Blog do Dresch

13 de agosto de 2015

Secretário salienta importância da reforma

                   A Lei Delegada publicada esta semana no Diário Oficial deu inicio a um novo modelo de gestão administrativa do Poder Executivo de Alagoas, fixando ações e metas, linhas e formas de atuação, além de estabelecer atribuições dos cargos em comissão e das funções gratificadas. “Essa lei representa uma quebra de paradigma, de mudança de mentalidade criando uma troca de informações mais célere possibilitando mais agilidade ás decisões a serem tomadas” explicou o secretário-chefe do Gabinete Civil, Fábio Farias. A lei estabelece três princípios que vão nortear a gestão: ética, transparência e proximidade com a sociedade.

Reforma administrativa 2

                   Ainda segundo o secretário Farias, o modelo é inovador e pela primeira vez na história de Alagoas, essa reestruturação administrativa não acarretará nenhum tipo de custo adicional para a administração pública. “Essas ações são norteadas pela participação social, qualidade no gasto, compartilhamento na gestão e melhoria nos indicados administrativos, econômicos e sociais” esclareceu o responsável pelo Gabinete Civil do Governo. Outro aspecto a ser salientado nesta reforma é a valorização dos servidores efetivos, com a participação dos mesmos em funções especiais gratificadas que compõem a estrutura administrativa do Estado.

Investimentos em energia

                   O governo federal lançou o Programa de Investimentos em Energia Elétrica, que prevê a aplicação de R$ 186 bilhões entre Agosto de 2015 e Dezembro de 2018. O objetivo é agilizar os projetos de ampliação de geração e transmissão de energia no país. Do total de recursos, R$ 116 bilhões são destinados à geração e R$ 70 bilhões nas linhas de transmissão. Ao ampliar a oferta de energia, o governo busca incentivar a competitividade no setor, de forma a reduzir o custo de energia no país. Com os novos projetos de geração de energia a serem contratados, serão investidos R$ 42 bilhões até 2018 e outros R$ 74 bilhões após 2018. Essas obras vão aumentar entre 25 mil megawatts (MW) e 31,5 mil MW, a energia fornecida ao sistema. Serão leiloados 37,6 mil quilômetros de linhas de transmissão, a um custo de R$ 70 bilhões. Deste total, R$ 39 bilhões serão executados até 2018. Entre as obras planejadas, o ministro das Minas e Energia, Eduardo Braga, destacou a construção das hidroelétricas de Tapajós e Jatobá, ambas no Rio Tapajós. Ainda de acordo com o Ministro, entre 2001 e 2014 a geração de energia cresceu 67%, passando de 80 mil Megawatts para 134 mil MW. Em 2014, foram agregados mais 7,5 mil MW ao Sistema Interligado Nacional. Já na transmissão, o crescimento foi de 80% no mesmo período passando de 70 mil quilômetros para 125 mil, sendo que 9 mil foram instalados no ano passado.

 

Vacina contra pólio

                   A nova Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite começa neste Sábado (15) e paralela a ela será realizada a Campanha de Multivacinação para Atualização do Esquema Vacinal, que visa colocar em dia a caderneta de vacinas das crianças. As duas ações vão acontecer até o dia 31, segundo determinação do Ministério da Saúde. Deverão ser imunizadas contra a doença crianças de 6 meses a 4 anos e 11 meses, enquanto que a atualização será feita em crianças de até cinco anos. O Brasil esta livre da poliomielite desde 1994, inclusive com certificado de erradicação da doença. O último caso aqui foi registrado em 1889.

Vacina contra pólio 2

                   Segundo o Ministro Arthur Chioro, a meta do governo é vacinar 12 milhões de crianças que se encontram na faixa etária preconizada. Em Alagoas o número chega próximo a 244 mil. Em todo o Brasil, 100 mil postos estarão abertos no próximo Sábado, inicio da Campanha e também dia D da vacinação. A recomendação é que os pais, além de levarem seus filhos aos postos de saúde, levem também a caderneta vacinal das crianças, para atualização nas doses de outras vacinas que estão faltando. Em Maceió a campanha já foi iniciada. A antecipação acontece para que a capital alcance, até o dia 31, a meta estabelecida pelo Ministério e para que não haja necessidade de prorrogação.

Bebidas de cereais

                   A Embrapa Agroindústria de Alimentos esta procurando parceiros no setor de laticínios, para fazer a validação industrial e começar a produzir bebidas fermentadas de cereais com bactérias pró-bióticas para o mercado. Os pró-bióticos são organismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, são benéficos à saúde. O estudo original tinha por objetivo a fabricação de bebidas de soja fermentadas, mas acabou evoluindo para bebidas de outros cereais como aveia, milho, quinoa, centeio, cevada e trigo, que podem ser consumidos por pessoas com intolerância à lactose.

Bebidas de cereais 2

                   O estudo esta sendo ajustado às condições de produção da indústria de laticínios, que sempre fabricou bebidas lácteas fermentadas e iogurtes. As bactérias pró-bióticas fermentam a bebida e transformam os açúcares em ácidos e são benéficas à saúde. A diferença é que a Embrapa utilizou o pó dos cereais em vez do processo tradicional, que parte do grão. O pó, diluído na água que já resulta na bebida final e após a fermentação ela pode ser utilizada na mistura com frutas de sabores variados como banana, mamão e maçã. Outra vantagem é que as bebidas fermentadas não utilizam o leite, por isso são liberadas para pessoas com intolerância à lactose.

 

 

  • O advogado alagoano Nabor Bulhões assumiu a defesa do empresário Marcelo Odebrecht, um dos mais enrolados na Operação Lava a Jato.
  • Bulhões esta radicado em Brasília há décadas e comanda uma das mais procuradas bancas advocatícias do país, sempre obtendo excelentes resultados em seus trabalhos.
  • Um dos mais importantes trabalhos da banca de Nabor Bulhões foi no caso Cesare Battisti, que estava escondido no Brasil, e o governo italiano o queria de volta para cumprir uma pena de prisão perpétua por homicídios cometidos em atos de terrorismo.
  • O advogado alagoano foi contrato pelo governo da Itália, conseguiu o seu objetivo, mas o italiano não foi extraditado por uma decisão de natureza pessoal do então presidente Luiz Inácio lula da Silva.
  • Mesmo assim o seu trabalho foi reconhecido pelo governo italiano, que o indicou para diversas outras causas de interesse da Itália, no Brasil.