Ailton Villanova

2 de Abril de 2016

O cachorro ressucitou???!!!

  Com Diego Villanova

 

      Bidu era o cachorrinho poodle de estimação de madame Nafitalina. Branquinho, fofinho, bonitinho, cheirosinho e saltitante, era a companhia da coroa. Dormia com ela na cama, tomava banhozinho com ela no mesmo banheiro.

     Final de ano, Nafitalina entrou de férias e marcou viagem à Fortaleza. É claro que Bidu teria que ir junto, considerando que era o xodó da balzaca.

     Viajaram a dona e o cãozinho. Vinte dias ais tarde, eis que o Bidu estava sendo embarcado de volta, em aeronave na qual viajava também Nafitalina.

      Minutos depois da aeronava haver pousado no aeroporto de Maceió, estabeleceu-se o maior pânico no setor de bagagens. É que ao abrir uma caixa especial, o inspetor da empresa descobriu um cachorrinho poodle morto. Imediatamente ele chamou o chefe do desembarque e deu a infausta notícia, sem deixar de manifestar a sua indignação:

     – Tá vendo só, Amadeu? Mataram o cachorrinho, no mínimo por displicência! Isso pega mal para a emprêsa!

     Uma reunião de emergência foi marcada para a solução do problema. E haja discussão!

     Após argumentos prós e contras, despacharam um funcionário com a missão salvadora:

     – Jarbas, corra até uma loja de animais e compre um cachorro igualzinho ao finado. Rápido!

     Enquanto isso, no balcão de recepção, dona Nafitalina aguardava impaciente. Em dado momento, não teve mais como manter a calma:

     – Faz mais de uma hora que eu espero a caixa com o meu cachorrinho , e ela não aparece! O que é que está acontecendo?

     E a educada e gentil recepcionista:

     – Não está acontecendo nada, minha senhora. É porque, justo hoje, está havendo um excesso de bagagem. Fique tranquila que o seu cãozinho já está vindo por aí.

     Mais meia hora de espera, e eis que surge o Jarbas todo sorridente com uma caixa debaixo do braço. Dentro da respectiva, um esperto cachorrinho poodle.

     Ao reparar no detalhe, Nafitalina tomou o maior susto:

     – O que houve com o meu Biduzinho?! Eu despachei ele morto lá em Fortaleza, para enterrá-lo aqui em Maceió e agora ele aparece vivo! Que história é essa?

 

 

Susto radical

 

     A secretária Rodinália entrou apressada no gabinete do chefe, deu uma  paradinha diante dele e disparou:

     – Doutor Abrúcio, tem aí um funcionário quase morrendo de tanto soluçar! O que a gente faz com ele?

     E o chefe, tranquilão:

     – Ora, minha filha, remédio pra soluço é susto. Dê um susto nele!

     E a secretária:

     – Digo que ele foi demitido?

     – Seja mais radical. Diga que ele teve um aumento!

 

 

Salário pra quê?

 

     Depois de dois meses de admitido na empresa do doutor Auflodézio, o distinto Floridálvio resolveu procurar o patrão. Timidamente, ele lembrou que havia uma pendência no seu contrato de trabalho. O patrão impacientou-se:

     – Mas o que é que está faltando, rapaz?

     – O salário, doutor. O senhor esqueceu de pagar o meu salário!

     E o doutor Auflodézio:

     – Ora, ora, meu caro! Já estou fazendo muito em lhe dar um emprego e você ainda quer salário?

 

 

Cópia picada

 

     Um estagiário estava saindo do escritório, quando topou com o presidente da empresa. O figurão estava parado em frente à máquina de picotar papéis, com um documento na mão. Então, o presidente perguntou ao rapaz:

     – Você sabe mexer nessa máquina, meu filho?

     – Sei sim, senhor.

     E o patrão:

     – Por favor, isto é muito importante e minha secretária já saiu. Você pode resolver esse problema pra mim?

     – Pois não, doutor?

     Ele ligou a máquina, enfiou o documento e apertou o botão verde.

     E o presidente:

     – Excelente! Muito obrigado. Eu preciso só de uma cópia. Onde sai?

 

 

Bêbado maleducado

 

     O pinguço urinava no pé de um poste, quanto apareceu uma velhinha, que reclamou:

     – Seu sem-vergonha! Aqui é lugar de mijar?!

     – Eu tava necessitado, dona[AV1] !

     – Por que não foi no banheiro público? Tem a menos de 20 metros daqui.

     – A senhora tá pensando que o meu pau é mangueira?