Blog do Dresch

22 de Maio de 2016

A deterioração da política externa

                   Sem se importar com a ofensiva do Ministro das Relações Exteriores do governo interino de Michel Temer, José Serra, a diplomacia de Cuba faz campanha nos orgãos internacionais contra o novo governo brasileiro. O governo cubano fala do impeachment da presidente Dilma Rousseff como “o golpe do estado parlamentário e judicial do Brasil” e afirma que Temer “usurpou o poder apoiado pela grande imprensa reacionária e pelo imperialismo”. Ainda segundo a diplomacia de Cuba “Dilma, Lula, o PT e o povo do Brasil contam e contarão sempre com toda a solidariedade de Cuba” diz anota que denuncia ainda as manobras da oligarquia e a contraofensiva reacionária.

Cuba lidera campanha 2

                   O e-mail com a declaração foi enviado para altos dirigentes da Organização Internacional do Trabalho, Organização Mundial do Comércio, ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha, para a Secretaria da ONU, Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Organização Mundial da Saúde, União Internacional de Telecomunicações, UNAids, Programa da ONU para o Desenvolvimento e para o programa da ONU para o Meio Ambiente e várias outras. Também receberam a nota a Secretaria da Convenção sobre Mudanças Climáticas, a Organização da Conferência Islâmica, alto escalão do governo suíço e centenas de outros diplomatas de todo o mundo.

Aumento na conta de luz

                   Este filme os brasileiros já viram. E é péssimo! No primeiro pacote de medidas votado pela Câmara dos Deputados, no governo interino de Michel Temer, foi aprovada uma medida provisória que altera o prazo para as distribuidoras de energia elétrica prorrogar a concessão do serviço, o que poderá significar um aumento na conta de luz dos brasileiros. O texto aprovado ´[e um projeto de conversão do senador Edson Lobão (PMDB-MA) que promove ainda outras mudanças, entre elas uma que beneficia as distribuidoras de sistemas isolados na região Norte. Originalmente a MP quando enviada pelo governo de Dilma Rousseff, só tinha um artigo, mas foram acrescentados diversos outros aditivos que vão refletir em todas as concessionárias, criticam os deputados do PDT, PT, PCdoB, PSOL e Rede. A MP foi editada para prorrogar os contratos de concessões de 40 concessionárias, sob a condição de cumprimento das metas de qualidade na prestação de serviço, bem como do desempenho econômico-financeiro das concessionárias. A proposta também abre espaço para a prorrogação dos contratos de concessão, além de abrir brechas para que a Eletrobrás possa se desfazer das subsidiárias. “Tem um jabuti (emenda) colocado no texto que abre espaço inclusive para a privatização” criticou o deputado Pepe Vargas (PT-RS).

 

 “Persona non grata”

                   O deputado federal Jair Bolsonaro foi considerado “persona non grata” pela Câmara Municipal de Campinas (SP), sua cidade natal. O deputado taxou os vereadores da cidade de “desocupados e otários”. Bolsonaro fez carreira política no Rio de Janeiro, mas nasceu e chegou a estudar em Campinas, no interior de São Paulo. Os vereadores justificaram sua posição dizendo que “a Câmara discorda da clara tentativa de desqualificar o Poder Legislativo Municipal”. “Diante de tamanha ofensa aos trabalhos desta Casa, entendemos que o parlamentar passa a ser persona non grata em Campinas”.

“Persona non grata”2

                   A Câmara havia aprovado uma moção de repúdio a homenagem de Bolsonaro ao coronel Brilhante Ustra, notório torturador, na votação do impeachment da Presidente Dilma Rousseff. Ao saber da posição dos vereadores de Campinas, Bolsonaro demonstrou toda sua tradicional “gentileza”. “Essa Câmara Municipal de vocês é fraca. Estou me lixando para estes vereadores que votaram isso. Eles não têm o que fazer. São uns desocupados, uns otários!” disse o parlamentar em entrevista ao jornal Correio Popular.

Prêmio Esso é cancelado

                        A mais tradicional premiação do jornalismo brasileiro, o ExxonMobil (o antigo Prêmio Esso) foi cancelado na sua edição de 2016, após 60 anos ininterruptos, segundo anunciou a patrocinadora, a multinacional de petróleo e gás norte-americana ExxonMobil. O motivo, segundo a empresa é revisar o formato do programa de premiação para contemplar tanto as mídias tradicionais como as novas formassem que o jornalismo vem sendo exercido no Brasil. A empresa publicou uma nota lembrando que mais de 33mil trabalhos jornalísticos foram julgados nos últimos 60 anos, resultando em mais de mil prêmios aos melhores profissionais do país.

Prêmio Esso é cancelado 2

                   No ano passado, na 60ª edição, foram distribuídos R$ 123.300,00 em prêmios em dinheiro. Além do prêmio principal de R$ 33 mil, foram contemplados outros 13 trabalhos, incluindo os prêmios ExxonMobil de Reportagem, Fotografia e Telejornalismo, e as 10 premiações de categoria da mídia impressa. Uma das maiores companhias privadas de petróleo e petroquímica do mundo, a Exxon Mobil esta presente em 200 países e territórios. No Brasil é a mais antiga petrolífera, com 103 anos de atuação. Atualmente trabalha nas áreas de Exploração e Produção, Químicos e Prestação de Serviços.

 

 

  • A Secretaria de Segurança Pública de Alagoas começa a construir, ainda neste primeiro semestre, as primeiras unidades de ação integrada entre as policiais civil e militar.
  •  Seis municípios serão beneficiados ainda este ano, mas a meta da SSP é alcançar 30 unidades integradas até o final de 2018. Inicialmente as cidades contempladas são Barra de São Miguel, Boca da Mata, Girau do Ponciano, Murici, São José da Lage e São José da Tapera.
  • A licitação para as obras acontece no inicio de Junho e a previsão de entrega dos prédios é de 120 dias.
  • As unidades de segurança integrada serão erguidas com recursos originários do Detran de Alagoas no valor de R$ 7,5 milhões, já depositados na conta da SSP.
  • É uma parcela dos R$ 72 milhões que o orgão de trânsito destinará para apoio á segurança pública no Estado, segundo Projeto de Lei, encaminhado pelo Executivo à Assembleia Legislativa e aprovado em 2015.
  • Pela lei os repasses anuais ficarão em torno de R$ 15 a R$ 20 milhões anuais, até completar os R$ 72 milhões previstos.