Flávio Gomes

25 de agosto de 2015

A presidente perdeu o eixo

 Sandra Starling, ex-deputada federal pelo PT/MG: “Em 1986, estreante ainda na política eleitoral, o Partido dos Trabalhadores em São Paulo lançou Eduardo Suplicy como candidato a governador. Ele sempre foi uma das grandes estrelas da agremiação desde os seus primórdios. Naquele agora longínquo ano, em meio às dificuldades das campanhas que o partido enfrentava, sem recursos, sem malícia ou truques de qualquer espécie, de repente o candidato sumiu. Ninguém sabia onde ele se enfiara, e foi aquele ‘Deus nos acuda’. Procura daqui, procura dacolá, ao fim de três longos dias reaparece ele e repete a quem quisesse ouvir: ficara escondido em local da serra da Cantareira porque ‘perdera o eixo’ em meio a tantos desafios a serem enfrentados. Embora não veja nos dois nada de semelhante – seja porque ele sempre foi um gentleman, seja porque sempre soube sair-se com galhardia frente aos problemas da vida pública –, tenho pensado se a presidente não teria ‘perdido o eixo’, diante da enorme coleção de barbaridades, frases desconexas e gestos sem nenhum sentido que vem mostrando. Melhor seria se tivesse sumido. Sair a pedalar acompanhada de seguranças enquanto tantos pagam o pato pelas ‘pedaladas’ de seu último mandato me parece inteiramente fora de propósito. Achar que o fogo foi descoberto pela humanidade em recente desenvolvimento tecnológico ou dizer que não vai anunciar meta alguma porque, quando a meta for alcançada, será imediatamente dobrada, soa como desvario total. A nova designação que caiu em cabeça já tão atormentada de todas nós mulheres, a de que somos ‘mulher sapiens’, ou que a descoberta (ou terá sido invenção?) da mandioca foi um feito notável dos brasileiros, pode levar alguém a imaginar que algo de muito sério vem acontecendo na cabeça da primeira mandatária do país…”

Revide

Do senador Fernando Collor de Mello (PTB/AL), referindo-se o Procurador Geral da República, Rodrigo Janot: “Senhor do baraço e do cutelo, que tudo pode e tudo faz a seu bel-prazer, desconectando as instituições e esterilizando os poderes da República que garantem a nossa democracia. Trata-se de um fascista da pior extração.”

Distinção

Diz deputado federal Marx Beltrão (PMDB/AL) ao blog de Luís Vilar, no Cada Minuto: “Eu prefiro acreditar no Eduardo Cunha, pois o ônus da prova cabe a quem acusa”. E em relação ao presidente do Congresso Nacional: “Eu acredito que não há elementos para denunciar Renan Calheiros. Acho que ele não será denunciado”.

Grita geral

Prefeitos reclamam da queda da receita. O de Maceió, Rui Palmeira, diz que o FPM representa 40% da arrecadação da capital e que, além da queda do tributo, diversas categorias têm tido o piso salarial aumentado, sem haver novas fontes de receita. “O problema de um é o problema de todos”, alega Marcelo Beltrão, presidente da AMA.

Agenda

Acontece hoje, às 10 horas, audiência pública na Assembleia Legislativa para debate sobre reivindicações dos servidores da Previdência Social. Eles reivindicam concurso, mais condição de trabalho, unificação de 30 horas semanais para todos os funcionários e reajuste salarial de 27%. A iniciativa é do deputado Ronaldo Medeiros (PT).

Espigões

Continua a polêmica sobre a construção de prédios altos no litoral norte de Maceió. Hoje, às 9 horas, a Câmara Municipal realiza audiência pública para discutir o tema, unindo representantes de órgãos oficiais e da sociedade civil. Outros temas da reforma urbana serão abordados. Quem propôs a audiência foi o vereador Cleber Costa (PT).

Inaptidão

Contra a empresa italiana de call center Alma Viva, que gera 5 mil empregos em Maceió, há reclamações trabalhistas de funcionários que querem usar celular durante a jornada de trabalho. Como se fosse possível conciliar com a atividade, exercida exatamente através de telefone da empresa. Coisa de quem não é afeito ao trabalho.

Semelhança

De Luís Nassif: “Nas eleições de 1998, FHC enganou os eleitores da mesma maneira que Dilma. Garantiu que a política cambial não mudaria. O câmbio explodiu menos de dois meses depois de eleito, provocando no público a mesma ira e desprezo dedicados, agora, a Dilma. O país ficou com um vácuo de poder similar ao atual.”

 

*Em comemoração ao Dia do Soldado o Governo do Estado homenageia hoje, às 9 horas, no Tetro Deodoro, integrantes da Polícia Militar de Alagoas. Haverá também promoções de praças e oficiais. O governador Renan Filho tem presença anunciada.

*O prefeito Rui Palmeira e o secretário de Administração, Recursos Humanos e Patrimônio, Fellipe Mamede, lançam hoje a programação do Mês do Servidor. ÀS 8h30m, em café da manhã no piso L3 do Parque Shopping Maceió.

* O Corecon/AL e o Sindecon/AL encerram hoje as atividades do Mês do Economista, com palestra do professor Cícero Péricles, sobre “Perspectivas da economia alagoana”. Às 8 horas, no Maceió Mar Hotel. Presença do superintendente do BNB, Antônio César.

*Por proposta do vereador Silvio Camelo, a Câmara Municipal de Maceió concedeu, ontem, a Comenda Mário Guimarães à professora Dilza Ávila da Rocha. Com 35 anos de profissão, ela atua no Centro de Educação Infantil Herbert de Souza, Jacarecica. 

*O lançamento do Prêmio Sincor de Jornalismo em Arapiraca acontece hoje, 8 horas, no Hotel Sol Nascente. O tema deste ano é “O mundo do Seguro e a Importância do Corretor de Seguros habilitado”. O evento é destinado aos jornalistas arapiraquenses.

*A Secretaria da Fazenda abriu inscrições para o Curso de Formação de Julgadores e Procuradores para o Simples Nacional. O curso, na Escola Fazendária, é coordenado pela presidente do Conselho Tributário Estadual, Procuradora de Estado Nadja Araújo.

*Só ASA, na Série C, fez bonito no final de semana no Campeonato Brasileiro: 1×0 no Fortaleza. O Coruripe empatou (2×2), na série D, com o Serra Talhada. O CRB jogou bem, na Série B, mas perdeu por 2×1 para o Bragantino, em falhas individuais.

 

“Acendeu a luz vermelha. Acumulamos algum caixa. Mas, se a situação piorar, não sei se vamos aguentar.”

George Santoro

Secretário da Fazenda de Alagoas, em “O Globo”, sobre a situação financeira do Estado