Blog do Dresch

2 de setembro de 2015

Clinicas para dependentes ganham regulação

                   As comunidades acolhedoras ou terapêuticas, que realizam o acolhimento de pessoas com problemas relacionados á dependência química ou de substância psicoativa, ganharam uma nova regulamentação. Um dos defensores do novo formato, o secretário de Estado de Prevenção à Violência, Jardel Aderico, afirmou que a nova regulamentação é um marco para o país, que garante um espaço digno, que respeita os direitos humanos e dispõe de condições para a reinserção social e de proteção ao usuário. As mudanças fazem parte de uma resolução aprovada pelo Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas (Conad).

Controle no acolhimento 2

                   Atualmente existem cerca de duas mil entidades em todo o Brasil (sendo 36 em Alagoas), que eram fiscalizados apenas em termos de normas sanitárias. “Com o novo marco regulatório as comunidades terapêuticas contempla as garantias aos acolhidos e mecanismos de funcionamento e de fiscalização dos orgãos de controle das próprias comunidades” explica o Secretário. Entre as novas normas da regulação, ficou determinado ainda que as entidades não são estabelecimentos de saúde, mas de interesse e apoio das políticas públicas de cuidados, atenção, tratamento, proteção, promoção e reinserção social dos usuários de drogas.

PAC terá R$ 42 bi em 2016

                   De acordo com a proposta orçamentária encaminhada pelo governo ao Congresso Nacional, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) terá R$ 42,4 bilhões no próximo ano. O Ministro Nelson Barbosa do Planejamento, Gestão e Orçamento, assinalou que a prioridade do governo em relação ao programa é cumprir os contratos em andamento. “Nossa prioridade agora é completar nossas obrigações, não iniciar projetos novos” disse ele, ganhando reforço do Ministro da Fazenda Joaquim Levy, que sentenciou “acho que esse orçamento nos aponta a importância desse tipo de reflexão. Não pode assumir novos compromissos se não tem condições de pagar os que foram assumidos” declarou. O PAC sofreu contingenciamento este ano em cerca de R$ 25,9 bilhões, dos R$ 69,9 bilhões que estavam destinados. Para o próximo ano, dos R$ 42,4 bilhões previstos, R$ 15,6 bilhões serão para o Minha Casa, Minha Vida; R$ 12,4 bilhões para infraestrutura e logística; R$ 5 bilhões para infraestrutura social e urbana; R$ 4,6 bilhões para defesa e R$ 3,5 bilhões para infraestrutura hídrica. Também esta prevista a destinação de R$ 1,3 bilhão para outras despesas não especificadas. Ainda de acordo com o Ministro Nelson Barbosa, no caso do Programa Minha Casa, Minha Vida, a maior parte dos recursos destinados para 2016 são para a conclusão das unidades com obras em andamento.

 

Crise? Só pros outros

                   Em tempos de crise os ricaços sempre conseguem ficar ainda mais poderosos. No último ranking dos homens mais ricos do Brasil, elaborado pela Revista norte-americana Forbes, 80 dos 150 bilionários do país, tiveram seu patrimônio aumentado ao longo do último ano, mesmo enfrentando a crise econômica, que a gente achava que atingia toda a população brasileira. E a primeira posição, ficou mais uma vez com o empresário Jorge Paulo Lemann, que já ocupou a liderança no ano passado. Seus sócios na AB Inbev, Marcel Telles e Beto Sicupira, também estão entre os dez mais ricos do país.

Crise? Só pros outros 2

                   Esse trio, com negócios em diversos setores da economia, praticamente duplicou seu patrimônio entre 2014 e 2015. E agora estão ao lado os herdeiros das Organizações Globo, do empreiteiro Marcelo Odebrecht (que esta atrás das grades por causa da Operação Lava Jato), do empresário Abílio Diniz, entre outros. Segundo a Forbes, o patrimônio dos 160 bilionários brasileiros de 2015 alcança cerca de R$ 806,66 bilhões, o equivalente a 14,66% do PIB da Nação.

Crise? Só pros outros 3

                   Eis a lista dos dez maiores bilionários do Brasil, segundo o levantamento feito pela Revista Forbes: Jorge Paulo Lemann (R$ 83,79 bilhões); Joseph Safra (R$ 52,90 bilhões); Marcel Hermann Telles (R$ 42,26 bilhões); Carlos Alberto Sicupira (R$ 36,93 bilhões); João Roberto Marinho (R$ 23,80 bilhões); José Roberto Marinho (R$ 23,80 bilhões); Roberto Irineu Marinho (R$ 23,80 bilhões); Eduardo Saverin (R$ 17,53 bilhões); Marcelo Odebrecht e família (R$ 13,10 bilhões) e Abílio dos Santos Diniz (R$ 12,83 bilhões).

Identidade para viajar

                   Entrou em vigor nesta terça feira (1) uma nova regra para adolescentes de 12 anos ou mais, que queiram viajar para outros estados. Eles deverão apresentar documento de identidade, segundo resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A nova regra foi estabelecida para garantir mais segurança e proteção ao adolescente, uma vez que o documento evita que outras pessoas se passem por ele. Pela legislação brasileira, a partir dos doze anos, os adolescentes podem viajar desacompanhados. Agora, sendo identificado, será possível localizar qualquer trajeto interestadual realizado pelo mesmo. Qualquer duvida pode ser esclarecida pelo numero 166, da Ouvidoria da ANTT, ou ouvidoria@antt.gov.br.

 

 

  • Uma das maiores destilarias do Japão resolveu inovar: vai envelhecer seu uísque no espaço, acreditando que possa chegar a uma bebida mais suave.
  • As amostras já foram enviadas para a Estação Espacial Internacional (ISS), onde deverão permanecer por diversos anos, segundo informou o fabricante.
  • O grupo japonês Suntory enviou a bebida a bordo de um transportador de carga não tripulado (ainda bem!) HTV5, também chamado de “Konotori 5” (Cegonha Branca). A carga subiu ao espaço no último dia 16, no centro espacial de Tanegashima, no sudoeste do país.
  • Ao todo, seis tipos de uísque produzido pela destilaria japonesa, de 10,18 e 21 anos, assim como licores destilados que não foram submetidos ao processo de envelhecimento, subiram o espaço, onde vão amadurecer por vários anos, antes de retornar à terra.
  • A Suntory sustenta a hipótese de que, por não haver gravidade que influa no movimento dos fluídos, as moléculas de água e as de álcool podem unir-se mais facilmente, dando como resultado um uísque de sabor mais suave a sua volta.
  • À rapaziada que estava animada, pode tirar o cavalinho da chuva; a bebida não será vendida ao público. Será apenas uma pesquisa em busca de uma bebida mais suave. Magoei!