Roberto Baia

24 de julho de 2015

Desrespeito com a educação

Os servidores da rede municipal de ensino da Barra de Santo Antônio, no litoral norte de Alagoas, completaram na quarta-feira (22) o terceiro dia da paralisação de advertência por defasagem salarial e outras reivindicações legais não cumpridas por parte da gestão do município.

Os trabalhadores, com apoio do Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Alagoas (Sinteal), fizeram uma caminhada por toda a cidade comunicando e alertando os pais de alunos sobre os verdadeiros motivos da paralisação, bem como protestando contra a falta de respeito e de compromisso com a educação por parte do prefeito Rogério Farias e da secretária da pasta, Tânia Sales.

 

Salário defasado

A presidente do Sindicado dos Trabalhadores da Educação de Alagoas (Sinteal), Consuelo Correia, afirmou que os trabalhadores cobram uma defasagem de 8,32%, que era para ser aplicada em janeiro de 2014, e mais 13,10% no mesmo mês de 2015, o que dá um total de 21,42% de diferença nos salários dos servidores da educação.

 

Não abre mão

“O Sinteal está com o trabalhador e não abre mão, por ser um índice que compõe o piso salarial profissional regido pela lei federal nº 11.738”, assegura a presidente Consuelo Correia ao afirmar que as reivindicações não se restringem só ao índice de defasagem de 21,42%.

 

Muito estranho

“O Sindicato está preocupado, também, com os investimentos na Educação que não existem. Isso sem falar nos programas federais de merenda escolar e PDDE [Programa Dinheiro Direto na Escola] que servem para pequenas compras e serviços nas escolas, que não são aplicados como deveria.

 

Região Norte

Na manhã de quarta-feira (22), oito prefeitos da região norte do Estado se reuniram em Maragogi. A crise econômica e o comprometimento das contas municipais centralizaram a maior parte dos assuntos debatidos no encontro.

 

Medidas

Os Prefeitos Amaro Gilvan; Márcia Coutinho; Newberto Neves; Marquinhos do Nascimento; Rogério Farias. Manoelzinho; Eraldo Pedro e Henrique Madeira, dos municípios de Campestre; Passo do Camaragibe; Japaratinga; Matriz de Camaragibe; Barra de Santo Antônio; Jacuípe; São Luis do Quitunde e Maragogi, respectivamente, estudam adotar medidas em conjunto para reduzir gastos e garantir o fechamento das contas em 2015, em virtude da queda acentuada de repasses e aumento dos compromissos dos municípios.

 

Recursos      

Segundos dados comprovados, o cenário prevê um segundo semestre crítico para as Prefeituras, na medida em que os repasses federais e estaduais poderão atrasar, ou até mesmo não vir. Conforme o Prefeito Henrique Madeira, os gestores devem adotar medidas emergenciais de contenção. “A população precisa saber que os municípios estão pagando para manter os serviços de saúde e programas sociais, como o Bolsa Família, por exemplo, sem sequer saber se os recursos serão repassados. Estamos deixando de investir em áreas sociais e em obras cobradas pela população, para cobrir responsabilidades que não são nossas”, destacou.

 

Providências

O Prefeito de Matriz, Marquinhos do Nascimento, destacou que as Prefeituras estão comprometidas em tomar providências para manter seus caixas em dia. “Há meses estamos sofrendo com um abalo na contabilidade dos cofres públicos. Precisamos urgentemente traçar alternativas, pois a situação não está boa e as previsões para os próximos meses, muito menos”, salientou.

 

Queda dos repasses

Segundo os gestores, mesmo com os cortes já implementados pelas prefeituras da região, desde o mês de novembro de 2014, os municípios não têm como adequar o orçamento diante da queda brusca dos repasses, o que os levará a rever a política de gratificação e números de cargos comissionados e contratados. “Está ficando insustentável para as prefeituras manter os serviços essenciais à população. A saída é cortar na própria carne para não deixar as contas municipais no vermelho”, afirmou o prefeito Rogério Farias.

 

Taquarana

O secretário de Estado da Agricultura, Pesca e Aquicultura, Álvaro Vasconcelos, participou na última segunda-feira (20) da cerimônia de lançamento do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), no município de Taquarana, no Agreste alagoano.

… Cinquenta e cinco famílias de pequenos agricultores da cidade serão beneficiados com recursos da ordem de R$ 440 mil para compra direta de inhame, batata doce, macaxeira, abacaxi, mamão, goiaba, graviola, maracujá, pimentão e tomate.

 

… Parte do recurso também será destinada à aquisição de bolos e broas provenientes de micro agroindústrias – as chamadas “agroindústrias familiares”.

 

… A estrutura físico-financeira do programa em Taquarana será operacionalizada pelo Instituto de Inovação para o Desenvolvimento Rural Sustentável de Alagoas (Emater/AL), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura. Durante a cerimônia de lançamento, o secretário Álvaro Vasconcelos destacou o trabalho do governo do Estado no desenvolvimento e dinamização da agricultura familiar alagoana, sempre com o olhar voltado para a fixação do homem no campo.