Blog do Dresch

7 de setembro de 2016

SSP diz garantir paz nas eleições

                   Uma reunião acontecida no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Alagoas, para discutir sobre segurança e a solicitação de tropas federais para as eleições, foi marcada pela posição firme do Secretário de Segurança Pública, coronel Lima Júnior. Segundo ele, não é necessário o envio de tropas federais, porque as forças integradas de segurança de Alagoas têm efetivo suficiente para garantir a tranquilidade do pleito. “Além do nosso efetivo disponível para a segurança pública, teremos condições de utilizar mais 750 policiais da reserva técnica da Polícia Militar. Desta forma não vejo necessidade do envio de tropas federais, para garantia da tranquilidade nestas eleições” afirmou, de forma incisiva o Secretário.

SSP descarta tropas federais 2

                   Outro fator reforça também a posição do Secretário Lima Júnior da SSP: As solicitações de envio de tropas federais esbarram na escassez de recursos do Tribunal para essas eleições. Segundo o presidente do TRE, desembargador Sebastião Costa Filho, “não existe verba para atender os pedidos. Teremos de fazer uma triagem para ver os municípios com maior necessidade e somente solicitar ao TSE tropas para os locais onde a situação é insustentável”. Participaram também da reunião o delegado-geral da Polícia Civil, Paulo Cerqueira, a secretária-adjunta da SSP, Luci Mônica, o Comandante do Corpo de Bombeiros, cel. Adriano, da Polícia Militar, cel. Marcos Sampaio, o procurador-eleitoral Marcial Coelho, e os desembargadores José Carlos Malta Marques e Fábio Cavalcante.

Uma fraude na Paralimpíada

                   Uma fraude ocorrida na Paralimpíada de Sidney, na Austrália, em 2000, cometida por atletas da delegação da Espanha ainda hoje repercute nos jogos. A farsa acarretou a ausência dos atletas com deficiência intelectual dos jogos por 12 anos. O fato foi considerado um dos maiores escândalos do esporte mundial, e foi cometido por um grupo de espanhóis que se fez passar por atletas com deficiência mental no time de basquete daquele país. Ganharam a medalha de ouro, mas um jornalista que integrava o grupo revelou a fraude meses depois, e mais tarde, tiveram de devolver as medalhas e os prêmios recebidos. Depois disso, o Comitê Paralímpico Internacional decidiu que não haveria mais provas para deficientes mentais nos campeonatos promovidos pela entidade. Não participaram em Atenas em 2004 e nem em Pequim, em 2008. Voltaram somente em Londres, em 2012, mas em número muito reduzido. Agora, no Rio de Janeiro, atletas com deficiência mental competirão nas provas de natação, atletismo e tênis de mesa. A inclusão ainda está sendo feita aos poucos. O afastamento de atletas com deficiência mental dos jogos mundiais foi considerado injusta, uma vez que a Espanha cometeu o crime e todos os países foram penalizados. A Paralimpíada do Rio de Janeiro, que começa hoje vai reunir 4.350 atletas de 160 países, que irão competir em 22 modalidades esportivas. A delegação brasileira conta com 287 atletas.

 

Berlusconi no cinema

                   Empresário muito bem sucedido, discurso sedutor e polêmico em suas atitudes, Silvio Berlusconi terá sua vida contada no cinema pelo cineasta italiano Paolo Sorrentino, ganhador do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 2014 com “A Grande Beleza”. O ator Toni Servillo, que também atuou no filme premiado com o Oscar, interpretará o político que governou a Itália por três períodos (1994-1995, 2001-2006 e 2008-2011), mas hoje aos 79 anos está impossibilitado de ocupar cargos públicos até 2019, condenado por fraude fiscal.

Berlusconi no cinema 2

                   O empresário ascendeu ao comando da Itália, quando o país enfrentava uma descrença geral na classe política, em função da “Operação Mãos Limpas”, que desbaratou um esquema de corrupção endêmica envolvendo quase todos os partidos políticos. Após alguns anos no poder, começaram a surgir denúncias de festas com prostitutas que Berlusconi promovia em suas mansões. A Justiça teve de intervir após constatação que muitas menores participavam das orgias. O primeiro-ministro teve de responder a inúmeros inquéritos. Berlusconi era proprietário ainda do Milan, clube de futebol dos mais populares da Itália, vendido ano passado para um bilionário chinês. Não precisava de enredo melhor para a telona.

Nordeste livre de apagão

              A garantia foi dada pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS): não há risco de faltar energia no Nordeste, mesmo com os baixos níveis de armazenamento na Bacia do Rio São Francisco, causado pela ausência de chuvas na região. Segundo o ONS, as demais alternativas oferecidas pelo Sistema Interligado Nacional garantem o suprimento de energia para a região. Mesmo assim a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf) já pediu a redução da vazão de água da Usina de Sobradinho, na Bahia, em direção do rio dos atuais 800 metros cúbicos por segundo para 700 m3.

 

Nordeste livre de apagão 2

                O pedido de redução foi encaminhado à Agência Nacional das Águas (ANA) e ao Ibama, que estão avaliando a questão. O Ministério das Minas e Energia também encaminhou ao Ministério da Casa Civil. Para a Chesf a redução é necessária para que o volume da barragem não chegue a zero, o que atingiria a geração de energia. No entanto, a redução da vazão prejudica a captação de água para a população, além de outros aspectos como os projetos de irrigação, a navegabilidade e até a pesca artesanal.

 

 

  • O governador Renan Filho anunciou que a Força Nacional retornará ás atividades em Alagoas, logo após as eleições municipais.
  • O chefe do Executivo alagoano estará em Brasília na próxima semana, para acertar detalhes com o Ministro da Justiça, Alexandre Morais, que já garantiu o retorno da tropa a Alagoas.
  • A Força Nacional foi deslocada para o Rio de Janeiro para colaborar com a segurança das Olímpiadas, das Paralimpíadas e também para acompanhar as eleições municipais naquele estado.
  • A Força Nacional está presente em Alagoas desde 2014, para auxiliar no combate à criminalidade, que na época atingia índices altíssimos. A tropa foi enviada pelo então Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo e pela secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki.
  • A partir de Janeiro de 2015, a Força Nacional passou a ser responsável pela investigação dos homicídios cometidos na capital alagoana, trabalhando em conjunto com as demais forças integradas de segurança do Estado.