Blog do Dresch

17 de novembro de 2015

Uma visão otimista do Brasil

                   Na sua mais recente passagem pelo Brasil, de quem sempre foi um admirador, o ex-presidente norte-americano Bill Clinton, disse que “existem poucos lugares no mundo para ser tão otimista quanto o Brasil”. Falando a uma plateia no Encontro Nacional da Indústria (Enai) em Brasília, Clinton afirmou que “é natural que eventos negativos ocupem as manchetes, mas o futuro é forjado pelas perspectivas de longo prazo” assinalou. Ele lembrou que, após a crise mundial de 2008, muitas pessoas acreditavam que o centro das decisões mundiais estaria migrando para os países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e Africa do Sul), mas foi o Brasil que assimilou todo o impacto enfrentado pelos demais países.

Otimista com o Brasil 2

                   Cada país enfrentou problemas naturais, seja pela queda dos preços do petróleo ou das commodities em geral, ou por sanções econômicas, ou por propostas liberalizantes. Mas foi o Brasil que mais sofreu com tudo isso, defendeu o ex-presidente americano. “Eu conclamo vocês a refletir sobre as notáveis mudanças que aconteceram no Brasil nos últimos 20 anos, que foi o único país a diversificar sua economia e a conter a devastação das suas florestas tropicais” disse. Segundo Bill Clinton estas foi a 11ª vez que veio ao Brasil em 15 anos, e advertiu que apesar das dificuldades, há poucos lugares para ser tão otimista como no Brasil.

Otimista com o Brasil 3

                   Outro aspecto salientado pelo ex-presidente Bill Clinton foi a capacidade de cooperação demonstrada pelo Brasil nas últimas duas décadas. Para ele esta foi uma das características positivas dos brasileiros para extrair benefícios no século XXI. Ele explicou que os progressos sociais advindos de programas como o Bolsa-Família, a preservação das florestas tropicais e a matriz energética como fonte renovável do país, colocam o Brasil em uma posição proeminente sobre as perspectivas a longo prazo. Segundo ele, daqui a cinco anos, estaremos nos perguntando por que estávamos tão preocupados com o quadro atual, e veremos que não podemos fugir do otimismo com o futuro e que sempre devemos lembrar-nos das conquistas que o Brasil obteve nos últimos 25 anos.

Os cortes nos poderes

                   O programa de ajuste fiscal do governo federal envolve o corte de recursos no orçamento de 2016 para todos os poderes. São R$ 530,8 milhões cortados do orçamento do Judiciário, do Congresso, do Ministério Público e do Tribunal de Contas da União para o próximo ano. A maior contenção aconteceu nas verbas do poder Judiciário, com um corte de R$ 378,1 milhões, sendo que R$ 3,5 milhões do orçamento do Supremo Tribunal Federal (STF). O orçamento do Senado teve o menor corte com R$ 4,3 milhões. No Tribunal de Contas da União, R$ 7,3 milhões foram cortados. O anúncio foi feito pelo Ministério do Planejamento. A pasta enviou no último dia 4 â Comissão mista de Orçamento do Congresso Nacional, um ofício com a proposta de redução de R$ 26 bilhões nas despesas orçamentárias de 2016, sendo uma das medidas necessárias para reduzir o déficit do país. O Poder Judiciário pleiteia com frequência mais recursos para a abertura de varas e para reajustes de salários. O STF informou que o corte não foi negociado pelo Ministério do Planejamento. O Supremo anunciou que ainda estava “avaliando” o corte, e em nota afirmou que “se a projeção efetuada por nós se confirmar, passaremos o ano de 2016 se a reposição das vacâncias decorrentes de posse em outro cargo público inacumulável, situação em que não há expansão da folha”. O Ministério do Planejamento acrescentou ainda que os cortes atingiram praticamente todos os poderes em geral com R$ 42,3 milhões no orçamento da Câmara dos Deputados, R$ 98,7 milhões no Ministério Público além de R$ 1 bilhão no Executivo.

 

Bagaço para o gado

                   Pequenos produtores rurais das áreas mais atingidas pela seca no Estado, vão receber ainda em Novembro, 9,2 mil toneladas de bagaço de cana para garantirem a alimentação dos seus rebanhos. A compra esta sendo articulada pelo governo do Estado e foi anunciada pelo Secretário de Agricultura, Álvaro Vasconcelos durante a entrega de equipamentos para o plantio da palma forrageira à Cooperativa de Produtores de Leite de Alagoas (CPLA), na cidade de Batalha. A compra esta sendo articulada pela própria Secretaria em parceria com a Defesa Civil do Estado e faz parte do plano de ações do Comitê de Combate à Seca.

Bagaço para o gado 2

                   O governo pretende investir R$ 900 mil na aquisição do bagaço de cana, com recursos oriundos do Fecoep (Fundo Estadual de Combate à Erradicação da Pobreza), sendo que o produto será distribuído até o final do mês, por cooperativas, sindicatos e associações aos produtores associados. A ajuda é considerada importante na manutenção dos pequenos rebanhos na área da Bacia Leiteira de Alagoas e vai garantir, não somente a sobrevivência dos animais, como também a produção de leite no Estado.

Gestão de carbono

                   A gestão de carbono e os impactos do meio ambiente devem nortear algumas das mais importantes discussões da Conferência do Clima (COP 21) que vai acontecer em Paris no final deste mês. E, segundo o ranking elaborado pela organização internacional CDP (Carbon Discloruse Project), que estabelece a emissão de carbono, a Braskem é a empresa brasileira que esta na melhor situação em termos de transparência e desempenho na gestão de carbono. Esse reconhecimento reflete as boas práticas da companhia, que desde que o ranking foi lançado, em 2013, tem trabalhado pela obtenção de melhores resultados. De 2008 a 2014, a Braskem tem reduzido 13% a emissão de gases, deixando de lançar na atmosfera 4,4 milhões de toneladas de CO2.

 

 

  • A diabetes é hoje em dia, uma das doenças que mais preocupa as entidades médicas em todo o mundo. Afinal a enfermidade atinge 415 milhões de pessoas no planeta.
  • E existe uma previsão, da Federação Internacional do Diabetes que chegaremos em 2040 com 640 milhões de diabéticos em todo o mundo, o que significa um em cada 11 adultos portadores da doença.
  • O diabetes foi reconhecido em 2016 pela Organização das Nações Unidas (ONU) como uma doença crônica e de alto custo mundial.
  • No Brasil, um dos grandes problemas geradores da doença é o sobrepeso e a mais recente pesquisa do ministério da Saúde em todos os estados, revelou que 52,4% da população esta acima do peso.
  • Outra preocupação é o pré-diabetes, que assim como diabetes é difícil de diagnosticar. A doença só apresenta alguns sintomas, quando já esta instalada e avançada, como por exemplo, sede excessiva, necessidade de urinar muitas vezes, visão borrada ou cansaço acentuado.
  • Fundamental para combater o diabetes ou o pré-diabetes é uma alimentação equilibrada, com a ingestão de fibras, frutas e verduras, e a diminuição de alimentos saturados como frituras e açúcares simples (sacarose) como os encontrados nos doces em geral.