Roberto Baia

10 de junho de 2016

Uma difícil missão

As famílias Tavares e Pereira, que sempre foram rivais na política da cidade de Junqueiro, decidiram se unir e com isso selaram o destino das eleições municipais que serão realizadas no próximo dia dois de outubro.

Com apoio do governador Renan Filho, as duas famílias tradicionais vão apoiar o filho do ex-prefeito Raimundo Tavares, conhecido popularmente como Neto.

 

Missão impossível

Mas a oposição decidiu reagir e vai lançar o nome do empresário Leandro Silva (PPS) para disputar uma das Prefeituras mais importantes do interior alagoano. Será uma missão praticamente impossível, mas como diz o ditado: “Em se tratando de política, tudo é possível; até boi voa”.

 

Camisa de força

O deputado estadual Rodrigo Cunha disse um não com todas as letras ao puxa-saco do ex-governador Teotonio Vilela que queria a todo custo que ele fosse candidato a prefeito de Arapiraca. “Nem com camisa de força serei candidato”, esbravejou o deputado, que é filho da saudosa deputada federal Ceci Cunha.

 

Nome importante

Ninguém sabe o motivo, mas Téo não está nada satisfeito com a possibilidade do PSDB apoiar a pré-candidatura do ex-secretário estadual de Educação, Rogério Teófilo. É importante lembrar que Teófilo foi bem votado nas últimas eleições municipais e perdeu para a prefeita Célia Rocha por diferença de um pouco mais de seis mil votos. Sem dúvida, é um nome que deve ser levado a sério dentro da cúpula do PSDB.

 

Pendenga na Canoa

A briga entre o deputado Jairzinho Lira e o tio-prefeito Álvaro Melo está n o pré-candidato Lauro Fonseca, na terra do poli-instrumentista Hermeto Paschoal. A boca miúda fala-se que Jairzinho apoia qualquer candidato do grupo, mesmo o tio, que já anunciou interesse de disputar a reeleição.

 

Não respeita

Fofoqueiros de plantão, não deixam barato e informam que a pendenga é por conta do filho do prefeito, que atua como uma espécie de Manda-Chuva na administração e não tem qualquer respeito pelo primo-deputado.

 

Sacrifício

Jairzinho já teria, inclusive, externado o desejo de disputar as eleições caso não encontre um nome a altura para enfrentar a forte candidatura médico canoense Lauro Fonseca, que anunciou essa semana o nome do advogado Paulo como seu pré-candidato a vice-prefeito.

Trocando em miúdos: Jairzinho pode ir para o sacrifício, mas não apoia o titio.

 

Trapalhadas

Do jornalista Bernardino Souto Maior: O prefeito da cidade de Palmeira dos Índios, o neo-peemedebista James Ribeiro, tem se destacado no cenário político da região pelas trapalhadas e traições aos seus aliados históricos. São tantas traições nestes oito anos que a pré-candidata à sucessão, escolhida a dedo, Verônica Medeiros (PMDB) não consegue decolar, nem atrair a simpatia dos outros grupos políticos.  A lista é grande e reúne nomes de peso como o ex-governador, Teotonio Vilela Filho e Targino.

 

Vai pagar

Segundo o jornalista Bernardino, James não sabe, mas pagará um preço muito alto por abandonar aliados de primeira hora e dos tempos de vacas magras. Os “novos amigos” como o ex-jogador de futebol, Roberval Cavalcante (que está na mira de muita gente) e o volumoso, Geraldinho Ribeiro (que comanda com Roberval uma verba: alta na área de alimentação) ganharam a simpatia do prefeito. Por que será?

 

Os traídos

Na lista de James “O Vingador” estão: Luiz Ferro (que armaram contra ele e caiu nas garras da PF); Dr. José Cícero (Pita da Luciana); a professora Márcia Barbosa (Márcia do Logus que matava e morria pelo jovem líder); o ex-secretário de Articulação, Antônio Fonseca (que até empréstimo pessoal fez para salvar o grupo); José Maria Melo da Costa (presidente do Sindicato Patronal reclama dívidas não pagas); Adjelma Costa (professora e irmã da descontente secretária de Cultura, Aparecida Costa).

 

… O Tribunal de Justiça de Alagoas negou, por unanimidade, pedido de liberdade do acusado no assassinato do modelo Erick Ferraz,  Judarley Leite de Oliveira teria matado o modelo, com 3 tiros, durante as comemorações da virada do ano de 2011 para 2012, em Viçosa. Judarley confessou ter atirado na vítima e encontra-se preso pelo crime desde agosto de 2012.

… A defesa pediu habeas corpus no TJ alegando existir ilegalidade na prisão por excesso de prazo, uma vez que Judarley encontra-se preso há quase 4 anos. Mas, segundo o desembargador relator do caso, João Luiz Azevedo Lessa, não há excesso de prazo capaz de gerar constrangimento ilegal, conforme alegou a defesa. “A liberdade do ora paciente, em tese, constitui ameaça à ordem pública”, afirmou.

…Além disso, João Luiz ressaltou que o pedido de desaforamento solicitado pelo réu, durante o andamento do processo, deverá ser analisado na próxima sessão de julgamento da Câmara Criminal, que será realizada na próxima quarta-feira (15).