Flávio Gomes

15 de setembro de 2015

Os três desafios de Dilma

Do jornalista Luis Nassif, em seu blog: “Semanas atrás dizíamos aqui que havia duas saídas possíveis da crise: Dilma com Michel Temer; ou Michel Temer sem Dilma. De lá para cá reduziu-se imensamente a alternativa Dilma com Temer, devido à insuperável incapacidade de Dilma de analisar a conjuntura política, assim como a conjuntura jurídica, assim como a conjuntura econômica. Para qualquer observador minimamente antenado, as alternativas políticas seriam simples de entender: 1. A popularidade do presidente é um imã que atrai toda sorte de apoio político, porque será uma das âncoras para a reeleição dos parlamentares. 2. Quando o presidente perde a popularidade, perde influência na base de apoio. Tem que agir com presteza, então, para entregar os anéis, poupando os dedos. 3. Para recompor com o PMDB, Dilma tinha dois trunfos fortes. O primeiro, o ex-presidente Lula, que conta com a confiança dos caciques do partido. O segundo, o vice-presidente Michel Temer, que representa a face mais responsável do PMDB. 4. Chegando a esta conclusão, o próximo passo para remontar o pacto político é conferir poderes amplos a Temer, que passaria a ter linha direta com a presidente, aconselhando-a em todos seus passos e prestando contas e ela de todos seus atos. Nada disso ocorreu… Dilma terá que administrar simultaneamente três desafios: ajuste econômico, recomposição da base e desalento dos empresários e dos movimentos sociais. Suas duas principais âncoras – Lula e Temer – não parecem mais acreditar na sua capacidade de avaliar riscos..”

Hipótese

Para alguns analistas da política alagoana o corte de gastos e a busca incessante por mais receita, como tem sido feito pelo governador Renan Filho, tem outra explicação, além do equilíbrio entre despesa e arrecadação. Ele estaria fazendo caixa para executar obras e projetos sociais em 2018, quando deverá tentar a reeleição.

Comparando

Alagoas comemora, com razão, a implantação de uma unidade da cerâmica Portobello, com geração de 400 empregos diretos. Mas, para se ter uma idéia do tamanho da crise, desde 2013 a construção civil demitiu, no Estado, 20 mil trabalhadores – exatamente 50 vezes mais que os contratados pela Portobello. Os dados são do Sinduscon.

O lado bom

Glênio Cedrim, presidente do Maceió Convention & Visitors Bureau, acredita que com o dólar em torno de R$ 4,00 a temporada de verão será boa para o setor no Brasil. Ele cita números da CVC, maior operadora turística do país: antes da crise, o movimento era de 70% para o exterior e 30% no país; hoje a situação é exatamente inversa.

Compromisso

Do presidente da AMA, Marcelo Beltrão, ao jornalista Luis Vilar, na Rádio Jornal, sobre a paralisação das prefeituras: “Os serviços de Educação estão mantidos e a Saúde continua funcionando na urgência e emergência. Nós não vamos prejudicar a população, mas precisamos que ela fique alerta e atenta para a atual situação do país.”

Proposta

O Procurador Geral de Justiça, Sérgio Jucá, sugere aos prefeitos: “É preciso que eles denunciem à nação esta política irresponsável da União de reduzir o valor das transferências constitucionais, sem que o governo federal promova a diminuição dos seus vultuosos gastos, combatendo eficientemente a corrupção que graça em Brasília”.

Perda

A notícia triste do final de semana na área política foi o falecimento de Raimundo Gaia Duarte, ex-vereador em Maceió e filho do ex-deputado e ex-prefeito Jota Duarte, liderança política de Palmeira dos Índios. Outros políticos da família de Jota: Diogo Gaia, ex-vereador em Maceió, neto, e o ex-deputado estadual Fernando Duarte, filho.

Dobradinha 

Em 2008, FH criticou a agência S&P quando o Brasil ganhou maior grau de investimento sob o governo Lula. “Não confio muito nas agências de risco. Olha o risco que elas correram lá nos EUA”, disse. Agora, com o Brasil rebaixado, foi a vez de Lula minimizar essas agências. Disse que o rebaixamento “não significa nada”.

 

*Hoje estréia “Alagoas Empreendedor”, novo programa da TV Mar, canal 25 da Net, às 9 horas, apresentado pelo jornalista Mauro Wedeckin. A proposta é expor histórias de sucesso e também oferecer dicas a micro e pequenos empreendedores alagoanos.

*Hoje é o último dia da A Feira do Livro do Maceió Shopping, que faz homenagem ao falecido escritor e ex-governador Divaldo Suruagy e é aberta ao público, das 10 às 22 horas, no segundo piso da expansão. Há livros partir de R$ 3,00.

*Outra do Maceió Shopping: comemorando 46 anos de “Abbey Road”, disco de sucesso dos Beatles, o centro de compras tem na praça central, até hoje, a exposição Beatlefest. Há réplicas de diversas peças e produtos relacionados ao extinto grupo inglês.

*Terminam hoje as inscrições ao I Concurso de Poesias Jorge de Lima, iniciativa da secretaria estadual da Cultura. O concurso se destina a estudantes do ensino médio das redes públicas e privadas do Estado. Contato: www.cultural.al.gov.br.

*De ontem até 6ª feira, 18, acontece a II Semana de Engenharia Elétrica, no Centro Universitário Cesmac. Hoje, 19 horas, a advogada Cosmélia Fôlha debaterá sobre a responsabilidade civil dos engenheiros elétricos no exercício da profissão.

*O ASA praticamente garantiu classificação à próxima fase da Série C do Campeonato Brasileiro ao ganhar do Salgueiro, em Arapiraca, por 1×0. Os cálculos indicam que se obtiver mais um ponto nos dois últimos jogos da primeira fase garantirá vaga.

*O CRB, que representa Alagoas na Série B do Brasileiro, empatou em 0x0 com o ABC, em Natal, e precisa ganhar hoje do América Mineiro, no Trapichão, para retomar as vitórias e se afastar da zona do rebaixamento. O jogo é às 20h30m.

 

“FHC contratou 19 mil servidores em 8 anos; Lula aumentou o quadro em 205 mil. Dilma, só no primeiro mandato, contratou 115 mil pessoas.”

Cláudio Humberto Rosa e Silva

Jornalista