Roberto Baia

29 de agosto de 2015

Reunião decisiva

Em evento organizado pela Associação dos Municípios Alagoanos (AMA), mais de 30 prefeitos, vice-prefeitos, presidente de câmaras e vereadores de várias localidades do Agreste e Sertão de Alagoas estiveram presentes, na manhã de quinta-feira (27), na cidade de Arapiraca, onde participaram de entrevista coletiva com a imprensa.

Os gestores tiveram a oportunidade de apresentar o quadro da situação econômica por que passa cada município.

A prefeita Célia Rocha (PTB) recebeu os gestores alagoanos no auditório da Escola Municipal de Governo de Arapiraca.

 

Estão no limite

Também estiveram presentes secretários municipais e os vereadores Adalberto Saturnino (PMDB); Josias Albuquerque (PSD); Sérgio do Sindicato (PPS); Edvânio do Zé Baixinho (PROS); Dorje do Queiro (PRTB), entre outras lideranças políticas do município.

Na abertura da coletiva, o presidente da AMA, Marcelo Beltrão, disse que os prefeitos estão no limite de suas capacidades financeiras para a oferta de serviços à população.

 

Perdendo recursos

Beltrão revelou que os municípios estão perdendo recursos desde o ano de 2008, com a centralização de verbas na esfera federal.

“Nossa orientação é de que os prefeitos continuem mobilizados e enxugando os custos para o enfrentamento da crise financeira”, frisou o presidente da AMA, citando as constantes quedas nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que, segundo Beltrão, os municípios brasileiros já acumulam perdas no valor de R$ 1,5 bilhão este ano.

 

Cortes na Câmara

Em sua fala, o prefeito de Quebrangulo, Manoel Tenório (PSDB) também citou as dificuldades financeiras e lançou a proposta de conversar com os vereadores, a fim de negociar a redução no repasse do duodécimo para o Poder Legislativo.

“Queremos sensibilizar a população, mas também queremos o apoio dos vereadores nesse momento tão difícil por que passam as prefeituras em Alagoas e no Brasil”, acrescentou Tenório.

 

 

União dos gestores

A prefeita de Arapiraca, Célia Rocha (PTB), destacou a união dos gestores, frisando também os obstáculos que seu município vem enfrentando com as quedas de recursos do FPM.

“Há aumento anual do salário mínimo, de gasolina, tarifas de energia elétrica e de outros serviços para manutenção da máquina pública. Fomos um dos primeiros a cortar despesas e reduzir salários de secretários e de cargos em comissão, mas as dificuldades persistem e precisamos do apoio da população para buscarmos meio de amenizar todo esse impacto nos serviços oferecidos aos cidadãos e cidadãs”, completou Célia Rocha.

 

Criança com cardiopatia

Convênio firmado entre a Secretaria de Estado da Saúde e o Hospital do Coração de Alagoas (HCor) garantiu a primeira cirurgia de criança com cardiopatia reumática pelo Sistema Único de Saúde. A paciente foi Daniela da Silva, de 13 anos. Ela começou a sentir o desconforto no coração em janeiro deste ano, agravado com a febre reumática, uma doença inflamatória que se desenvolve após infecção anterior provocada pela bactéria do estreptococo. “Era muito ruim. Chorava muito”, lembrou a criança, durante visita da secretária de Estado da Saúde, Rozangela Wyszomirska, e seu chefe de Gabinete, Marcelo Santana, ao hospital.

 

Algo errado

“Nós fomos ao posto de saúde de Atalaia [cidade que Daniela vive] e no exame o médico percebeu que havia algo errado. Depois viemos a um cardiologista no PAM Salgadinho e ele fez o encaminhamento. Mas não encontrávamos atendimento. Até que conseguimos o serviço pelo SUS através desse convênio da Sesau com o Hospital do Coração”, relatou a mãe da criança, Maria Francisca da Silva.

 

Tudo pelo SUS

Para o diretor-médico do Hospital do Coração de Alagoas, Ricardo César, o convênio da unidade hospital com a Secretaria de Estado da Saúde representa o primeiro momento do projeto de estruturação da cardiopediatria em Alagoas. Com o convênio, além de consultas especializadas, as crianças alagoanas já podem contar com exames de ecocardiograma e cateterismo cardíaco.

 

Acompanhamento

“A finalidade é estruturar o fluxo para o suporte das crianças cardiopatas no Estado”, informou a secretária. Para isso, o projeto inicia com o tratamento ambulatorial por meio de consultas especializadas e vai atender ainda a demanda por cirurgias simples. No caso de Daniela, se a cirurgia não fosse feita, a pressão sobre o coração poderia causar padrões irregulares e potencialmente perigosos – as chamadas arritmias. Agora, a criança apenas precisará ter acompanhamento do cardiologista.

 

Maceió

 

A Câmara de Vereadores de Maceió aprovou, durante a sessão ordinária desta quarta-feira (26), quatro projetos de lei e mais um projeto de decreto legislativo por unanimidade do Plenário. Com isso, a capital alagoana ganha mais dois dias municipais e vai, ainda, conceder o título de cidadão honorário ao juiz de Direito Marlon Jacinto Reis, um dos fundadores do Movimento de Combate à Corrupção e um dos redatores da Lei da Ficha Limpa.

 

Atenção a dislexia

De autoria da vereadora Silvania Barbosa (PPS), o projeto de lei 88/2015, institui o Dia do Corredor de Rua no âmbito do município de Maceió. Já de autoria da vereadora Tereza Nelma (PSDB), o projeto de lei 0839/2015 cria o Dia Municipal de Atenção à Dislexia, a ser comemorado anualmente no dia 16 de novembro, um problema que cria dificuldades na leitura, escrita e soletração, podendo também ser acompanhada de outras dificuldades como percepção de dimensões, na realização de operações aritméticas e no funcionamento da memória de curta duração.

 

 

 

… Ao final do evento realizado em Arapiraca, o presidente da AMA, Marcelo Beltrão, adiantou que a entidade vai promover cinco encontros regionais e, depois, uma audiência com os deputados na Assembleia Legislativa Estadual (ALE).

 

… Ele disse que as áreas de saúde, educação, meio ambiente e assistência social, entre outras, foram praticamente municipalizadas, com as prefeituras executando esses serviços públicos para a população.

 

… O presidente da AMA ressaltou que, no programa de alimentação escolar, a merenda tem o custo por aluno de R$ 0,30 centavos. No transporte escolar, os municípios recebem R$ 12,00 por aluno.

 

… “Isso está sufocando as prefeituras alagoanas. Temos o apoio da nossa bancada federal, em Brasília, mas precisamos ampliar esse mutirão em defesa do movimento municipalista”, finalizou Beltrão.