Blog do Dresch

24 de Fevereiro de 2016

Sanções a maternidades

Repercutiu bastante a afirmação dada pela secretária de Estado da Saúde, Rozangela Wyszomirska, em entrevista à Rádio Gazeta AM ontem, de que a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) aplicará uma sanção administrativa às maternidades e casas de saúde de Maceió e do interior que fecharam as portas ou reduziram drasticamente o atendimento durante o carnaval deste ano. Como foi amplamente noticiado durante o período momesco, muitas gestantes em trabalho de parto – a maioria de risco habitual – recorreram à polícia para dar à luz por não encontrarem unidades abertas ou algumas superlotadas. Com base nestes fatos, entre as sanções, segundo afirmou Wyszomirska, o Estado vai suspender o incentivo mensal às unidades que não receberam pacientes neste período. A gestora revelou ainda na entrevista que as grávidas deveriam ter à disposição a rede de atendimento disponibilizada pelo Estado e prefeitura. Em Maceió, para as parturientes de alto risco, há a oferta da Maternidade Escola Santa Mônica (Mesm) e a maternidade do Hospital Universitário Prof. Alberto Antunes (Hupaa). No entanto, no carnaval, muitas procedentes do interior e algumas da capital vieram à capital devido à falta de assistência.

 

Sanções a maternidades 2 

Ainda na entrevista, a secretária Rozangela Wyszomirska disse que a Sesau vai intensificar o monitoramento do expediente destas unidades de saúde para tentar descobrir o motivo de tantos pacientes sem risco habitual serem transferidos para Maceió, quando há maternidades no interior que poderiam fazer o parto. Essa, aliás, tem sido a orientação quase sempre frustrada dos gestores da Saúde estadual ao longo do tempo para não congestionar ou superlotar hospitais em Maceió, como o HGE e a Maternidade Santa Mônica, esta última cujo atendimento somente é feito para parturientes de alto risco.

 

Perseguição

O publicitário João Santana decidiu deixar a campanha eleitoral de Danilo Medina, candidato à reeleição na República Dominicana. Em carta encaminhada ao comitê do Partido de La Liberacion Dominicana (PLD), Santana disse que desligou-se da campanha para retornar ao Brasil para se defender de “acusações infundadas” das autoridades brasileiras. Na carta, Santana também disse que acordou com a notícia de que teve seu nome ligado à investigação da Lava Jato:

 

Perseguição 2

Diz o teor da missiva: “Conhecendo o clima de perseguição que se vive hoje em dia em meu País, não posso dizer que fiquei surpreso, mas, mesmo assim é difícil de acreditar”, disse.Na carta, João Santana declarou que, desde a semana passada, colocou-se à disposição das autoridades brasileiras para esclarecer “qualquer especulação”. Além disso, o publicitário declarou que vai prestar as informações necessárias para “estabelecer a verdade dos fatos”.

 

Ele está de volta

O polêmico portal WikiLeaks – coordenado pelo jornalista Julian Assange até bem pouco tempo refugiado na embaixada do Equador em Londres -, publicou novos documentos na segunda-feira, que revelam espionagem por parte da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) a líderes mundiais, incluindo o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon. No portal, a organização fundada por Assange revelou que a NSA fez escutas secretas num encontro entre Ban Ki-moon e a chanceler alemã, Angela Merkel, que já tinha sido seguida pelos serviços de inteligência dos EUA em outras ocasiões.

 

Ele está de volta 2

O WikiLeaks também informou que uma conversa entre o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e o ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi foi alvo de espionagem norte-americana, bem como um encontro entre altos responsáveis na área de comércio da União Europeia e do Japão, além de uma reunião privada entre Berlusconi, Merkel e o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy.

 

Ele está de volta 3

Segundo os documentos obtidos pela WikiLeaks, Merkel e Ban Ki-moon conversaram sobre como lutar contra as alterações climáticas. Netanyahu pediu a Berlusconi ajuda para lidar com a administração dos EUA, comandada pelo presidente Barack Obama. Sarkozy alertou o ex-primeiro-ministro italiano sobre os perigos do sistema bancário do seu país. “Será interessante ver a reação da ONU porque se o secretário-geral pode ser alvo [de espionagem dos Estados Unidos] sem qualquer consequência, então qualquer um, desde um líder mundial a um varredor, está em risco”, disse Julian Assange.


. O livro mais recente do escritor italiano Umberto Eco, que morreu na última sexta-feira (19) em Milão, será lançado na próxima sexta-feira, 26, na Itália, informou a editora La Nave di Teseo.

 . “Pape Satan Aleppe”, crônicas de uma sociedade “líquida”, é um ensaio que compila textos já publicados desde 2000 no semanário italiano L'Espresso, ao qual o filósofo e linguista contribuía. O título retoma as palavras iniciais do canto VII do Inferno da Divina Comédia, de Dante Alighieri.

. Vítima de câncer, Eco faleceu em sua casa em Milão na noite de sexta-feira aos 84 anos. Era conhecido mundialmente por seu romance “O Nome da Rosa”, que vendeu milhões de exemplares e foi traduzido a 43 idiomas.

. Com a entrega da UPA do Trapiche da Barra na segunda-feira, Maceió ganha mais uma unidade de saúde para ajudar a desafogar o Hospital Geral do Estado (HGE). 

. A unidade tem capacidade de atender até 350 pacientes por dia, nas áreas de clínica geral, pediatria, ortopedia e odontologia. A UPA do Trapiche da Barra dispõe do serviço de classificação de risco, sala de nebulização, consultórios, sala de gesso, laboratório, raio-x e eletrocardiograma.

. A UPA funcionará 24 horas por dia, sete dias por semana e pode resolver grande parte das urgências e emergências, como pressão e febre alta, fraturas, cortes, infarto e derrame.

 

Wellington Santos (Interino)