Blog do Dresch

2 de junho de 2016

Renan nega indicação no governo

                 O presidente do Senado e do Congresso Nacional, o senador alagoano Renan Calheiros (PMDB) garantiu através de nota que não fez, não faz e nem fará qualquer indicação no governo interno do presidente Michel Temer. Segundo Renan, qualquer indicação é incompatível com a independência entre Poderes da República. “Independentemente de sermos do mesmo partido e das convergências em nome do Brasil, tive a oportunidade de externar ao Senhor Presidente da República que a indicação de nomes é incompatível com a independência entre os Poderes da República. Nos dois encontros que mantivemos defendi, como já fiz publicamente, que minha contribuição se dará a partir de agendas e programas. Esta é a melhor maneira de colaborar para superarmos a grave crise atual” diz a nota.

Sem indicações 2

                   A nota foi divulgada pelo gabinete da Presidência do Congresso em função do envolvimento do nome do senador alagoano como sendo sua a indicação do ministro demitido Fabiano Silveira, do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle, além de outras citações em grampos feitos pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. “Em face das especulações, reitero de maneira pública e oficial, que não irei indicar, sugerir, endossar, recomendar e nem mesmo opinar sobre a escolha de autoridades no governo do Presidente Michel Temer” concluiu Renan.

Bradesco no banco dos réus

                   Segundo maior banco privado do país, o Bradesco acabou virando alvo da Operação Zelotes, acusado de participar de um esquema de venda de sentenças do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). Com base nas investigações a Polícia Federal acabou indiciando o diretor-presidente do banco, Luiz Carlos Trabuco, além de outros dois dirigentes do Bradesco. O relatório com o indiciamento de nove pessoas foi encaminhado pela Polícia Federal para o Ministério Público Federal. Os indiciamentos são por crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e tráfico de influência. Agora os procuradores da República vão analisar se a documentação recebida é suficiente ou se novas diligências deverão ser feitas. Caso o MPF considere que existem evidências suficientes, os indiciados poderão ser denunciados à Justiça Federal. O esquema montado na Carf visava beneficiar empresas que foram multadas pela Receita Federal e a negociação de medidas provisórias a favor de empresas de diversos setores da economia. O Carf é um orgão do Ministério da Fazenda ao qual contribuintes recorrem contra multas. O Bradesco emitiu nota negando que seus dirigentes tenham prestado serviços pra o grupo investigado e muito menos o presidente Trabuco tenha participado de reuniões para discutir assuntos neste sentido.

 

 

Água tratada no sertão

                   Uma nova Estação de Tratamento de Água será entregue á população sertaneja neste mês de Junho, segundo o Governo do Estado. A Estação utilizará a água do Canal do Sertão e vai reforçar o abastecimento de oito municípios do sertão alagoano. O trabalho vem sendo feito pela Secretaria de Estado da Infraestrutura, pela construtora SVC e pela Companhia de Saneamento e Abastecimento de Alagoas (Casal). O projeto da estação também prevê a recuperação das estações elevatórias de água tratada que enviam o liquido para Água Branca, Mata Grande, Inhapi e Canapi, o que deve acontecer em uma segunda etapa.

Escravidão no mundo

                   Existem hoje em todo o planeta cerca de 45,8 milhões de pessoas sujeitas a algum tipo de escravidão moderna. A estimativa é do relatório Índice de Escravidão Global 2016, elaborado pela Fundação Walk Free. Segundo o documento, 58% dessas pessoas estão em apenas cinco países: India, China, Paquistão, Bangladesh e Uzbequistão. Já os países com a maior proporção da população em condições de escravidão são Coreia do Norte, Uzbequistão, o Camboja e a Índia.

Escravidão no mundo 2

                   É considerada escravidão moderna quando uma pessoa controla a outra, retirando sua liberdade individual, com a intenção de explorá-la. As formas de escravidão são: o tráfico de pessoas, o trabalho infantil, a exploração sexual, o recrutamento de pessoas para conflitos armados e trabalho forçado em condições degradantes com extensas jornadas, sob coerção, violência, ameaça ou dívida fraudulenta. Na Coreia do Norte existem informações de que os cidadãos são submetidos a trabalhos forçados pelo próprio estado.

Escravidão no mundo 3

                   No Uzbequistão a denúncia diz respeito à exploração de trabalhadores na colheita do algodão. No Camboja existe a prevalência da exploração sexual e escravidão moderna na indústria, construção e trabalho doméstico. Na Índia onde se estima que vivam 18,3 milhões de pessoas em condições de escravidão, sendo que as pesquisas apontam que estão no trabalho doméstico, na construção, na agricultura, na pesca, em trabalhos manuais e ainda na indústria do sexo. No Brasil estima-se que existam 161 mil pessoas submetidas á escravidão moderna, concentrada em áreas rurais, nas regiões do cerrado e da Amazônia.

 

  • O escritor brasileiro Raduan Nassar foi o vencedor do Prêmio Camões 2016. O anúncio foi feito esta semana pela Secretaria de Estado de Cultura de Portugal.
  • O prêmio é um dos mais importantes da língua portuguesa e é concedido anualmente a um escritor da língua portuguesa que tenha contribuído para a projeção e reconhecimento do idioma em todo o mundo. O prêmio é de 100 mil euros.
  • Raduan Nassar é paulista da cidade de Pindorama e descendente de libaneses. Seus principais livros, “Lavoura Arcaica”, “Um copo de cólera” e “Menina a caminho” são sucesso de vendas e todos com versão para o cinema.
  • A Secretaria de Cultura de Portugal considera sua obra como “de intervenção, promovendo uma consciência política e social contra o autoritarismo”.
  • Os brasileiros que já receberam o prêmio foram: João Cabral de Melo Neto (1990), Rachel de Queiroz (1993), Jorge Amado (1994), Antonio Cândido (1998), Autran Dourado (2000), Rubem Fonseca (2003), Lygia Fagundes Telles (2005), João Ubaldo Ribeiro (2008), Ferreira Gullar (2010), Dalton Trevisan (2012) e Alberto da Costa e Silva (2014).