Blog do Dresch

8 de outubro de 2015

Mercadante retoma o Mais Educação

                  Logo após reassumir o Ministério da Educação, Aloizio Mercadante afirmou que uma das suas prioridades na pasta será rever o Programa Mais Educação. Agora o programa deverá ter conteúdos mais focados na melhoria do aprendizado, especialmente português e matemática. O Mais Educação, foi criado em 2007, é uma estratégia do MEC para ampliar a jornada escolar e a organização curricular na perspectiva da educação integral. As escolas das redes públicas de ensino estaduais, municipais e do Distrito Federal, fazem a adesão ao Programa e optam por desenvolver atividades em diversas áreas como educação ambiental; esporte e lazer; direitos humanos em educação e cultura e artes. Todas as escolas devem obrigatoriamente oferecer acompanhamento pedagógico.

Revendo o Mais Educação 2

                   O governo federal repassa recursos para a contratação de monitores, aquisição dos kits de materiais e outros gastos com as atividades. Segundo o MEC, mais de 60 mil escolas participam atualmente do programa. São priorizadas escolas com baixo desempenho nas avaliações da pasta. Outra proposta é ampliar a oferta de educação através do Plano Nacional de Educação (PNE) que estabelece metas e estratégias para melhorar a educação no país em dez anos. Entre elas, oferecer educação em tempo integral, em no mínimo, 50% das escolas públicas, como forma de atender, pelo menos 25% dos alunos da educação básica. Atualmente a educação integral atende a 11,5% dos alunos matriculados em toda a educação básica no país.

Evasão da poupança

                   Os correntistas da caderneta de poupança retiraram R$ 5,293 bilhões a mais do que depositaram no mês de Setembro. Isso aconteceu pelo nono mês consecutivo, de acordo com o Banco Central. A caderneta registrou a pior captação liquida (diferença entre depósitos e retiradas) da história para o mês. No mês passado, os brasileiros depositaram R$ 158,178 bilhões na caderneta de poupança e retiraram R$ 163,471 bilhões. O resultado negativo de Setembro, contudo, apresentou leve melhora que em Agosto, quando a captação liquida ficou em R$ 7,502 bilhões. De Janeiro a Setembro os poupadores brasileiros sacaram R$ 53,791 bilhões a mais do que depositaram na poupança, também a pior captação liquida registrada para o período. Nos nove primeiros meses do ano, os depósitos somaram R$ 1,391 trilhão enquanto que os saques totalizaram R$ 1,445 trilhão. Segundo os técnicos do Banco Central, vários fatores tem provocado a fuga dos recursos da poupança. A alta da Selic tornou a poupança menos interessante que outras aplicações. O aumento dos preços e o endividamento dos consumidores também diminui a sobra da poupança a ser aplicada na caderneta. A alta da inflação é outro fator citada pelo BC. Nos últimos doze meses a poupança rendeu 7,78%, equivalente á Taxa Referencial mais 6,17% ao ano. A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, esta em 9,53%.

 

A cultura do abacaxi

                   Um dos principais produtores de abacaxi no Estado e até mesmo do Nordeste, Lúcio Flávio Duarte de Arruda, recebeu recentemente um aporte de R$ 125 mil da Agência de Fomento de Alagoas, a Desenvolve. Assim ele poderá investir na aquisição de implementos agrícolas e na contratação de mão de obra para ampliar sua produção. Atualmente ele é responsável pelo cultivo de 1 milhão 116 mil pés de abacaxi na região de Coruripe, no sul do Estado. O produtor trabalha na ampliação da sua colheita, visando atender consumidores de outros estados brasileiros.

A cultura do abacaxi 2

                   O financiamento liberado pela Desenvolve vai possibilitar uma certa igualdade na disputa pelo mercado consumidor dentro e fora de Alagoas. Atualmente ele trabalha com 27 hectares plantados com a fruta e já iniciou a comercialização para Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Distrito Federal. Lúcio Flávio é um dos entusiastas da diversidade agrícola. “Vivemos em um estado rico que nos oferece uma infinidade de colheitas. Porque então nos atermos à monocultura? A diversificação, como a praticada na minha propriedade nos permite melhores qualidade de vida e rentabilidade” diz o produtor que também trabalha com o maracujá e com a cana-de-açúcar.

Compre do pequeno

                   Na semana que antecede o Dia das Crianças, o Sebrae volta a chamar a atenção dos consumidores para a campanha que incentiva a comprar produtos e serviços dos pequenos negócios. Segundo a entidade a campanha visa estimular a venda e fazer com que o consumidor sinta a facilidade no acesso ao produto e contribua com o desenvolvimento regional. A ação inclui o site www.compredopequeno.com.br que tem mais de 160 mil empresas cadastradas. O Sebrae lembra ainda que oi pequeno negócio responde por 27% do PIB e garante 52% dos empregos com carteira assinada.

Compre do pequeno 2

                   “Com o pequeno você tem a possibilidade de fazer uma compra mais customizada “afirma o diretor do Sebrae, Enio Pinto. “Os donos do pequeno negócio chamam você pelo nome, conhecem seus hábitos de consumo. A possibilidade de trazer satisfação com a compra é maior do que nas grandes corporações, porque os pequenos estão inseridos no dia a dia do bairro” enfatiza Pinto. De acordo com o Sebrae, atualmente, o Brasil tem 10,3 milhões de micro e pequenas empresas segundo o Supersimples. A maioria fica na Região Sudeste (50%), seguida do Nordeste (19%), Sul (18%), Centro-Oeste (8%) e Norte (5%).

 

  • O Instituto do Meio Ambiente (IMA) autorizou os testes e os reparos dos equipamentos da usina Uruba em Atalaia, através da Cooperativa dos Produtores Rurais do Vale de Satuba.
  • Com a autorização, a Cooperativa garante a retomada dos trabalhos naquele parte industrial com segurança para os trabalhadores e principalmente para o meio ambiente.
  • A recuperação do maquinário por parte da Cooperativa teve inicio na última segunda feira (5), e a previsão para o inicio da moagem é para dentro de 15 dias.
  • O documento de autorização concedido pelo IMA tem validade para trinta dias e messe é o prazo solicitado para que a Cooperativa entre com um pedido de licença ambiental para Pré-Operação, para em seguida ser concedida a Licença oficial, que permitirá à usina operar de modo regular.
  • A Usina Uruba possui 700 mil toneladas de cana garantidas para a moagem, com expectativa de produção de 1,4 milhão de sacos de açúcar. A produção de etanol não foi informada.