Blog do Dresch

18 de Maio de 2016

Entidades sem confiança na Educação

                   Em meio a manifestações contrárias, tanto em relação á Cultura quanto à Educação, o novo ministro das duas pastas, Mendonça Filho diz que pretende priorizar o Plano Nacional de Educação (PNE), que estabelece metas desde o ensino infantil à pós-graduação, incluindo valorização de professores e investimentos para a educação. Mas também terá de administrar o descontentamento generalizado. Na Cultura, a situação é difícil, depois de ver o ministério extinto e ser incorporada á educação. Mas para as lideranças dos segmentos mais afetados dão a solução para o problema: o diálogo e capacidade de ouvir os pleitos e as demandas mais urgentes.

Educação em crise 2

                   Outra entidade a se manifestar a respeito foi o Fórum Nacional de Educação, que quer maior participação nas decisões politicas do setor e o cumprimento do FNE. O Fórum é composto por 50 entidades e orgãos ligados à educação, incluindo representantes dos secretários estaduais e municipais de educação, movimentos sociais e entidades estudantis. A União Nacional dos Estudantes (UNE) divulgou nota afirmando que o movimento estudantil não reconhece o governo de Michel Temer. “Estaremos nas ruas, nas universidades, nas redes sociais, em todos os espaços alcançáveis em que possamos denunciar a grave lesão sofrida pelo país” diz o texto da UNE.

Legalização dos jogos de azar

                   O governo interino de Michel Temer tem interesse em propor a legalização dos jogos de azar no país, como forma de aumentar as receitas da União. O próprio Temer já manifestou o interesse da legalização, e dois de seus auxiliares mais próximos, os ministros Henrique Eduardo Alves (Turismo) e Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) defendem abertamente a legalização. Para Alves, a proposta de legalização deve incluir bingos, cassinos e até o jogo do bicho. “Hoje o jogo existe de forma clandestina e sem gerar qualquer benefício para o Estado” diz o ministro do Turismo. Para ele, a liberação do jogo seria um estímulo ao turismo e a retomada da atividade econômica. A idéia, contudo, tem fortes adversários. Um deles é o Ministério Público Federal que considera a legalização, um incentivo à lavagem de dinheiro e à corrupção. Congressistas que defendem a causa garantem que o presidente interno Michel Temer é favorável a causa, e acreditam até que a saída da Presidente Dilma vai acelerar a liberação. Além de Henrique Alves e Geddel, outros dois ministros já manifestaram-se anteriormente favoráveis á liberação. Um deles é o alagoano Maurício Quintela (Transportes) que apresentou projeto neste sentido em 2008. Outro é Blairo Maggi (Agricultura) autor de um relatório que libera cassinos, bingos, caça-níqueis e jogo do bicho, e que ainda será submetido ao plenário do senado.

 

Vacinação perto da meta

                   Um balanço divulgado na noite de segunda feira (16) pelo Ministério Da Saúde mostrou que 71% do público alvo da campanha de vacinação contra a grupe H1N1 em todo o país foi imunizado. Este percentual corresponde a 35,4 milhões de pessoas. Também foi divulgado que foram registrados 2.808 casos de infecção pelo vírus influenza e que acabou resultando em 470 mortes. A meta do governo é vacinar 80% dos grupos prioritários até esta sexta feira (20). Os estados do Paraná, São Paulo, Espírito Santo, Amapá e Distrito Federal já alcançaram a meta.

Vacinação perto da meta 2

                   Dentre os grupos prioritários, os trabalhadores da área da saúde apresentam o melhor percentual de cobertura com 86,5% em todo o país (Alagoas já passou dos 100%). As mulheres que tiveram bebês há 45 dias alcançam 79,4% de cobertura, e os idosos 72,9%, seguidos das crianças de seis meses a cinco anos com 66,5% de cobertura. O grupo que menos procurou os postos de vacinação no país foram as gestantes com 56,6% de imunização. Ao todo 49,8 milhões de pessoas integram os grupos que podem tomar a vacina pela rede pública de saúde. Entre as regiões, o Sul tem a melhor cobertura com 80,1% e o Nordeste a pior com apenas 58,4 %.

Brasil alfabetizado

                   Estão abertas até o final do mês as inscrições para o processo seletivo que o estado fará para a contratação de professores alfabetizadores, que vão atuar no programa Uma Escola em Cada Esquina/Brasil Alfabetizado. No total são ofertadas 1.832 vagas. O edital, a ficha de inscrição e os detalhes sobre os procedimentos a respeito, estão publicados no Diário Oficial da segunda feira (16) e também no site www.educaçao.al.gov.br. As vagas são distribuídas em 1.645 para alfabetizadores, 183 para coordenadores de turmas e 4 para interpretes/tradutores de Libras.

Brasil alfabetizado 2

                   O objetivo da Secretaria Estadual de Educação é alfabetizar este ano cerca de 17mil pessoas, entre jovens maiores de 16 anos e adultos, sendo que as aulas do Programa estão previstas para serem iniciadas no segundo semestre deste ano, em toda Alagoas. Os primeiros resultados do processo seletivo serão anunciados até 30 dias após o encerramento das inscrições e o resultado final até 20 dias após o resultado preliminar. Em ambos os casos as publicações serão de acordo com a demanda e da necessidade de cada regional, com divulgação nas sedes e no site da Secretaria da Educação.

 

 

  • A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), através do seu presidente, Claudio Lamachia, criticou a nomeação de ministros investigados ou citados na Operação Lava Jato, pelo presidente interino Michel Temer.
  • Lamachia afirmou que vai avaliar a possibilidade do uso de instrumentos jurídicos para pedir o afastamento de ministros que venham a se tornar réus.
  • “Quem é investigado pela Operação Lava Jato não pode ser ministro de Estado, sob o risco de ameaçar a chance que o Brasil tem de trilhar melhores rumos. Faço o alerta de que a nomeação de investigados contraria os anseios da sociedade e não deveria ser feita” afirmou o presidente da Ordem.
  • Na equipe ministerial de Michel Temer, o único investigado é Romero Jucá (Planejamento), mas outros dois foram citados na Lava Jato: Henrique Eduardo Alves (Turismo) e Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo).
  • O Presidente da Ordem dos Advogados defende que todos os cidadãos têm direito à ampla defesa e ao devido processo legal, mas acredita que a equipe de ministros precisa estar acima de qualquer suspeita, o que não é o caso.