Rívison Batista

6 de Janeiro de 2016

O Espelho

https://3.bp.blogspot.com/-6iXoRKLeJTk/VuW1S242_HI/AAAAAAAAAUQ/RPEobt5bGhINC628O716P8W7jm8KZdzgA/s1600/12402066_1671746483085444_9207745621686351000_o.jpg

Passava a maquiagem aos sete anos de idade em frente ao espelho. Corria depois para brincar com as amigas na calçada de casa. Aos 14, de frente ao mesmo espelho, via a beleza que estava florescendo. Sabia que seria uma bela mulher. Passava um batom vermelho nos lábios, quase que imitando a mãe. Com 21 anos, viu no espelho que algumas lágrimas estragaram a maquiagem, tinha acabado um namoro. Quando tinha 28, o espelho refletiu o sorriso de uma mãe com seu filho recém-nascido nos braços. Com 35 anos, ela se encarou no espelho se perguntando se estava pronta para o divórcio. Os 42 anos chegaram e com eles o segundo casamento, e um olhar feliz no espelho, embora sem o mesmo brilho de 15 anos atrás. Com 49, aparecia constantemente no espelho a imagem de uma mãe preocupada, às 2h da madrugada, esperando o filho chegar de uma festa. Aos 56, perdeu a mãe e o espelho refletiu a dor mais profunda daquela pessoa. Aos 63 anos, veio uma neta e grande parte daquela dor de antes foi curada. Agora apareciam três gerações juntas no espelho. O tempo passou e com 70 anos se aproximava do espelho e ficava passando as mãos nas rugas. Não entendia como a vida tinha passado tão depressa. “Como mudei”, pensava. No entanto, por dentro, a juventude permanecia. Com 77 anos, o espelho refletia sobrancelhas e cabelos totalmente brancos e o bonito contraste que fazia com a pele morena. Aos 84, não passava muito em frente ao espelho. Ficava mais no quarto, porém, em uma festa de família, sua neta tirou uma 'selfie' com ela, e o espelho, aparecendo ao fundo da foto, foi parar na internet pela primeira vez. Aos 91 anos, não andava mais sozinha, e passava em frente ao espelho com algum familiar empurrando sua cadeira de rodas. Com 98, sentada na cadeira de rodas, olhava o espelho de longe, tentando se lembrar de muitas coisas. Faleceu com 100 anos, deixando no mundo a vida que gerou, as histórias que viveu e o espelho, que agora é guardado e só reflete lembranças. 

 

*Rívison Batista é jornalista.