Roberto Baia

30 de dezembro de 2015

O “Rei do tabefe”

Como médico não há o que se discutir. Beto Baía é, sem sobras de dúvidas, um dos melhores urologistas de Alagoas. Mas, como político lidera o ranking dos piores do Estado.  Afastado da Prefeitura pela segunda vez consecutiva por suspeita de praticar improbidade administrativa, Beto  deve passar os próximos dez anos dando explicações dos seus atos a Justiça. A sua luta, isso é evidente, é para não ser preso, já que responde a processos de toda ordem.

 

Deu a outra face

O mais estranho é que Beto foi agredido, no dia das eleições, com um tabefe aplicado com extrema maestria e competência pelo candidato oponente Manoel Gomes de Barros – o Mano. Mas, para surpresa de todos, contemplou recentemente o próprio agressor e adversário político de longas datas, simplesmente, com cinco Secretarias.  

Para um bom entendedor, Beto ofereceu o outro lado da face por um motivo que só Deus e ele sabem a razão.

 

Deu um chute

Mas, nem mesmo o “Rei do Tabefe” pôde ajudá-lo e a justiça determinou, recentemente, mais uma vez, o seu afastamento.

Só para lembrar, Beto foi eleito com apoio do João Lyra e Fernando Collor de Melo, e, logo que assumiu o governo, os afastou de seu convívio.

Diga aí, pode uma coisa dessas????!!!!

 

Em resumo

Sem “viagens”, de um determinado assessor, podemos resumir release  que informa que “a passagem para o Ano Novo na cidade de Arapiraca terá atrações culturais a partir das 22h desta quinta-feira (31) com a cantora Janaína, o grupo de pagode Entre Nós e o forró elétrico da Fascínio, além do DJ Rafa”.

 

“Natal Mágico”

Mas vamos continuar: “Durante o “Natal Mágico”, o Bosque se tornou um dos points da família arapiraquense, que além das habituais caminhadas, fez piqueniques; assistiu a shows de bandas da terra e apresentações teatrais; viu a exposição “Arapiraca Através da Fotografia”, de Samuel Alves; e ainda comeu na Feira Gourmet, montada exclusivamente para o período com food trucks e barracas de guloseimas.

 

Importante vitória

Com informações da ASCOM do Sindicato dos Urbanitários de Alagoas: Os trabalhadores da Eletrobrás Distribuição Alagoas obtiveram uma importante vitória na segunda-feira, dia 28 dezembro, quando conseguiram que fosse retirada de pauta a autorização para venda do controle acionário das Distribuidoras do Sistema Eletrobrás, da reunião dos acionistas da empresa, que ocorreu em Brasília.

 

Em Alagoas

Os trabalhadores realizaram atos em todas as Distribuidoras da Eletrobrás do país. Em Alagoas o ato ocorreu em frente ao prédio sede da empresa na Av. Fernandes Lima.

 

Mobilização

Isso só foi conseguido devido a grande mobilização da categoria, que paralisou todas as atividades destas empresas neste dia 28/12, enquanto era realizado um ato no local da reunião dos acionistas em Brasília, além das negociações no âmbito político, através de deputados e senadores que são contra a privatização destas empresas.

 

Sem data prevista

No entanto, a retirada da discussão sobre a venda das Distribuidoras é temporária, até que ocorra a próxima reunião dos acionistas, sem data prevista. Da mesma forma, foram também suspensas as discussões referentes à renovação das concessões e aumento de capital. Em relação à CELG, empresa de energia de Goiás, infelizmente foi deliberado pela sua venda, como também foi autorizada a renovação de sua concessão.

 

 

 

… Para que houvesse o adiamento da discussão sobre o tema, após a grande pressão dos trabalhadores, o governo editou uma Medida Provisória – MP altera o texto do § 2º da Lei 12.783, que dispõe sobre as concessões.

 

… Pela medida, o prazo para renovação das concessões passa a ser de 210 dias, ou sete meses, tempo que a categoria terá para trabalhar  de forma definitiva essa intenção de privatização das distribuidoras.

 

… Após essa conquista parcial, já que essa MP não muda em nada o desejo do governo de privatizar as empresas, o momento agora é de manter a mobilização e buscar novas estratégias, visando forçar a retirada em definitivo desse projeto privatista dos planos do governo federal.