Blog do Dresch

25 de Maio de 2016

O investimento de Collor em obras de arte

Jucá foi só o primeiro

                   Ao que tudo indica, e se não houver novos “entendimentos”, o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado pretende negociar uma delação premiada com a Procuradoria-geral da República. Para isso, ainda dispõe de novas gravações com outras lideranças do PMDB, partido que bancou o seu emprego na Petrobrás. Segundo o jornal Folha de São Paulo, as gravações envolvem a cúpula do partido, entre eles o presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) e também com o ex-presidente José Sarney. A delação aguarda ainda ser homologada pelo ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal. Machado vem tentando convencer os investigadores que o material gravado que esta em seu poder, traz mais detalhes do esquema de corrupção montado na estatal, e quer trocar estas informações por benefícios. A Procuradoria quer incluir Sérgio Machado como investigado no inquérito principal da Lava Jato, já que ele era uma peça fundamental na estrutura da propina montada na Petrobrás. Em depoimento prestado em Novembro à Polícia Federal, Machado disse que sua indicação para o cargo foi patrocinada pela direção nacional do PMDB. Disse ainda no depoimento que teve encontros diversos com Fernando Baiano, apontado como operador do esquema e com o diretor Paulo Roberto Costa. Nos depoimentos prestados por ambos, na delação premiada, o nome de Sérgio Machado foi uma constante.

 Collor: um colecionador de arte

                   O Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, tem direcionado suas investigações sobre a coleção de obras de arte do senador alagoano Fernando Collor de Mello. O Ministério Público Federal obteve notas fiscais que somam mais de R$ 1,5 milhão gastos pelo senador em antiguidades, jóias e porcelanas. Um leiloeiro encaminhou á Procuradoria notas fiscais de vendas de obras de arte e antiguidades para Collor, de 2010, 2011 e 2013. São obras comercializadas por R$ 651.840, R$ 198.660, R$ 90.195, R$ 215.500, R$ 242.800 e R$ 135.200. Em 2014, outra compra atingiu R$ 276.832 segundo nota em poder da Procuradoria.

Collor: um colecionador de arte 2

                   Outras notas de compra, apontam que o senador alagoano adquiriu em 5 de Setembro de 2013 um jogo com11 peças pagando R$ 215.500, uma sopeira de prata por R$ 21 mil, um jogo de copos de cristal veneziano por R$ 17.500 e um faqueiro de prata inglesa com 202 peças por R$ 45 mil. Em outra nota, outras 11 peças custaram R$ 242.800. Na lista estão uma fruteira de bronze e porcelana de R$ 4mil, uma jarra para água de prata francesa por R$ 30 mil e um par de poltronas antigas por R$ 135 mil. Ouvido a respeito, Collor disse que todas as obras foram adquiridas e pagas com recursos próprios, de origem lícita, e com notas fiscais em seu nome. Para ele a denúncia de lavagem de dinheiro sem comprovação é irresponsável e temerária e não merece qualquer credibilidade.

Vacinação atinge a meta

                   Alagoas vacinou 85,26% do público alvo da gripe H1N1 até a data final da campanha de vacinação, na última sexta feira, dia 20. A informação é de um levantamento da Secretaria de Saúde do Estado, após receber os dados das secretarias municipais. O percentual supera a meta estabelecida pelo Ministério da Saúde, mas em alguns municípios, que não atingiram o estipulado a vacinação continua nos postos de saúde. Ao todo foram administradas 542.726 doses da vacina.

Vacinação atinge a meta 2

                   De acordo com Denise Castro, do Departamento de Doenças Imunopreveníveis e Vacinação da Secretaria de Estado da Saúde “Alagoas conseguiu ficar entre os primeiros estados do Nordeste com maior índice de                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                   imunização e uniformidade na aplicação da vacina” afirmou. Ela destacou ainda o trabalho desenvolvido pelos técnicos, pelos gestores municipais e estaduais e demais servidores envolvidos direta e indiretamente com a campanha de imunização dos grupos prioritários.

Professores armados

                   A proposta, pelo menos por enquanto, é para os professores norte-americanos. Mas como tem gente que defende que o que é bom para os EUA é bom o Brasil quem sabe… A proposta é do bilionário candidato republicano á Presidência dos Estados Unidos, Donald Trump. Ele vem defendendo que os professores devem ter armas nas salas de aula. A afirmação foi feita durante uma entrevista telefônica a um programa de televisão “Fox & Friends” e causou um enorme rebuliço. Depois ele disse que não defendia a permissão de forma generalizada “apenas para alguns professores e em alguns casos”.

Professores armados 2

                   Na verdade o candidato republicano à Presidência tem defendido a liberação geral para o uso de armas. Inclusive já garantiu perante dirigentes da Associação Nacional do Rifle, que caso seja eleito, pretende rever algumas medidas decretadas por Obama para impor restrições à compra de armas. Donald Trump disse mais tarde que não pretende liberar o uso de armas de fogo nas salas de aula, mas colocar em discussão a possibilidade de permissão para alguns professores ter uma arma consigo durante as aulas. Tem jeito?

 

 

  •  A garantia foi dada pelo Ministro dos Transportes, Portos e Aeroportos, o alagoano Mauricio Quintela, ao governador Renan Filho e por consequência ao povo alagoano: as obras vinculadas ao seu ministério e que estão paralisadas ou ainda não começaram terão prioridade.
  • Isso diz respeito á duplicação da BR 101, com vários trechos interrompidos ou abandonados por construtoras; á dragagem do Porto de Maceió, projeto aprovado e empenhado há anos e que permitirá receber navios de grande porte, obras de recuperação do nosso aeroporto, e outros serviços rodoviários.
  • Em Maceió uma obra estruturante e de grande porte que já esta atrasada, também recebeu uma atenção especial de Quintela: O viaduto da Polícia Rodoviária Federal no Tabuleiro.
  • Obra fundamental para a mobilidade urbana da parte alta da cidade, pórtico de entrada e saída da capital alagoana, e de grande fluxo de veículos para a Cidade Universitária da Ufal, para o Hospital Universitário, para o Complexo Prisional, Ceasa e diversos bairros de Maceió.