Blog do Dresch

15 de dezembro de 2015

Vaticano perdoa o Padre Cícero

                   O Vaticano considerou o apelo popular e o pedido de vários Bispos nordestinos e reconciliou o padre Cícero Romão Batista. Dessa forma não existe mais nenhum fator impeditivo para que o “santo popular” do interior do Ceará seja reabilitado, beatificado ou canonizado. Padre Cícero morreu sem conciliação com a Igreja Católica, após o caso conhecido como o “milagre da hóstia”, no final do século XX, segundo a crença popular, quando uma hóstia dada pelo Padre Cícero virou sangue na boca de uma beata. Houve um equívoco na interpretação teológica do ato e por isso Padre Cícero foi punido pela Igreja Católica. Agora com o perdão e a reconciliação, todas as punições foram suspensas.

O Santo do Nordeste 2

                   O Padre Cícero Romão Batista é considerado o “santo popular” para muitos fiéis católicos nordestinos. Todos os anos as romarias em homenagem a ele, atraem cerca de 2 milhões de romeiros de todos os estados, segundo a Secretaria de Romaria e Turismo de Juazeiro do Norte. Todos clamam pelo perdão e pela beatificação do Padre Cícero. Com o perdão do Vaticano, o pedido de beatificação pode ser permitido, mas não é uma prioridade. A maior parte dos fiéis considera Padre Cícero como um santo popular, independente da posição da Igreja Católica.

O Santo do Nordeste 3

                   O documento de reconciliação foi assinado pelo secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin e relata que “a carta foi redigida por expressa vontade de sua santidade o Papa Francisco, na esperança de que a mesma será apresentada á diocese de Juazeiro e aos romeiros devotos do padre Cícero, a autêntica interpretação da mesma, procurado por todos os meios promover a unidade de todos na comunhão eclesial e na dinâmica de uma evangelização que dê sempre e de maneira explícita o lugar central a Cristo”. A íntegra da carta do Vaticano perdoando Padre Cícero, será divulgada no próximo Domingo, 20.

Superlotação dos presídios

                   Criada em 2006 para que os traficantes tivessem as punições intensificadas e os usuários pudessem receber tratamento adequado em centros de saúde, a atual Lei das Drogas, acabou tendo efeito inverso, e hoje é a maior responsável pelo aumento da população carcerária em todo o país. Essa é a conclusão de uma tese de doutorado publicada na Biblioteca Digital da Universidade de São Paulo. A pesquisa foi elaborada pelo sociólogo Marcelo da Silveira Campos e mostra que a população penitenciária brasileira aumentou 77,5% entre 2005 (antes da lei) e 2013 e que em determinados locais uma pessoa flagrada com drogas tinha quatro vezes mais chances de ser incriminada por tráfico, do que notificada por uso. De acordo com o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) do Ministério da Justiça, o percentual de pessoas incriminadas por uso ou tráfico de drogas era de 13% em relação a toda a população carcerária brasileira, em 2014 subiu para 27%. Um dos principais fatores para esta “inversão”, segundo o autor da pesquisa, é a própria lei. A norma não é clara quanto a um parâmetro de defina, em função da quantidade de drogas, quem se enquadra como traficante e quem pode ser considerado apenas usuário. Um dos artigos da lei sobre a droga para consumo próprio ou para venda, estabelece que o juiz deve levar em conta, além da natureza e da quantidade “as circunstâncias sociais e pessoais” do agente, assim como sua conduta e antecedentes. Mas este, segundo o estudo, é um critério muito subjetivo.

 

Bloco administrativo

                   Secretaria de Estado da Fazenda inaugurou ontem o bloco administrativo Silvio Viana, no bairro de Jacarecica. Além da Escola Fazendária, o novo prédio abriga ainda os serviços da Diretoria de Cadastro, Diretoria de Mercadorias em Trânsito e a Diretoria de Fiscalização com setores de Substituição Tributária. Na solenidade de inauguração também foram entregues dez automóveis que serão utilizados em atividades fazendárias estratégicas, tanto na capital como no interior de Alagoas. Eles vão reforçar os serviços de fiscalização dentro dos postos e gerências regionais.

Réveillon Olímpico

                   O mais famoso Réveillon do mundo, o de Copacabana no Rio de Janeiro, este ano vai homenagear os Jogos Olímpicos de 2016 e os 100 anos do Samba. São esperadas 2 milhões de pessoas para a festa, entre elas 800 mil turistas que movimentarão a economia em US$ 686 milhões. No inicio de Dezembro, já estavam reservados 70% dos quartos de hotéis da cidade, mas nos bairros mais procurados como Ipanema, Leblon, Copacabana e Leme a taxa era de 80%. No palco principal montado na praia de Copacabana, a homenagem é para os 100 anos do samba, tendo o cantor Diogo Nogueira como protagonista da apresentação.

Réveillon Olímpico 2

                   A festa contará ainda com 12 apresentações divididas entre o palco principal e o palco Santa Clara. Haverá 16 minutos de queima de fogos. Serão usadas 11 balsas e 24 toneladas de fogos. A estrutura montada na praia terá ainda cinco postos médicos e 30 estações de policiamento. No palco principal, também se apresentarão Jorge Bem Jor a Escola de Samba Beija Flor de Nilópolis e Zeca Pagodinho. Outra atração é o cantor Gabriel Moura, considerado a revelação de 2015. No outro palco, em frente à Rua Santa Clara, estará a Escola de Samba do Salgueiro e do Grande Rio, além dos cantores Arlindo Cruz e Dudu Nobre.

 

 

  • Tribuna Livre presta sua homenagem ao jornalista e radialista Waldemir Rodrigues, falecido no final de semana.
  • Profissional sério, que sempre exerceu seu trabalho com classe, de forma correta e exemplar.
  • Que seu modo de fazer comunicação, seja seguido pelos profissionais que agora abraçam a profissão e que nele possam se espelhar pela seriedade e pela capacidade de bem informar.
  • Já o mau exemplo do final de semana ficou por conta dos organizadores da festa de reggae no estacionamento de Jaraguá na sexta á noite.
  • A ausência de uma das principais atrações do evento, o cantor baiano Edson Gomes, revoltou o público presente, que se sentiu lesado pelos empresários promotores do show.
  • O artista afirmou que não subiu ao palco porque o contrato não foi cumprido e o cachê não foi pago.
  • O que se viu em seguida foi uma grande confusão com uma sucessão de brigas e atos de vandalismo.