12 de novembro de 2015

Envelhecer.

Todos nós iremos passar pelas várias etapas da vida. Ninguém ainda conseguiu pular etapas. Podem até tentar, porém não vão se sentir bem pela esperteza.

Dizem que o homem (quando falo assim me refiro ao ser humano não ao gênero) inicia a vida andando de quatro (engatinhar) depois passa a andar, depois usa uma bengala e no final volta a ficar de quatro no sentido figurado: amparado por terceiros ou de cadeira de rodas.

Estou lendo o livro “A arte de envelhecer” de S.B. Nuland e dele irei citar vários tópicos que serão entremeados.

Um fato importante é que tenhamos em mente a evolução natural: criança, adolescente, adulto jovem, adulto e idoso. Não pule então estas etapas. Viva as mesmas com intensidade. Sem exageros.

A alimentação sem exageros. Comer sempre pouco. Trabalhos em laboratório com animais mostram que menos calorias levam a um prolongamento substancial da vida. Ou seja, coma sempre menos do que os olhos querem. Aumente o número de refeições, porém diminua o volume de alimento.

Atividade física constante, inclusive para a mente. “Vamos, então, em atividade, com ânimo para qualquer fado: sempre alcançando, sempre buscando. Aprender a labutar e a esperar”(Um salmo à vida de Longfellow). Nos velhos mais velhos, a perda de força muscular é o fator limitante para a probabilidade de um indivíduo levar uma vida independente até a morte. (Science 1977 estudo Holandês). O American College of Sports Medicine “ficou tão impressionado com os benefícios comprovados dos exercícios de resistência que agora recomenda treinamento com pesos para todos os homens e mulheres acima de 50 anos.”

Ser útil não só a si. Ser útil à comunidade. “Essa percepção de ser capaz de dar, e não apenas receber, faz a vida valer a pena.” Aqui lembro também de uma passagem da Bíblia onde temos: faça o bem sem olhar a quem de forma que a sua mão esquerda não saiba o que faz sua mão direita.

“Nunca é demais repetir: envelhecer não é uma doença.”

Sabedoria: “envolve a procura da verdade essencial, deve-se busca-la com a compreensão de que, em última análise, não existe verdade absoluta, somente percepção.” T.S.Eliot: A única sabedoria que podemos esperar adquirir é a sabedoria da humildade: a humildade é infindável.