Blog do Dresch

6 de Maio de 2016

Kátia estará com Dilma até o fim

                  A Ministra da Agricultura, Kátia Abreu, única integrante do PMDB a permanecer no governo, voltou a defender a presidente Dilma Rousseff das acusações que vem sofrendo e que poderão gerar o seu afastamento do cargo. Kátia se manifestou durante o lançamento do Plano Safra 2016/2017 que vai disponibilizar mais de R$ 202 bilhões em recursos para produtores rurais. “Muito me entristece as acusações à sua pessoa para tomar o seu mandato. Ela ajudou, investiu e acreditou na agricultura brasileira. Se ela for afastada de fato, serei corresponsável nestes atos, porque sugeri estes investimentos no setor agrícola, na certeza de um retorno direto na economia brasileira” afirmou a Ministra.

Juntas até o fim 2

                   Ainda de acordo com Kátia Abreu, ela vai acompanhar Dilma no que acontecer. “Qualquer resultado que ocorra estarei ao lado dela. Sou senadora e tenho sete anos de mandato pela frente. Vou voltar para a casa que me elegeu. Saio do governo junto com a presidente Dilma e volto ao senado”. Ela também defendeu a honestidade da presidente: “A popularidade vai e vem, mas a dignidade e a honra se forem um dia, nunca mais retornarão. Tenho orgulho de estar ao seu lado, de ser sua ministra, de tê-la como presidente do Brasil. Confio na sua honestidade, no seu espirito público e tenho convicção do legado que a senhora vai deixar para o Brasil” disse Kátia Abreu na solenidade.

 

Cassação e impeachment

                   A próxima semana vai entrar para a história política deste país. Aliás, o Brasil tem vivido momentos importantes, com reflexos em todos os segmentos, políticos sociais e econômicos. Ontem o presidente do Senado, Renan Calheiros, do PMDB aqui de Alagoas, anunciou que a votação da cassação do senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) será marcada para terça feira (10) no plenário. O parecer favorável pela cassação foi dada pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado, mas por mera formalidade. O parecer favorável à cassação foi oficializado pela Comissão de Ética. Já a decisão do plenário do Senado sobre o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff deve acontecer na quarta feira (11) segundo afirmou Calheiros. Ele explicou que apenas precisa conversar com o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, com a Polícia Legislativa e com a direção do Senado para ultimar alguns detalhes sobre a situação. Essa reunião deve acontecer hoje (sexta feira). Segundo Renan estas reuniões são necessárias para “tratar de todas as providências necessárias para que nós tenhamos um processo transparente, ágil, rápido sem conturbação” afirmou o senador alagoano. 

 

O presente da Mamãe

                   O chamado Dia das Mães, sempre no segundo Domingo de Maio, é uma das grandes apostas para a elevação das vendas do comércio em geral. A estimativa é de sempre superar as vendas do ano anterior. Mas sob o ponto de vista do consumidor o importante é adquirir um produto de qualidade e com preço aceitável, e por isso mesmo a pesquisa é inevitável. O Procon, como sempre faz em datas semelhantes, realizou uma pesquisa de preços para orientar o consumidor e visitou 19 estabelecimentos comerciais da capital, e levantou os preços de 101 itens como roupas, produtos de beleza, acessórios, eletrônicos, celulares e smartphones, além de perfumarias. A pesquisa esta disponível no site do Procon.

O retrocesso na educação

                   As propostas de um possível governo Michel Temer para a Educação, foram criticadas pelo atual titular da pasta, Aloizio Mercadante.  Ele analisou as propostas constantes no plano “A Travessia Social”, tido como um esboço das ideias deste governo, que assume a nação caso a presidente Dilma Rousseff seja afastada. No programa, elaborado pela Fundação Ulisses Guimarães, o PMDB sugere para a educação uma espécie de bonificação para os professores, através de um programa de certificação federal dos professores do ensino fundamental e médio. Pela proposta a União passaria a custear um pagamento adicional à remuneração regular de acordo com os resultados dos docentes. Para Mercadante, iniciativas semelhantes não deram bom resultado. “Tudo o que foi feito neste sentido, com experiências deste tipo não deram o que se esperava em termos de retorno” afirmou o Ministro.

O retrocesso na educação 2

                   Mercadante também estendeu suas criticas à possibilidade de desvinculação dos recursos para a educação. O PMDB trata sobre o assunto da seguinte forma: “necessário em primeiro lugar, acabar com as vinculações constitucionais estabelecidas, como no caso dos gastos com saúde e com a educação, em razão do receio de que o Executivo pudesse contingenciar, ou mesmo cortar estes gastos em caso de necessidade”. A desvinculação da receita é um grave retrocesso. É um desmonte do Plano Nacional de Educação (PNE), que é uma estratégia ousada. Segundo o Ministro “O PNE estabelece que até 2024, o Brasil invista pelo menos 10% do PIB em educação. Atualmente o investimento é de 6,2% e precisamos aumentar ainda mais”.

O retrocesso na educação 3

                   Além do Ministro Mercadante, as possíveis mudanças politicas na educação foram alvo de criticas das entidades do setor. Para o Fórum Nacional da Educação, composto por 50 entidades da sociedade civil e do poder público, as medidas peemedebistas “são contrárias a tudo o que o movimento educacional aponta para a educação” segundo o coordenador do Fórum, Heleno Araújo. Segundo ele investir no melhor desempenho do professor e deixar de colocar receita na educação é um prejuízo geral. “São políticas paliativas que tentam encobrir a falta de financiamento da educação” explicou.

 

  • A Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) exigiu “tolerância zero” para os que “ataquem jornalistas, ou debilitem a liberdade de imprensa”.
  • Na apresentação de um relatório sobre a liberdade de imprensa no mundo, divulgado esta semana, durante a comemoração pelo Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, o presidente da Federação, Jim Boumelha, cobrou um compromisso inabalável para processar todos os que intimidem, ameacem ou ataquem os jornalistas, seus direitos e liberdades.
  • O relatório apresenta ainda um balanço preocupante das várias violações da liberdade de imprensa que associados da federação e sindicatos de jornalistas enfrentam, mostrando a lamentável falta de vontade de vários governos e autoridades para agirem em defesa dos jornalistas.
  • “Em muitos países, as leis relativas ao direito de negociação coletiva são ignoradas ou infringidas pelos proprietários dos meios de comunicação e pelos governos” diz o relatório.
  • A Federação Internacional dos Jornalistas representa 600 mil profissionais em 139 países filiados.