Blog do Dresch

31 de Maio de 2016

A agonia dos municípios

     A situação financeira e contábil dos municípios alagoanos (e brasileiros) é cada vez mais difícil. Aguarda-se uma definição por parte do governo Temer em relação á política municipal, ainda sem solução, segundo colocações feitas pelo presidente da Associação dos Municípios de Alagoas (AMA), Marcelo Beltrão. Segundo ele, a queda no repasse dos valores do Fundo de Participação, alcançou 13,7% nos últimos doze meses, sem contar com a inflação, com o aumento dos funcionários, do salário mínimo, da merenda, do transporte escolar e outros gastos.

Municípios agonizantes 2

                   Ainda de acordo com Beltrão “os municípios estão fazendo a sua parte, cortando gastos, e evitando novos investimentos. Mas a inflação alta faz com que as prefeituras tenham de dar uma contrapartida cada vez maior, enquanto que o repasse federal diminui a cada mês” disse o presidente da AMA. Em um comparativo entre a arrecadação das prefeituras e o salário mínimo o desequilíbrio é grande. “Entre 2010 e 2016 o aumento do salário mínimo foi de 72%, e a arrecadação das prefeituras chegou apenas a 58%” ponderou Beltrão. Ele espera que o novo governo possa melhorar as politicas municipais e valorizar os prefeitos.

 

PMDB assume setor elétrico

                   Após livrar-se do PT com quem dividia o comando dos principais segmentos estatais, o PMDB agora reina absoluto. O exemplo principal é o setor elétrico. Diferente da situação da Petrobrás, onde o novo presidente, Pedro Parente, garante não aceitar a ingerência política, no sistema elétrico a disputa entre pemedebistas é bastante acirrada. O atual presidente da Eletrobrás, José da Costa Carvalho Neto é indicação do ex-ministro das Minas e Energia, Edson Lobão com o respaldo do ex-presidente José Sarney, mas vai ser substituído. Será a bancada do PMDB no senado que fará a nova indicação, principalmente Renan Calheiros e o líder Eunício Oliveira. Mas a Eletrobrás enfrenta um momento difícil. Levou um prejuízo de R$ 14,4 bilhões em 2015, e tem uma dívida total de mais de R$ 40 bilhões, além de enfrentar problemas na Bolsa de Nova York. A empresa, no entanto tem participação ou controle acionário de dezenas de empresas de geração e transmissão de energia, entre elas as usinas de Belo Monte (49,98% das ações), Jirau (40%) e Santo Antonio (39%). A Eletrobrás de Alagoas segue o modelo nacional na indicação de seus diretores. Já a Chesf (Companhia Hidroelétrica do São Francisco) vai ser entregue á direção nacional do PSB, segundo garantia do Presidente Temer ao ministro das Minas e Energia, Fernando Coelho Filho.

 

Tabaco e concepcional

                   Nesta terça, (31) é comemorado o Dia Mundial Sem Tabaco, e as autoridades ressaltam para um grave problema que atinge especialmente as mulheres: a combinação de cigarro e pílula anticoncepcional. O cigarro, sozinho já traz malefícios ligados ao coração e à circulação do sangue pelo corpo. Para as mulheres fumar e usar a pílula podem levar a sérios problemas de saúde como trombose (um aumento de 30 vezes a mais), infarto, AVC e derrame. O uso do anticoncepcional gera fatores de coagulação e o uso do cigarro, pelas substâncias tóxicas reforça as placas de gordura que estreitam os vasos.

Tabaco e concepcional 2

                   A principal recomendação dos ginecologistas é que, nestes casos, é importante a mulher pelo menos parar de fumar, lembrando que o tabaco esta presente em mais de 40% das mortes de mulheres com menos de 65 anos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as mulheres acima dos 35 anos sofrem mais com o efeito desta combinação, principalmente se a pílula conter estrógeno e progesterona na sua formulação. O cigarro também faz com que a pílula gere uma modificação nos lipídios, nos triglicerídeos e no colesterol da mulher. Por isso a melhor recomendação é que a mulher abandone o vício.

Mercado online só cresce 2

                   São muitas as empresas que resolvem apostar no e-commerce para aumentar suas vendas. Um exemplo é a Loja Elétrica, especializada em produtos elétricos que criou um canal virtual. São ofertados mais de mil produtos como fios, cabos, disjuntores, lâmpadas, luminárias, ferramentas, reatores, eletroeletrônicos entre muitos outros e o resultado tem sido muito bom. Outra empresa que seguiu o mesmo caminho foi a rede de supermercados Super Nosso. A rede investiu R$ 1,5 milhão na criação de um sistema de compras pela internet, e atendendo pelo site (24h) ou pelo telefone das 8h ás 20h. São feitos em média 2.500 pedidos por mês, principalmente na região metropolitana de Belo Horizonte. São itens voltados para a família, depois produtos femininos e masculinos e em seguida produtos da linha gourmet e importados.

Vacinação contra aftosa

                   O criador alagoano precisa ficar atento. Nesta terça feira, dia 31 termina o prazo para vacinação do rebanho bovino e bubalino do Estado contra a febre aftosa. Esta é a primeira etapa da campanha neste ano de 2016. A segunda etapa vai acontecerem Novembro próximo. A meta da Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas (ADEAL) é imunizar praticamente todo o rebanho do estado, estimado em 1,2 milhão de animais, já que nos anos anteriores a vacinação atingiu praticamente os 100%. Após garantir a vacinação do seu rebanho, o criador deve entregar a declaração do procedimento ao escritório da Adeal mais próximo da sua propriedade.

 

  • Um comunicado conjunto dos sete países mis industrializados do mudo, advertiu para “os riscos de baixa do cenário da economia global”. A reunião aconteceu semana passada em Shima, no Japão, e os líderes mundiais ressaltaram que o crescimento global é “prioridade urgente”.
  • “Desde a nossa última reunião, os riscos descendentes para as perspectivas mundiais têm aumentado” disseram os líderes do G-7, em uma declaração conjunta.
  • Disseram que se comprometem com o fortalecimento das respostas de politicas econômicas de forma cooperativa e a empregar uma combinação mais forte e equilibrada destas políticas, para alcançarmos rapidamente um padrão de crescimento forte, sustentável e equilibrado.
  • Os países do G-7 têm aplicado afrouxamentos monetários sem precedentes para estimular a economia, mas os líderes notaram que “a política monetária sozinha não pode levar a um crescimento forte, sustentável e equilibrado” segundo o documento.
  • Os líderes dos países industrializados também reafirmaram no documento que estão comprometidos com as taxas de câmbio determinadas pelo mercado, e ressaltaram a importância de todos os países se absterem da desvalorização cambial competitiva.