Edmilson Teixeira

18 de Maio de 2016

Traipu, duelo eleitoral

Prefeita Conceição Tavares ainda no clima da festa de emancipação politica de seu município, ocorrida na segunda-feira, deu uma longa entrevista ontem pela manhã, ao radialista França Moura, no programa “Cidadania”. Destacou  as péssimas condições que encontrou na Prefeitura. Afirmou que Traipu hoje vive outra realidade. “Quando assumi, o salário de um gari aqui, era de  70 reais; e o de uma merendeira apenas 50. Coisa absurda! Isso não existe mais” disse, enfatizando a onda de roubalheira que havia no serviço público, situação que veio fragilizar os cofres do município, que até hoje sofre com as consequências. 

 

Traipu – mira

 

O alvo de tantas denúncias da prefeita Conceição Tavares, tem sido o ex-prefeito Marcos Santos, seu maior opositor, que impossibilitado de concorrer a eleição por problema de ordem judicial, está lançando o nome da mulher Juliana Kummer (PMDB). Por sua vez, Conceição vai apoiar o primo, Eduardo Tavares (PDT) procurador público do Estado, ele que em 1988 chegou a ser eleito vereador lá em Traipu. Outros pretensos candidatos são: o atual vice, Erasminho (PT), Etinho Dias e Sargento Cavalcante ambos do PRP, José Afonso (PSDB) e Cícero Melo (PSB).

Capela

Uma grande mobilização tomou conta ontem de Capela, onde todos os órgãos públicos municipais e alunos da rede de ensino foram as ruas no combate ao mosquito Aedes aegipty, transmissor da Dengue, Zika Vírus e Chingungunya, além da microcefalia. O evento foi orquestrado pela secretaria de Saúde local, num trabalho de sensibilização  feito pelas ruas da cidade com distribuição de panfletos e verificação de focos do inseto.

Penedo

Depois de Pão de Açúcar, Arapiraca, Porto Calvo, Messias, Atalaia e, recentemente, Maragogi, agora será a vez de Penedo. É que a Junta Comercial de Alagoas- Juceal- inaugura nesta quarta-feira pela manhã, na capital do Baixo São Francisco, mais uma de suas unidades pelo interior alagoano. Trata-se do Juceal Express, órgão que vai facilitar os empresários da região, sobretudo estreitando o contato deles com a sede da  Junta que fica em Maceió.  

 

Saúde – caos

 

Na segunda-feira em Maceió, secretários municipais de Saúde, Cosems e gestores dos municípios que possuem o programa “Mais Médicos” e bases descentralizadas do Samu se reuniram no auditório do Conselho Regional de Medicina de Alagoas (CRM), para discutir mudanças referentes ao “Mais Médicos” e Samu, que vêm preocupando a categoria. 

 

Saúde – sucateadas

A proposta de novo modelo de financiamento das bases descentralizadas do Samu, por parte da Sesau, foi o ponto alto da discussão, já que os 35 municípios que têm estas bases (reguladas pelo Samu de Maceió e Arapiraca) terão de arcar com maiores custos de manutenção das ambulâncias, considerando que boa parte está sucateada e os prefeitos alegam não ter recursos financeiros para mantê-las, além de passar por momento de transição política. 

 

Saúde – frota

 

A apoiadora técnica do Cosems, Ana Porto, fez um estudo sobre a situação e ficou constatado que pelo menos 13 bases descentralizadas estão com ambulâncias paradas por mais de 60 dias e sem perspectiva de renovação da frota em 2017. Vale ressaltar que na Comissão Intergestores Bipartite (CIB) de 2011 ficaram pactuadas as responsabilidades das duas partes. As despesas do Estado seriam com abastecimento e manutenção, fornecimento de Equipamento de Proteção Individual (EPIs), contratação de seguros, capacitação de servidores, entre outros compromissos. 

 

Saúde – município

 

Já ao município caberia à contratação e pagamento dos servidores do Samu, manutenção da padronização visual das bases, manutenção predial das bases descentralizadas e despesa com a alimentação dos servidores. A proposta da Sesau é que o recurso do MS no valor de R$ 13.125,00 seja repassado para os municípios, mais a contrapartida estadual que seria de R$ 6.562,50, cabendo aos municípios contrapartida de igual valor. No entanto, pelos custos levantados, o valor total não é suficiente para a manutenção das bases descentralizadas do Samu.

 

Piaçabuçu – foz

 

Em Piaçabuçu aonde a população vem enfrentando problema na qualidade da água fornecida pela Casal, devido a redução da vazão do Rio São Francisco, que fez aumentar o teor de salinização em sua foz, sobretudo prejudicando a captação, tratamento e distribuição; a Casal garante que todo um esforço vem sendo feito pela companhia, a fim encontrar uma solução para o caso tão logo.  

 

Piaçabuçu – caminho

Entre as medidas para reverter tal situação, destacam-se a instalação de uma tela protetora circundando os equipamentos flutuantes; melhorias e elaboração de projeto para ampliação da estação de tratamento de água; e a instalação de duas caixas de água de 35 mil litros cada para auxiliar na reservação e distribuição em áreas onde há maior dificuldade de abastecimento.