4 de julho de 2016

Amigos de ontem,de hoje, de sempre.

Com o título acima o Professor Dr. Arnaldo Amado Ferreira Filho se dirigiu aos ortopedistas componentes da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Ombro e Cotovelo. O artigo foi lido pelo seu filho Dr. Arnaldo Amado Ferreira Neto num evento da referida Sociedade.

Conheci o pai no Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da USP. Cheguei a fazer plantão na sua Clínica privada quando da minha passagem pelo referido Hospital.

O filho que é o neto conheci em Maceió como estudante hospedado onde hoje é a secretaria de Educação no bairro do Mutange. Fatos pitorescos aconteceram aqui. Primeiro ao se entusiasmar com as nossas variedades culinárias, Arnaldinho como o chamo, teve que ser socorrido chegando a necessitar de atendimento na antiga Unidade de Emergência. No evento estudantil que participava conheceu sua esposa que na época estudante era oriunda do Rio de Janeiro.

Arnaldo o pai tem uma veia de escritor muito acurada e citando o médico e pensador mexicano Ignácio Chaves nos dá uma bela lição. “Os médicos são a mais ampla ponte entre a ciência e o humanismo. A arte de curar se projeta inexoravelmente nas únicas formas concretas da existência humana que são saúde e vida, enfermidade e morte. A medicina é antes de tudo arte sob cujo conceito precedeu e sempre precederá a ciência, e tem humanismo quando aspira ser algo mais que curar enfermidades, dando ao homem completo sentido a sua dignidade e liberdade”.

Dessa forma o Professor Arnaldo ficará para sempre conhecido com um baluarte da medicina com humanismo que sempre foi seu ensinamento para nós residentes do HC da FMUSP!

x) Texto extraído do Jornal do Ombro & Cotovelo Ano XII no. 37 Jun. 2016.