3 de agosto de 2016

Dor do crescimento.

Assim chamada, pois é uma dor sem razão muito lógica e que acomete os membros inferiores principalmente do joelho para baixo.

Algumas crianças são afetadas e outras não. São irmãos e possuem idade com pouca diferença e executam tarefas semelhantes em casa e na escola. Uma tem a dor e a outra não.

Normalmente aparece no final do dia ou à noite tendo alguma intensidade fazendo com que a criança necessite de atenção e às vezes medicação analgésica.

No dia seguinte parece que nada aconteceu voltando a criança a realizar suas atividades diárias sem nenhum sintoma ou queixa.

Crescemos com maior intensidade ao nível do joelho onde temos os núcleos de crescimentos (células germinativas ósseas) do fêmur e da tíbia.

Os ossos crescem e os músculos, ligamentos e tendões não acompanham esse crescimento.

São teorias sem comprovação eficaz.

O fato é que a dor existe. Pediatras e ortopedistas devem ser procurados para esclarecimento e afastarem outras causas que necessitem de correção ou tratamento específico.

Caso não existam manchas, formação tumoral, aumento de temperatura local, com modificação de coloração e um exame de imagem normal será confirmada a dor do crescimento.

Atenção dos pais e/ou dos cuidadores. Uso de calor úmido local com um creme para espalhar. E até mesmo analgésico oral pode ser utilizado.

Ao contrário, a dor persistindo no dia seguinte com modificação da marcha (claudicação), não querendo brincar, ficando pelos cantos. A criança deve ser levada imediatamente ao especialista.