Blog do Dresch

9 de agosto de 2015

Alagoas pode triplicar produção de milho

                  Após vários anos, Alagoas volta a produzir milho em larga escala. Na safra passada, chegou-se a pouco menos de 25 mil toneladas, enquanto que para a safra 2015 a produção alcançará com folga as 60 mil toneladas e espera-se que com as chuvas recentes é possível alcançar 75 mil toneladas do produto. A expectativa positiva é do Secretário Álvaro Vasconcelos, da Agricultura, Pesca e Aquicultura. O resultado positivo é resultado da decisão dos pequenos produtores estaduais em apostar no milho como produto rentável e que permite uma produção considerável. O Secretário citou ainda que a distribuição de sementes no momento adequado igualmente contribuiu para o êxito da safra.

Visita da Ministra

                   Como havia prometido anteriormente ao próprio secretário Alvaro Vasconcelos, a ministra da Agricultura, Kátia Abreu deverá estar em Alagoas no próximo dia 17. Na oportunidade ela deverá atender a uma antiga reivindicação de Alagoas: a instalação de um núcleo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) no estado. Com a instalação deste núcleo Alagoas dará um passo fundamental para avançar na produção de alimentos e do uso da tecnologia na atividade agrícola do Estado, segundo Vasconcelos.

Descriminalização de drogas

                   Um dos assuntos polêmicos constantes da pauta do Supremo Tribunal Federal para este segundo semestre esta a descriminalização do porte de drogas para uso próprio. A matéria será apreciada em um recurso de um detento que foi condenado a dois meses de prestação de serviços à comunidade por porte de maconha, encontrada dentro de sua cela. A Defensoria Pública de São Paulo alega que o porte de drogas tipificado em lei específica não pode ser configurado como crime, por não gerar conduta lesiva a terceiros. “A incriminação ofende direitos e garantias fundamentais do cidadão, especialmente a intimidade e a liberdade individual. Não é possível que uma norma infraconstitucional ofenda o ápice do ordenamento jurídico, considerando crime uma conduta que esta devidamente amparada por valores constitucionalmente relevantes” argumentam os defensores públicos paulistas. Outro assunto que aguarda uma posição do Supremo é o que diz respeito ás perdas da caderneta de poupança com planos econômicos instituídos nas décadas de 80 e 90. Por falta de quórum o julgamento esta suspenso desde o ano passado, uma vez que a Corte aguarda manifestação do ministro Luiz Edson Fachin, sobre sua participação, ou não, no julgamento. É que ele já atuou como advogado em um processo que tratou sobre o assunto no Tribunal Superior de Justiça, e sua participação agora, fere o regimento do STF.

 

Roubo de cães de raça

                   Um novo tipo de crime tem preocupado as autoridades da segurança no Rio de janeiro: Os cães de raça entraram na lista de preferência dos ladrões. Alguns meliantes utilizam os animais de raça para revenda e procriação. O caso mais recente aconteceu no Canil Seawilles, em Guaratiba, região oeste do Rio. Dois homens invadiram o local, renderam o proprietário e levaram oito animais de raça. Sendo sete fêmeas, duas delas da raça buldogue francês em gestação. Os demais animais era de raças nobres como spitz alemães, west highland e white terrier. Outro caso foi da professora Letícia Dornelles que teve sua cadelinha shih-tzu de dois meses roubada em Copacabana durante um passeio.

“A crise é um ciclo”

                   O Presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, falou com a imprensa esta semana sobre o cenário econômico brasileiro. Para ele “a crise na economia é um ciclo, e este ciclo passa. O Brasil tem um PIB potencial e isso significa investimento e infraestrutura” afirmou. Trabuco disse ainda o ajuste fiscal seja um pouco maior do que o imaginado, de um ano e meio. Depois disso teremos uma carteira de investimentos muito forte, assinalou. “Recentemente saiu um ranking de países que são preferência dos investidores, e o Brasil esta em terceiro ou quarto lugar, porque o país tem mercado interno e uma necessidade de investimento em infraestrutura como ninguém”! acrescentou o presidente do Bradesco.

TV paga mais barata

                   O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), João Rezende, defendeu nesta semana, que as operadoras de televisão por assinatura ofereçam pacotes mais baratos, que atendam as classes D e E. Ele disse que a sugestão é uma forma de provocar o setor, uma vez que a Anatel não pode interferir na questão. Ele afirmou que as operadoras poderiam analisar os canais que atendem ao gosto do telespectador das classes D e E, e a partir daí montar canais específicos a um custo menor. Rezende participou da abertura do Congresso da Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA), em São Paulo, esta semana.

TV paga mais barata 2

                   Por outro lado, o presidente da ABTA, Oscar Simões revelou que a sugestão do presidente da Anatel é muito difícil de ser implantada, porque os custos da TV por assinatura são muito elevados. “Primeiro a operadora precisa investir na infraestrutura, na rede e no call center. Depois tem o custo de aquisição de assinante, onde é preciso fazer investimento de marketing, comprar equipamento e ter pessoal para instalar o equipamento na casa do assinante. Tudo isso eleva o preço da assinatura” justificou Simões. Outra reclamação das empresas é sobre a tributação do negócio, que segundo o presidente vai aumentar ainda mais em alguns estados.

 

  • Nesta segunda feira, a partir das 9h, na sede da Federação da Agricultura e Pecuária de Alagoas, um seminário para discutir a questão que envolve a adequação do abate legal.
  • O encontro trará técnicos da Bahia que implantação um sistema nos matadouros daquele estado e que apresentou resultados satisfatórios e referenciais.
  • O encontro é destinado a promotores e procuradores de justiça, prefeitos, técnicos municipais e do Estado, envolvidos na fiscalização e adequação dos matadouros alagoanos à legislação em vigor.
  • O objetivo é fazer com que os matadouros dos municípios de Alagoas possam se adequar ás normas sanitárias e das exigências do Ministério Público e da Vigilância sanitária do Estado.
  • O seminário é promovido pelo Governo do Estado em parceria com o Ministério Público Estadual, Associação dos Municípios Alagoanos (AMA) e Federação da Agricultura e Pecuária de Alagoas.