mesma idade há 20 anos. Hoje tem uma capacidade laboral maior e se aposenta por uma oportunidade de aumentar o rendimento.

Os crimes na América Latina

                 Uma reportagem publicada esta semana pelo jornal espanhol El País, mostrou que o combate à violência custa em média 200 dólares por habitante na América Latina, alcançando cerca de 120 milhões de dólares por ano. A insegurança é a principal questão política em quase todos os países da América Latina, e é a maior preocupação da Venezuela, México, Argentina e Brasil. Cerca de 135 mil pessoas foram mortas no ano passado na América Latina e Caribe, de acordo com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Os crimes na América Latina 2

                O jornal espanhol analisa que os países da América Latina sofrem muito com a insegurança e com a desigualdade. Nos últimos dez anos a situação tem piorado, segundo o BID. Mesmo com um bom crescimento econômico, com os governos de esquerda promovendo mais redistribuição de renda e redução da pobreza, mas quase nenhuma nação melhorou os índices de segurança. E isto causa um enorme custo econômico que impede o avanço da região. Apenas os gastos com a polícia, no continente representa 51 bilhões de dólares por ano. A média da AL é de 23 homicídios para cada 100 mil habitantes. É o dobro da África e cinco vezes o da Ásia. 

 

  • O jornal “Gazeta do Povo” e cinco jornalistas da sua redação, receberam nesta quarta (28), o Prêmio ANJ de Liberdade de Imprensa de 2016.
  • A equipe escolhida, fez uma série de reportagens sobre supersalários de juízes e integrantes do Ministério Público do Paraná, e foram alvo de assédio judicial. Os premiados foram Chico Marés, Euclides Garcia, Rogério Galindo, Evandro Balmant e Guilherme Storck.
  • Logo após a publicação, os profissionais tornaram-se alvos de ações judiciais num total de 48 processos. Segundo a Associação Nacional de Jornais, eles já compareceram a 25 audiências e percorreram mais de 9 mil quilômetros, ficando 18 dias afastados das suas atividades e de suas famílias.
  • No entanto, ninguém contestou o conteúdo da reportagem, nem foi solicitado o direito de resposta. Os processos somente foram suspensos após a Ministra Rosa Weber do Supremo Tribunal Federal conceder liminar para tanto.
  • Vale ressaltar a reação da imprensa e dos jornalistas brasileiros em geral. “Os meios de comunicação de todo o país perceberam a realidade do atentado à liberdade de imprensa que se perpetrava” disse um dos premiados.