Roberto Baia

25 de setembro de 2015

Golpe milionário

O ex-deputado Gilvan Barros e ex-prefeito David Barros estão com um novo encontro marcado com a Justiça. E dessa vez o bicho vai pegar. O ex-parlamentar,  que cedeu o seu lugar na Assembleia para o filho Gilvanzinho Barros, é apontado como mentor de um golpe milionário contra os cofres públicos, durante a gestão do ex-prefeito David Barros.

 

Cruzou informações

Uma investigação começou quando o Ministério Público de Alagoas pediu para a Controladoria Geral da União (CGU) cruzar informações entre a folha da Assembleia Legislativa e beneficiários do programa bolsa família no município de Girau do Ponciano. A coisa começou a tomar proporções grandiosas. A investigação ocorreu durante os meses de abril a maio de 2014, e não demoraram muito para encontrar desvios praticados pelos membros da família Barros.

 

Foi comprovado

Ficou constatado que Gilvan Barros mantinha no seu gabinete pessoas que não prestaram um dia de serviço sequer, e além de receber salários elevados da Assembleia estavam sendo beneficiados pelo programa bolsa família, que é destinado a pessoas de baixa renda. É mole, ou quer mais.

 

Nunca trabalhou

É o caso de Edna Morais da Silva Araújo e seu esposo Gilliard de Miranda França, vinculados ao programa. Giliiard é afilhado do ex-deputado e nunca trabalhou na Assembleia, nem nunca recebeu salário, mas consta na folha do legislativo que ele teria recebido R$ 121.758,88, no período de junho de 2010 a julho de 2012. Na mesma situação estavam Maria Francisca Pacheco de Miranda e seu filho Alex Sandro de Miranda, ambos vinculados ao programa bolsa família, mas que estavam lotados no gabinete do ex-deputado e juntos teriam recebido aproximadamente R$ 200mil .

 

Relatório da CGU

O relatório da CGU, de nº 00202.000464/2013-72, está recheado de fraudes e cita nome de diversas outras pessoas e cifras altíssimas. O esquema sempre tinha a mesma forma operacional. O ex-deputado lotava pessoas no seu gabinete, as quais constava na folha e teriam recebido elevadas somas em dinheiro, mas que não prestavam serviços algum. Ao mesmo tempo, essas mesmas pessoas estavam inscritas no programa bolsa família, cujo cadastro era alimentado pela gestão do ex-prefeito David Barros.

 

Tragédia

Profissionais do Segundo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, o Seripa, de Recife, deram início, nesta quinta-feira, às investigações para apurar as causas da queda seguida de explosão do helicóptero da Secretaria de Segurança Pública, que vitimou quatro militares na manhã de ontem, em Maceió.

De imediato, eles afirmaram que, em nenhum momento foi feito contato com a torre de controle de voos, no Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares.

 

 

Comemoração

Uma missa, que será celebrada às 19 horas desta sexta-feira, na Paróquia Santo Antônio, no Bairro Cacimbas, comemora os 63 anos de existência do ASA.

Em função da turbulência financeira porque passa o clube, o presidente Bruno Euclydes não vê motivos para maiores programações festivas, até porque o momento é de concentração total no acesso à Série B do Campeonato Brasileiro e, antes disso, no jogo diante do Vila Nova, neste domingo, no Municipal de Arapiraca.

 

Escrituras

Cerca de 500 títulos de propriedade serão entregues pelo  Moradia Legal II nesta sexta-feira, 25, a partir das 10h, no Loteamento “Terra da Esperança”, perímetro urbano, às margens da Rodovia Estadual Edval Lemos, em Marechal Deodoro.

O loteamento Terra da Esperança possui mais de 600 casas, cedidas por título precário. A estimativa é que mais de 2 mil pessoas sejam beneficiadas com a entrega das escrituras no município.

 

Piscicultura

Em Alagoas, o fomento à piscicultura familiar vem se mostrando uma excelente estratégia de Desenvolvimento Regional. De olho na oportunidade de geração de trabalho e renda, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) apoia a estruturação e o crescimento de projetos de piscicultura familiar, a exemplo da Associação Eco Peixe, que reúne atualmente diversas famílias na criação de tilápia em 210 tanques-rede, na barragem Vitor Montenegro Wanderley, no município de Coruripe (AL). Somente no ano passado, cada associado da Eco Peixe recebeu cerca de R$ 5 mil de participação nas atividades.

 

Pindorama

Uma dessas famílias é a de Paula Regina Moraes, que mora no povoado Pindorama, zona rural do município de Coruripe. O marido de Paula é agricultor e ela trabalha com revenda de diversos produtos na comunidade onde mora. A piscicultura entrou na vida da família como uma alternativa de complementação de renda familiar.

 

 

… Antes de entrar na atividade, ela se capacitou ao participar do curso de Piscicultura do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), ofertado em Coruripe. “Para entrar na associação, fizemos o curso de Piscicultura do Pronatec.

 

…  Não dependo somente do peixe. Mas aqui é um complemento de renda, além de uma terapia. A gente se estressa em casa e chega aqui e fica mais tranquila. Assim estamos indo e tudo dando certo. Eu também sou revendedora. Pego o peixe e repasso para ganhar mais uma renda extra além da participação no cultivo”, contou piscicultora familiar que está grávida à espera da segunda filha e vê na renda extra um futuro melhor para a família.

 

… A família de Cosme Albino, que mora no povoado Barreiras, no mesmo município, também é uma das associadas da Eco Peixe. Filho de agricultores, ele tem na pesca a sua atividade principal, mas descobriu na piscicultura um caminho para melhorar a renda familiar. Atualmente ele exerce a função de presidente da associação e descreveu a rotina de trabalho dos piscicultores familiares