Blog do Dresch

11 de Março de 2016

Ministro do STF ainda inconformado

                   A medida de condução coercitiva utilizada pela Polícia Federal contra o Presidente Lula na semana passada, gerou inconformismo no Ministro do Superior Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello. Ele manifestou sua indignação no dia seguinte ao ato, e no inicio desta semana voltou a criticar a atitude da PF. “Até o regime de exceção observava a norma. A pior ditadura é a ditadura do Judiciário” afirmou Marco Aurélio ao jornal Valor Econômico.

Ministro inconformado 2

                   Ao manifestar a sua opinião a respeito do fato, os comandantes da Operação, leia-se o Ministério Público Federal de Curitiba rebateu o Ministro afirmando que “a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi decidida para proteger o próprio”. Melo mais uma vez rebateu a ordem: “Eu como cidadão, não gostaria de ser protegido dessa maneira” garantiu Marco Aurélio Mello. Segundo ele “Aplaudo o Moro, mas não se avança culturalmente debaixo de vara” ressaltou o Ministro.

A mulher e o álcool

                   Na semana de homenagens á mulher brasileira, uma informação que diz respeito á saúde da mulher, e bastante preocupante. O Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (CISA), uma das principais fontes do país em relação ao binômio saúde e álcool, e faz um alerta sobre o comportamento da mulher que bebe. A menor aceitação social e cultural para o consumo feminino funciona na verdade como um inibidor natural. Mas estes fatores estão sofrendo rápidas e profundas modificações, e a preocupação com o consumo de álcool entre as mulheres tornou-se um tema preocupante dos dias de hoje. Em diversos países, o padrão de consumo de álcool pelas mulheres caminha para a igualdade em relação ao padrão masculino, com sérias consequências para a saúde da mulher, pela vulnerabilidade do sexo feminino. Nos últimos três anos houve uma convergência do consumo de álcool entre os gêneros. Mas a situação da mulher preocupa pelo aumento do risco do câncer de mama, doenças cardíacas, doenças sexualmente transmissíveis, gravidez indesejada entre outros problemas.

 

Anvisa critica a Câmara

                   A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou nota manifestando preocupação com a aprovação, pela Câmara Federal, do projeto que permite a fabricação, distribuição e uso da fosfoetanolamina sintética, conhecida como a pílula do câncer. O texto agora passará pelo Senado para ir à sanção presidencial. Desenvolvida pela Universidade de São Paulo (USP) para o tratamento de tumores malignos, a substância criou fama como cura para o câncer nas suas mais diversas formas. O problema é que ela não foi testada em humanos e sua eficácia ainda não foi comprovada como determina a legislação brasileira sobre novos medicamentos.

 Anvisa critica a Câmara 2

                   A agência cita do fato da Câmara autorizar o uso da substância sem que ela tenha passado pelos testes que garantam sua segurança e eficácia como é exigido pela Anvisa e por todas as agencias reguladoras do mundo. A Anvisa destaca ainda que não existe nenhum pedido protocolado para a realização de ensaios clínicos ou solicitação de registro dessa substância. A nota estranha ainda que uma substância que é utilizada há tantos anos e nunca foi testada de acordo com as metodologias científicas eu são utilizadas para comprovação. Até os criadores da substância sabem da importância dos testes para garantir a segurança da população.

Anvisa critica a Câmara 3

                   A pílula do câncer foi distribuída durante anos pela USP de São Carlos, mas a distribuição foi suspensa em Novembro último pela Justiça de São Paulo. Atualmente a substância vem sendo estudada pelo Instituto do Câncer de São Paulo, que vai iniciar os testes em seres humanos. Pelo projeto de lei aprovado pela Câmara, pacientes com tumor maligno poderão usar a pílula do câncer desde que exista um atestado médico que comprove a doença. O paciente ou seu representante legal terá de assinar um termo de consentimento e de responsabilidade. A proposta aprovada vai além e permite ainda a fabricação da fosfoetanolamina sintética mesmo sem registro.

Anvisa critica a Câmara 4

                   Segundo a lei aprovada “ficam permitidas a produção e manufatura, importação, distribuição e prescrição, dispensação, posse ou uso da fosfoetanolamina sintética, direcionada aos usos que trata esta lei, independentemente de registro sanitário, em caráter excepcional, enquanto estiverem em curso os estudos clínicos acerca dessa substância” diz o texto. Alguns deputados justificaram a aprovação, porque “o câncer não espera, e a Câmara esta abrindo a possibilidade de fabricação e do uso da pílula, uma esperança no combate á doença” disse o deputado Marcelo Aro (PHS-MG). 

 

  • Entre as várias obras viárias que estão sendo realizadas e entregues pelo Governo do Estado à população, uma delas chamou a atenção esta semana.
  • Foi o inicio dos trabalhos de recuperação absoluta da rodovia AL-145 que liga o centro da cidade de Delmiro Gouveia ao chamado Povoado de Maria Bode, no entroncamento da BR-423 com a Al-220.
  • A obra esta orçada em mais de R$ 7,3 milhões, sendo que R$ 6 milhões oriundos do Ministério da Integração e o restante do Governo de Alagoas.
  • A previsão da obra é para 180 dias, segundo garantiu o Secretário Mozart Amaral e engenheiros do DER.
  • O local é um ponto de grande fluência de veículos, tendo em vista que a rodovia ali segue como uma das principais em direção a Paulo Afonso na Bahia.
  • Sem falar que o nome do local é oriundo de um restaurante da própria Maria Bode, onde sua especialidade é exatamente o seu apelido, agora já incorporado ao nome.