Blog do Dresch

5 de julho de 2016

“Juiz Moro foi treinado pelo FBI”

                 A filosofa Marilena Chauí, de 74 anos, publicou um vídeo no último Domingo (3) afirmando que o juiz federal Sérgio Moro, que comanda a Operação Lava Jato, foi treinado pelo FBI para conduzir o caso. Na sua avaliação, o objetivo da Lava Jato seria retirar do Brasil a soberania sobre o pré-sal. “Ele (Moro) recebeu um treinamento característico do que o FBI fez no Macarthismo (política de perseguição anticomunista adotada pelos Estados Unidos nos anos 1950) e fez depois do 11 de Setembro que é a intimidação e a delação” afirmou Chauí que é também professora da Universidade de São Paulo (USP).

O “treinamento de Moro” 2

                   Ainda de acordo com a pensadora, os EUA trabalham com o objetivo de desestabilizar o Brasil. A Operação Lava Jato é, vamos dizer assim, o prelúdio da grande sinfonia de destruição da soberania brasileira para o século 21 e 22”. Ela criticou a gestão interina de Michel Temer e o Ministro das Relações Exteriores, José Serra, e os acusa de pretender entregar a exploração do pré-sal para empresas norte-americanas e afirma que o governo está “destruindo a economia brasileira”. Não é a primeira vez que Chauí, notória intelectual de esquerda, denuncia que que o objetivo da Lava Jato é entregar o pré-sal. Ela também afirmou que outra finalidade da ação policial é enfraquecer o Mercosul.

Alimentação equivocada

                   O brasileiro continua se alimentando muito mal. Frutas, legumes e verduras cada vez mais perdem espaço para os produtos industrializados. Segundo uma nova pesquisa científica, publicada em uma revista internacional, e que revisou 23 estudos feitos sobre o tema entre 2005 e 2015, mostrou que só 12,5% dos adolescentes brasileiros consomem uma porção de fruta, legume ou verdura por dia, quando o ideal, proposta pela Organização Mundial da Saúde (OMS) seriam cinco porções (ou 400 gramas). Entre os idosos a situação é um pouco melhor. Em capitais como Florianópolis e Belo Horizonte, até 40% deles têm um consumo adequado destes alimentos. O que mais preocupa os cientistas, é que o consumo inadequado está diretamente relacionado ao ganho de peso, e isso pode explicar porque mais da metade da população adulta do país está obesa. Ao comer mais frutas e verduras, o cidadão ingere carboidratos mais complexos, com fibras e com isso acaba comendo menos carboidratos mais simples como pães brancos, bolos e bolachas. A pesquisa acompanhou a dieta de mais de 117 mil pessoas, entre 30 e 40 anos de idade no início do estudo durante um período de 24 anos. Entre as frutas que mais colaboram para a perda de peso estão maçãs e peras (até 560 gramas a menos), depois aparecem morango e amora (até 500 gramas).  As cítricas colaboram com uma perda de até 112 gramas.

 

Continuidade no Tribunal?

                   Ao assumir a presidência do Tribunal de Justiça de Alagoas, o desembargador João Luiz Azevedo Lessa, disse aos seus pares que dará continuidade às reformas e trabalhos que vêm sendo desenvolvidos no âmbito do Judiciário estadual. Ele substitui o desembargador Washington Luiz, afastado por determinação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) pelo cometimento de uma série de irregularidades, segundo a assessoria de comunicação do CNJ. João Luiz deixa agora a Câmara Criminal, por onde esteve por três anos, e passa a presidir o TJ até a decisão final do Conselho, que pode decidir pelo retorno de Washington Luiz à presidência, ou pelo seu afastamento em definitivo.

Desaposentação é realidade

                   O direito à troca de aposentadoria ainda aguarda a decisão oficial do Supremo Tribunal Federal, mas milhares de trabalhadores já obtiveram ganho de causa através de ações na Justiça. A desaposentação permite que o trabalhador já aposentado, continue trabalhando e possa requerer um benefício que inclua as novas contribuições à Previdência Social. Os advogados especializados em direito previdenciário utilizam o novo Código de Defesa Civil, aprovado em Dezembro de 2014 pelo Senado, como argumento de tutela de evidência.

Desaposentação é realidade 2

                   Para alguns advogados o recebimento da desaposentação pode significar riscos, caso o Supremo não aprove a medida, Para alguns o trabalhador poderia ter de devolver valores recebidos a mais. Mas a probabilidade disso acontecer é pequena, já que o direito previdenciário é interpretado como verba alimentar e não pode ser devolvido. Estima-se que hoje existam cerca de 182 mil ações na Justiça para obtenção do benefício. Se o Supremo aprovar a desaposentação, a Previdência deverá sofrer um impacto calculado em R$ 180 milhões nas próximas duas décadas.

TSE rejeita vaquinha virtual

                   Por unanimidade, os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitaram a possibilidade de utilizar a internet para se fazer uma espécie de vaquinha virtual (“crowdfunding”) para captar doações de pessoas físicas nas eleições. A decisão do TSE estabelece que a legislação só permite receber doações pela internet através do site do candidato, partido ou coligação. O tema entrou em discussão após consulta dos deputados federais Daniel Coelho (PSDB-PE) pré-candidato à Prefeitura do Recife, e Alessandro Molon (Rede-RJ) que pretende concorrer à prefeitura do Rio de Janeiro.

 

 

  • Os bandidos continuam desafiando a polícia alagoana e prejudicando milhares de sertanejos. Os assaltos a agências bancárias durante a madrugada viraram rotina no sertão alagoano.
  • Ontem pela madrugada foi a vez de uma agência do Banco do Brasil em Água Branca. Dois carros foram usados pelos assaltantes que fugiram sem serem molestados.
  • A população, além de assustada, fica em situação difícil, porque precisa, a partir de então, se deslocar para outras cidades para pagar contas, fazer depósitos, receber o benefício, a aposentadoria, ou mesmo efetuar qualquer tipo de transação bancária.
  • A Secretaria de Segurança Pública sabe das dificuldades de combater este tipo de crime, e reclama com razão, da falta de colaboração dos próprios bancos em tentar resolver juntos o problema.
  • Para os bancos, a segurança das agências externamente, é responsabilidade do estado, e os prejuízos financeiros e estruturais são cobertos pelo seguro.
  • O transtorno causado aos clientes e usuários? Isso é outro papo.