Olívia Cerqueira

1 de agosto de 2015

Falta leitura…

Olívia de Cássia – Jornalista

Hoje eu queria falar da ausência de interesse de muitos jovens de agora pelos livros. Eu lamento muito quando vejo um adolescente que nunca leu Graciliano Ramos, José de Alencar, Aluísio Azevedo, Drumond, Erico Verissimo e mais adiante Jorge Amado, entre outros tantos escritores brasileiros de conteúdos e qualidades inquestionáveis da nossa língua que logo cedo me familiarizei e aprendi a respeitar, ler, consumir e adotar como meus livros de cabeceira na adolescência.

Fico me perguntando qual o conteúdo programático que as escolas adotam atualmente, que não incentivam esses futuros profissionais a se apropriarem dos ensinamentos e do prazer que os livros nos dão. O gosto pela leitura está intrinsecamente associado aos estímulos que desde muito cedo se proporcionam à criança, antes mesmo do seu nascimento. O meu estímulo foi na escola.

Sou adepta das tecnologias, mas parece que elas facilitaram o lado prático da vida e, por outro lado, tiraram de muitos jovens o prazer da leitura e o aprendizado que ela nos dá. E me reporto aqui à minha vida de estudante secundarista, quando tive professores e mestres maravilhosos que me incentivaram e me ensinaram a gostar, ter o hábito e o prazer pela leitura.

A escritora Miriam Mermelstein  observa  alguns pressupostos para a introdução dos alunos no mundo da literatura, como a importância de ter um ambiente cultural no qual o livro esteja presente, de ampliar o repertório do aluno apresentando-o a uma diversidade de gêneros textuais, de ensinar a ler com prazer, de respeitar as escolhas dos jovens diante do universo desvelado pelos livros. Aborda ainda a estreita ligação entre o ler e o escrever, oferecendo sugestões de exercícios para o desbloqueio da escrita criativa.

Deixo aqui uma sugestão para os gestores e professores para que incentivem e adotem políticas públicas em suas cidades no sentido de que despertem nos seus alunos o interesse pelo mundo dos livros, porque eles são os nossos maiores tesouros; o conhecimento e a educação que adquirimos são as únicas riquezas  e a herança que levamos para o resto da vida, isso é um fato.