Flávio Gomes

7 de Janeiro de 2016

Maratona no escuro

Do escritor e jornalista Fernando Gabeira: “…Sempre se começa um ano com festas e promessas. Só depois examinamos os desafios que nos esperam. A Olimpíada é, ao mesmo tempo, uma grande festa e um desafio. Nadamos pelados na maré alta e quando ela baixa convidamos todos a nos olhar. É uma das operações de risco em 2016. É o ano que concentrará o maior banco de dados sobre a corrupção no Brasil. Inúmeros depoimentos virão, novas investigações serão feitas, a história secreta do poder vai sendo escrita pela Operação Lava Jato e outras da Polícia Federal. Nunca as engrenagens e os mecanismos do sistema político ficaram tão claras. O volume de dados, a claridade, tudo isso tem um poder de combustão incalculável, ao longo do ano. Ano de imprevisíveis eleições municipais. Até que ponto a crise nacional não influirá nelas? Até que ponto a ruína das prefeituras não vai produzir maciças alternâncias? Como o resultado de todo esse enigma influenciará de novo a crise nacional? Ano de eleição, costuma ser ano de gastança. Um governo que apenas respira, precisa produzir um novo voo de galinha na economia, uma nova ilusão de crescimento. Mas a galinha está alquebrada e precisa de um ano sabático. O Brasil pode terminar 2016 mais pobre, como preveem os economistas. O consolo é prever que cada vez o País saberá mais, cada vez acumula mais elementos para ousar a mudança.”

Realidade

Do governador Renan Filho, no Blog do Vilar, no Cada Minuto: “Minas Gerais não pagou o salário de dezembro, já aconteceu com Sergipe e Rio de Janeiro. Rio Grande do Sul é um dos mais conhecidos casos. São estados ricos com extrema dificuldade. Esta dificuldade não é diferente em Alagoas. Nós também estamos tendo, mas lá atrás fizemos a tarefa de casa que nos permitiu enfrentar 2015.”

Versões

Imagens de Alfredo Gaspar de Mendonça Neto, revistando pessoalmente suspeitos que transitavam em uma moto, repercutem nas redes sociais. Para uns, isso reforçou a imagem de austeridade do secretário de Segurança; para outros, foi uma atitude de excesso de zelo, pois isso não é atribuição de secretário.

Positivo

Na primeira avaliação divulgada em 2016, do instituto Paraná Pesquisas, Rui Palmeira repete os bons índices de 2015: 64,4% de aprovação à sua gestão. É o segundo prefeito melhor avaliado do Brasil, atrás apenas de ACM Neto, de Salvador, que tem 84,7% de aprovação. Um bom início de ano de reeleição.

Negativo

Em contrapartida, além do inevitável desgaste pelo reajuste das tarifas de ônibus, Rui Palmeira amarga outros, pelo cancelamento de recursos financeiros aos blocos do pré-Carnaval e redução do apoio ao Carnaval nos bairros. De quebra, os blocos lhe cobram quase R$ 100 mil de débitos do pré-Carnaval 2015.

Sobrestado

Vilmar Pinto foi reeleito presidente do Creci/AL, mas não tomou posse em 1º de janeiro, como previsto. É que Manoel Sant’Ana, candidato derrotado, conseguiu liminar suspendendo a posse. O Creci/AL está sendo administrado por uma junta provisória: Miguel Ângelo, Eudes Gusmão e Francisco Newton Monteiro.

Cancelamento

Não haverá, este ano, a tradicional Feira dos Municípios, realizada sempre na segunda quinzena do mês de janeiro, no Centro de Convenções de Maceió, pela Associação dos Municípios Alagoanos. A crise financeira por que passam os municípios e a dificuldade em conseguir patrocínio são os fatores principais.

Revide

De Ancelmo Gois: “A brincadeira de Paulo Betti de fazer uma ‘vaquinha’ para tapar o buraco fiscal levou seu amigo e colega Otávio Augusto a entrar na roda com uma contraproposta: – Que tal você usar toda a sua influência de eleitor e cabo eleitoral de Dilma para tentar convencer a turma do mensalão, da Lava-Jato, da Petrobras, empreiteiras etc. a devolver o que surrupiaram do Estado e de nós?”

 

*O novo Conselho Secional da OAB/AL, presidido pela advogada Fernanda Marinela, decidiu manter em R$ 600,00 o preço da anuidade de 2016. Para pagamento à vista, em janeiro, há desconto de 10%. Mas pode ser parcelado em até seis vezes.

* Hermann Braga Lyra, diretor do “Pinto da Madrugada”, confirma que não haverá o “Munguzá do Pinto”, previsto para o dia 23. Mas garante que, “de qualquer jeito”, o bloco estará na orla marítima, de Pajuçara à Ponta Verde, em 30 de janeiro.

*O projeto “Por do Sol Cultural”, da secretaria estadual de Cultura, promove, até dia 24, apresentações culturais na orla de Ponta Verde. As exibições são gratuitas, a partir das 16 horas, no estacionamento em frente ao antigo clube Alagoinhas.

* A Pinacoteca Universitária, da Ufal, lançou edital para artistas interessados em expor seus projetos em 2016. Os candidatos poderão enviar suas propostas até o dia 22 de janeiro para realizar a inscrição. Contato:pinaufal@gmail.com / 3214.1545.

*O Instituto do Meio Ambiente abriu inscrições, até 29 de janeiro, para o I Concurso de Fotografia Ambiental, com o tema “A Praia é Nossa”. O regulamento está disponível no site do IMA (www.ima.al.gov.br), com maiores informações sobre o certame.

*Após perder na estreia para o Bahia (5×0), o Desportiva Aliança, representante de Alagoas na Copa São Paulo de Futebol Júnior, perdeu para o Taubaté (3×0), anteontem. E hoje, 14 horas, encerra sua participação contra o Sabiá, outro que ainda não venceu.

 

“Dilma faz o diabo para se agüentar no poder”

Aloysio Nunes Ferreira

Senador do PSDB/SP, sobre a presidente da República