Blog do Dresch

8 de agosto de 2015

As propostas para desafogar o trânsito

                   A implantação de eixos viários paralelos foi a solução encontrada pela equipe técnica da Secretaria de Estado de Transporte e Desenvolvimento Urbano, para resolver o intenso tráfego de veículos da Avenida Fernandes Lima. Para o Secretário Mosart Amaral, os eixos terão o formato de binários, sendo duas vias paralelas de mão única e sentido contrário, que deverão escoar o trânsito da Fernandes Lima. Os corredores de trânsito foram batizados de Eixo Quartel e Eixo Cepa, e Mosart Amaral garante sua eficácia no escoamento do trânsito nesta parte da cidade.

Eixos viários paralelos 2

                   O Eixo Quartel terá cerca de 6 quilômetros, com inicio na Rua Marieta Lopes, no Farol, até a rua Ranildo Cavalcante, na Gruta, possibilitando um luxo de veículos no sentido sul/norte e leste de Maceió. Já o Eixo Cepa, terá nove quilômetros de extensão, com inicio entre as ruas Frei Caneca e Luiz de Mascarenhas, no Farol, até a sede do Ibama, na Gruta de Lurdes. Ainda de acordo com o projeto da equipe técnica da secretaria, os eixos se relacionam com os grandes polos do Jacintinho, Feitosa, Pinheiro e Jardim Petropólis, possibilitando a integração com bairros populosos da capital.

Eixos viários paralelos 3

                   Ainda segundo o secretário Mosart Amaral, as obras devem ser iniciadas em Outubro e terão a duração de três meses, e além de servirem para o escoamento do trânsito, os eixos fazem parte das obras preliminares para implantação do VLT na Fernandes Lima. A obra dos eixos vão transpor barreiras como Cepa, 59º Bimtz, Hospital do Açúcar, Hospital Portugal Ramalho e alguns lotes residenciais. A obra contempla pistas de rolamento, calçadas, iluminação pública, muros vazados nas propriedades entre outros melhoramentos.

Irresponsabilidade da Câmara

                   A aprovação de algumas medidas que aumentam os gastos públicos, em um momento de crise econômica, é o reflexo do descompromisso do Congresso Nacional com a realidade do país. A afirmação é voz corrente entre economistas ouvidos pela Agência Brasil. Para eles os parlamentares estão colocando disputas acima dos interesses do país. Esta semana a Câmara aprovou, em primeiro turno, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que vincula o salário de diversas categorias (procuradores, advogados públicos e até delegados) à remuneração dos ministros do Supremo Tribunal Federal. O impacto da medida nas contas públicas alcançará R$ 2,4 bilhões ao ano. Para os economistas, esta despesa é insustentável em um momento de queda da arrecadação que obrigou o governo a reduzir a meta de superávit primário, destinado ao pagamento dos juros da dívida pública. “Sob qualquer ponto de vista, o Congresso esta sendo, no mínimo, irresponsável. O que esta em disputa não é a questão fiscal, mas uma disputa política para aprovar propostas que aumentem a despesa do governo” disse o professor Francisco Lopreato, especialista em politica fiscal da Universidade de Campinas (SP). Já Virene Matesco, doutora em economia da Fundação Getúlio Vargas, igualmente reprova a postura do Congresso de não levar em conta as dificuldades fiscais do país. “Um Congresso que se preocupa em atacar pessoalmente um presidente, mostra que não trabalha para a população, nem representa o povo que o elegeu. A solvência do país deve estar acima de qualquer interesse partidário” disse ela.

 

Centro antiterrorismo

                   O Rio de Janeiro montará um centro antiterrorismo durante os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016 para prevenir possíveis ações terroristas. O centro vai reunir agentes de segurança do Brasil e de outros países, reforçando a segurança das delegações e do público em geral.  A estrutura do centro deverá estar concluída até o inicio do ano para que possa receber profissionais de países parceiros, que possam trocar informações qualificando a prevenção. Os países que vão participar desse esforço conjunto são os que já contribuem para o processo de segurança, dentro do chamado “sistema Interpol”.

Centro antiterrorismo 2

                   O centro será montado em área próxima ao local da competição. A ideia de montá-lo partiu do amadurecimento de situações similares em competições no Brasil e no exterior, como nos recentes jogos Pan-Americanos de Toronto. De acordo com dirigentes da Associação Brasileira de Informações (Abin) o Brasil mantém relações para a troca de informações na área da segurança com 80 países, e todos eles, segundo a Abin todos estão interessados na troca de experiências com o Brasil, especialmente na área de inteligência.

2015 terá superávit

                   Tanto o governo federal quanto o setor privado acreditam que o Brasil vai encerrar o ano de 2015 com superávit. E isso vai acontecer porque as importações estão caindo com maior rapidez que as vendas externas. Dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior mostram que de Janeiro a Junho deste ano houve uma queda de 14,6% das exportações em comparação com igual período do ano passado. Já as importações tiveram uma redução de 18,5%. Para a Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) prevê um superávit de US$ 8 bilhões neste ano em função dessa diferença. As exportações devem cair 15% no ano e as importações em 20%.

 

 

  • Elogiável a posição tomada pelos presidentes da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, Eduardo Gouvêia Vieira, e da Federação das Indústrias de São Paulo, Paulo Skaf, sobre a situação política e econômica do país.
  • Eles se manifestaram de forma conjunta em apoio à proposta de união pela governabilidade apresentada pelo vice-presidente Michel Temer.
  • Em nota conjunta, Vieira e Skaf dizem que “o momento é de responsabilidade, diálogo e ação para preservar a estabilidade institucional do país”.
  • Para eles “não se pode permitir irresponsabilidades fiscais, tributárias ou administrativas e que o governo deve agir para manter o grau de investimento tão duramente conquistado, sob pena de colocar em risco a sobrevivência de milhares de empresas e milhões de empregos”.
  • De acordo com Vieira e Skaf, o interesse do Brasil deve ficar acima de ambições partidárias ou pessoais dos representantes eleitos pelo povo, e também que o governo deve fazer sua parte, cortando despesas e priorizando o investimento produtivo.