10 de agosto de 2015

Medicina preventiva

Melhor é prevenir que remediar! Diz o ditado popular e antigo. Por que será que no Brasil não é seguido?

Porque tudo é feito as pressas. Nada ou quase nada é planejado. Não existe um plano de governo seja ele em qual nível for.

E mesmo que exista um plano de governo para cinco, dez, quinze anos não será seguido, pois o governante que suceda o atual, mesmo que seja do partido, ira fazer tudo de novo para recomeçar com seu carimbo ou logomarca.

E assim temos exemplos de obras que foram iniciadas e ficaram paradas. Não foram concluídas ou mesmo se concluídas tiveram todo o seu projeto original modificado. Claro que sabemos que algumas são reformuladas ou reinventadas para que seja aumentado o seu custo e aí está a lava jato para dar todas as explicações.

Não consigo entender porque ao iniciar um governo tem que preencher os chamados escalões. No máximo deveria ser mudado o ministro, o secretário. Os outros funcionários de cada setor seriam os funcionários de carreira, concursados e que já estariam afeitos aos tramites da pasta em questão.

Em medicina então nada é programado para vinte anos. A medicina que aparece é a curativa com a construção de imóveis de custo elevado e centrado na cura e não na prevenção.

A prevenção tem que se iniciar quando a mãe, a grávida inicia a gestação.

Passa por todos os nove meses para que o parto seja predominantemente normal e que o feto ao nascer não tenha nenhuma alteração de saúde. Idas ao pediatra. Vacinação. Alimentação pelo leite materno. Estudo com alimentação para criança no colégio. Exames no colégio a cada ano letivo.

Exposição às atividades físicas. Inicialmente lúdicas. Em seguida competitivas especificas para a idade.

Assim teríamos homens e mulheres sadios e com menor custo para o estado no que diz respeito ao uso de medicamentos, realizações de exames e tratamentos clínicos e cirúrgicos.