8 de junho de 2016

O que fazer de fora para dentro e de dentro para fora.

O que você deve fazer de fora para dentro: A água purifica. Sempre que puder vá à praia, rio ou cachoeira. 
Em casa, enquanto toma banho, embaixo do chuveiro, de olhos fechados, imagine que seu cansaço físico e mental e toda a carga negativa estão indo por água abaixo. 
Ande descalço quando puder, na terra de preferência.

 

 Em casa, massageie seus pés apos um longo dia de trabalho. Ou coloque-os em água morna. Mantenha contato com a natureza. 
Tenha em sua casa pelo menos um vaso de plantas. Cuide com carinho. O amor que dedicamos às plantas e animais acalma o ser humano e funciona como um relaxante natural.

 
Ouça músicas que o faça cantar e dançar. Seja qual for o seu estilo preferido! A vibração de uma canção tem o poder de fazer nos sentirmos vivos, aflorando a nossa emoção e abrindo o nosso canal com a alegria.

 
Sinta o perfume das flores e cheiros da natureza sempre que tiver uma oportunidade. Muitas sensações de conforto se originam num simples ato de inspirarmos delicadamente fragrâncias sutis e agradáveis.


Não deixe que a saudade sufoque que a rotina acomode que o medo impeça de tentar. Liberte-se! Sempre que puder livre-se da rotina e pegue a estrada, nem que seja por um único dia. 
Viva a vida! Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando.


Lembre-se, por fim, que uma carícia, um sorriso, um ouvido atento, um elogio sincero ou um mínimo ato de amor tem o poder de transformar uma vida.


O que você deve fazer de dentro para fora.

 Pense sempre de forma positiva. 
Toda a vez que um pensamento negativo vier à sua mente, troque-o por outro que seja positivo! É preciso muita disciplina mental. 
Você não adquire isso do dia para a noite! Como um atleta, treine muito. Não tenha medo de nada e nem de ninguém. 
O medo é uma das maiores causas de nossas perturbações interiores. Tenha fé em você mesmo, porque o medo pode lhe afastar das derrotas, mas das vitórias também.

Não se queixe.
Quando você reclama tal qual um imã, você atrai para si toda a carga negativa de suas próprias palavras. 
A maioria das coisas que acabam dando errado começa a se materializar quando nos lamentamos. 


Risque a palavra “culpa” do seu dicionário. Não se permita esta sensação, pois quando nos punimos, abrimos nossa retaguarda para pensamentos opressores e agressores, que vibram com a nossa melancolia. Ignore-os. 


Não deixe que interferências externas tumultuem o seu cotidiano. Livre-se de fofocas, comentários maldosos e gente deprimida. 
Isto é contagioso. Seja prestativo com quem presta. Sintonize com gente positiva e alto astral. 


Não se aborreça com facilidade e nem dê importância a bobagens.

Quando nos irritamos envenenamos nosso corpo e nossa mente. 
Procure viver com serenidade e quando tiver vontade de explodir, conte até dez. 


Viva o presente. O ansioso vive no futuro. O rancoroso, no passado. Não perca tempo com melindres e preocupações, pois só trazem doenças. Nada se repete tudo passa. 
Faça o seu dia valer a pena. Aproveite o aqui e o agora.

 

Recebi o texto acima do colega e amigo Luiz Guimarães Gomes de Sá. Médico, músico, escritor, produtor musical e aposentado do Banco do Brasil. Não foi encontrado o autor. De muito proveito para a vida.