Blog do Dresch

13 de setembro de 2016

Austeridade no STF a partir de agora

                   Com a presidência do Superior Tribunal Federal (STF) entregue à ministra Carmen Lúcia, o órgão deverá a ter uma posição de mais austeridade nas suas ações e de menos corporativismo. Pelo menos é isso que acreditam os demais ministros e servidores. A ministra-presidente já deu o seu tom: “Não gosto de badalação, gosto é de processo”. Todos já sabem que a nova administração seguirá no sentido oposto ao do seu antecessor, que batalhou até o último dia pelo aumento da remuneração da categoria e pelo corporativismo constante. Servidores do Conselho Nacional de Justiça (comandado pelo presidente do STF) dão como certo o enxugamento da concessão de diárias, por exemplo.

Austeridade no Supremo 2

                   Outro aspecto que diferencia Carmen Lúcia de Lewandowski é a personalidade. Segundo o ministro Luís Roberto Barroso que sintetiza a opinião da maior parte dos ministros do órgão, Ricardo Lewandowski é uma pessoa extremamente fidalga e educada. “Ele conduziu o Supremo de maneira muito cordial com as pessoas” disse Barroso sem comentar o desempenho da nova presidente. Outro ministro que se derramou em elogios ao presidente que deixa o cargo foi Edson Fachin, que chegou a encaminhar um documento a todos os ministros destacando a posição de Lewandowsky na condução dos trabalhos no Supremo.

Governo contra a Lava Jato

                   Demitido na última quinta-feira do cargo de chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), o ex-ministro Fábio Medina Osório saiu atirando. Em entrevista à Revista Veja, ele disse que o governo tampão de Michel Temer “quer abafar a Lava Jato” e que tem muito receio até onde a investigação sobre o esquema de corrupção na Petrobrás pode chegar. O ex-ministro foi convocado pelo ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e pressionado para se demitir. Padilha alegou que Osório não atuava em compasso com o governo Temer. Foi citado o fato de Osório ter feito um pedido ao STF, para a AGU ter acesso aos inquéritos de políticos envolvidos na Operação Lava Jato, sem ter consultado o presidente ou a cúpula do governo. A intenção era mover ações de improbidade e de ressarcimento contra esses políticos. “Fui demitido porque contrariei os interesses do governo, que quer abafar a Lava Jato”. Segundo o ex-ministro a AGU tem obrigação de buscar a responsabilização de agentes públicos que lesam os cofres federais. Fábio Osório também bateu de frente com Grace Mendonça, secretária-geral, que foi confirmada para substituí-lo na Advocacia-Geral da União. A situação de Fábio Osório no governo era considerada instável desde a sua nomeação e sua demissão já havia sido cogitada.

 

 Saneamento da parte alta

                   Será assinada na próxima quinta-feira a ordem de serviço para o início das obras de esgotamento sanitário da parte alta de Maceió. O anúncio foi feito pelo governador Renan Filho, afirmando que a obra beneficiará diretamente 160 mil famílias e terá um investimento na ordem de R$ 200 milhões. Essa obra será realizada através de uma Parceria Pública Privada (PPP), que unirá os trabalhos da Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) e a empresa Saneamento Alta Maceió (Sanama). Será feita a coleta e tratamento de esgoto dos bairros Benedito Bentes, Santa Lúcia, Antares, Clima Bom, Tabuleiro dos Martins, Cidade Universitária e Santos Dumont.

Saneamento da parte alta 2

                   A assinatura da ordem de serviço acontecerá no campo de futebol em frente à Associação Comunitária e Beneficente dos Moradores dos Loteamentos Campo dos Palmares, São Caetano, Esplanada e Oscar Brasileiro, na Cidade Universitária. Segundo a Casal, a estrutura que será construída através da PPP é composta de emissários, estações elevatórias, estação de tratamento, redes coletoras e ligações domiciliares. A construção será feita mediante PPP com prazo de 30 anos, incluindo a execução da obra e serviços correspondentes com a operação, manutenção, controle operacional e comercial.

O “Apolinho” aos 80 anos

                Comemorando seus 80 anos de vida no início deste mês, com um programa na Rádio Tupi, no Rio de Janeiro, o jornalista e esportista Washington Rodrigues, o Apolinho, continua torcedor fervoroso do Flamengo, sem que isso “contamine” sua profissão na imprensa. “Nunca escondi que torço para o Flamengo. Não posso mentir que não tenho time e faço isso com sinceridade” disse Apolinho em contato com um grupo de jovens repórteres. Ele trata com simplicidade dos seus 54 anos de rádio, além de ter passado por diversos canais abertos de televisão. “Não interfiro nos fatos, me atenho a eles. Respeito sempre a dor do outro” disse aos jovens.

 

 

O “Apolinho” aos 80 anos 2

               A experiência e o conhecimento, levaram Apolinho a ser diretor técnico e diretor de futebol do Flamengo em 1995 e 1998 respectivamente, Mas, nunca deixou sua paixão contaminar o jornalismo. O apelido surgiu na Rádio Globo em 1969, quando ele usava um microfone sem fio igual aos dos astronautas da Missão Apolo 11, que levou o homem à Lua. O programa que hoje faz na Tupi tem de tudo, música, política, reportagem nas ruas. O Show do Apolinho rola diariamente na Rádio Tupi do Rio de Janeiro das 17h ás 19h.

 

 

  • Uma startup paulistana lançou, há dois meses, o primeiro canal de programação voltado para cães, gatos e outros animais de estimação. Com um investimento de R$ 300 mil, o projeto agora trabalha para criar cartões de programação pré-pago, semelhante ao Netflix.
  • O modelo segue uma empreitada semelhante lançada nos EUA, o DogTV, que funciona em dois formatos de assinatura, um modelo básico (R$ 14,90 ao mês) e o pacote plus a um custo de R$ 19,90 e inclui descontos em serviços médicos para o bicho de estimação.
  • A programação é adaptável ao momento do pet. Há opções de vídeo para momentos de exercício físico dos animaizinhos e para entretenimento, alimentação e descanso.
  • A programação é formulada a partir de sugestões de especialistas no mundo animal, e são evitadas qualquer situação que possa causa stress.
  • No ano passado o mercado de produtos e serviços direcionados ao universo dos animais de estimação movimentou R$ 18 bilhões, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação.