23 de setembro de 2015

Ondas de Choque e sua tecnologia

As ondas de choque (não é choque elétrico),estão na natureza. Um trovão, um avião que passa mais baixo, a queda de um meteorito etc.

O que fez o homem? Os cientistas conseguiram produzir as ondas de choque para o tratamento médico. São vários aparelhos.

Inicialmente os aparelhos foram construídos para o tratamento do calculo renal. Eram muito grandes e ficavam em hospital. Os utilizados para os tratamentos ortopédicos também eram grandes, porém menores que os de urologia.

O meu primeiro aparelho um Reflectron pesava cem quilos. Com rodas se deslocava, porém tinha 1,20 metros.

Além do tamanho temos aparelhos que usam ondas focadas e outros usam ondas não focadas (desfocadas).

Focadas: eletro-hidráulicos e piezo elétricos. Desfocadas: radiais ou pneumáticos.

O resultado final é semelhante. O que muda então?

Os focados tem uma necessidade de maior precisão na aplicação. Ou seja: ir direto ao foco a ser tratado. Já os desfocados como o nome diz as ondas se espalham. Perdem um pouco de sua pressão. De sua intensidade.

Devido a isso alguns focados, como o eletro-hidráulico necessitam de anestesia local. Quando iniciei com o Reflectron os meus primeiros pacientes lembram que foi usada anestesia local ou até mesmo sedação. O lado bom é que devido à energia ser mais forte era necessária uma aplicação ou duas com a segunda sendo feita depois de dois meses.

Atualmente uso o aparelho Dolorclast que emite ondas desfocadas radiais e não necessita de anestesia local. Porém como as ondas possuem intensidade menor tenho que realizar três aplicações (uma por semana). Às vezes chegando até cinco aplicações.

Estou em negociação para adquirir um aparelho que usa energia focada, porém sem necessitar anestesia. Chama-se piezo elétrico. Assim estarei usando uma fonte focada de alta energia, com praticamente nenhuma dor quando da aplicação.

As indicações: tendinite com ou sem calcificação. Bursite. Esporão de calcaneo. Retardo de consolidação de fratura.