Blog do Dresch

22 de julho de 2015

Lima Duarte vai substituir Inezita

                   A TV Cultura pretende s recuperar da grave crise que sofreu no ano passado, quando perdeu mais de 20% do seu orçamento e teve de demitir 53 funcionários. E uma das suas principais apostas é o novo apresentador para substituir Inezita Barroso, que morreu em Março último, no comando do “Viola, Minha Viola”. Trata-se de Ariclenes Venâncio Martins, ou simplesmente, Lima Duarte, como é mais conhecido o ator da Rede Globo, que esta com 85 anos de idade.

Lima na Cultura 2

                   Após a morte de Inezita, o programa passou a ser reprisado. Há 35 anos no ar, o “Viola” chega a marcar 3 pontos no Ibope na Grande São Paulo, nas manhãs de Domingo. Um recorde para a emissora. Além de Lima Duarte, outro nome cotado para apresentar o programa foi o de Renato Teixeira, 70 anos. Mas ele nem foi convidado. Outro sondado foi o cantor e deputado federal Sérgio Reis, de 75 anos, mas ele recusou os pedidos de entrevista. Mas para a escolha de Lima Duarte, pesou o conhecimento da vida caipira e a experiência de ter apresentado, nos anos 80, o Som Brasil, na Globo. Falta agora somente a autorização da poderosa Rede Globo para que o convite se torne realidade.

Sobre o Cadastro Positivo

                   No próximo dia 1º de Agosto, o chamado Cadastro Positivo vai completar dois anos de implantado, e, apesar de ter quadruplicado o número de integrantes relacionados, ainda não conseguiu dar um retorno expressivo em termos de redução de juros ou facilidades para determinadas operações de crédito. O Cadastro é um banco de dados que relaciona os bons consumidores, os que honram suas dívidas com pagamentos em dia e cumprem suas obrigações. O número de cadastrados que em 2013 era de 500 mil, hoje já chega a 2 milhões, de acordo com a Serasa Experian. “A captação de cadastros esta evoluindo, mas com certeza esta abaixo do que se previa inicialmente. É preciso uma base maior de usuários para que se torne algo substancial”, diz o superintendente do SPC Brasil, Nival Martins. Em 1º de Agosto de 2013 as instituições financeiras passaram a ser obrigadas a enviar aos bancos de dados do Cadastro Positivo, o histórico de crédito dos clientes que autorizaram a operação. Na época, o SPC Brasil, um dos players deste mercado, estimava que o numero chegaria a 40 milhões no fim de 2014, o que não se concretizou. Acredita-se que uma das barreiras é o desconhecimento de grande parte dos brasileiros. No Brasil, o ingresso no Cadastro Positivo não é automático. Muitos não sabem que é preciso uma autorização de divulgação de suas informações para um dos administradores do banco de dados, como Serasa Experian, SPC Brasil e Boa Vista.

 

40 mil multas

                   Somente nos primeiros seis meses deste ano, a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), aplicou 40 mil multas (a esta altura deve ter muito mais), em infratores do trânsito na capital alagoana. São multas por 300 tipos de infrações cometidas pelos motoristas que circulam por Maceió.  A situação apertou a partir de Dezembro passado, quando a fiscalização ficou bem mais rígida e o orgão se estruturou para poder desenvolver seu papel de organizador, controlador e agente punitivo no trânsito.

40 mil multas 2

                   Segundo o relatório semestral elaborado pelo orgão, as infrações mais graves registradas são o estacionamento irregular (por isso o Centro da cidade é o local com maior numero de infrações), o uso do celular ao dirigir, a não utilização do cinto de segurança, desrespeito à faixa azul e também aos semáforos. A direção de Operações de Trânsito do orgão rebate qualquer tipo de denúncia de “indústria de multas”. De acordo com Carlos Calheiros, as equipes da SMTT estão nas ruas para fazer valer o Código Brasileiro de Trânsito e jamais para alcançar metas de arrecadação.

40 mil multas 3

                   Entre as 40 mil autuações feitas pela SMTT nos primeiros seis meses do ano, 22.591 foram em função do estacionamento irregular, cujos valores variam entre R$ 53,20 e 3 pontos na CNH (infração leve); R$ 85,13 e 5 pontos (infração média) e R$ 127,69 e 7 pontos (infração gravíssima). Outras 3.286 multas foram aplicadas pelo uso do celular ao dirigir, que corresponde a uma infração média; outras 2.768 multas por não usar o cinto (condutor e passageiro) que corresponde à infração grave e 2.627 por avanço de sinal considerada infração grave, enquanto que o tráfego pela faixa azul é punida como infração leve.

É muita inadimplência

                   A taxa de inadimplência no Brasil cresceu 5,9% em junho em relação ao mês de Maio, e chegou a 16,4% no primeiro semestre de 2015, na comparação com o mesmo período de 2014. De Janeiro a Junho, o valor médio das dívidas não bancárias – cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviço como telefonia, energia elétrica e água – cresceu 24,6% na comparação ao ano passado. Já os valores médios das dívidas com cheques sem fundos e da inadimplência com os bancos cresceram 10,9% e 0,9% respectivamente. O valor médio dos títulos protestados caiu 3,3%. O aumento da inadimplência é atribuído a alta da inflação, às taxas de juros e ao desemprego.        

 

 

  • Isso sim é que se pode considerar uma má notícia para muita gente. A prática do sexo oral “desprotegido” e com um numero maior de parceiros aumenta consideravelmente o risco de se contrair câncer de boca e de garganta.
  • Se antes do ano 2000 a doença atingia principalmente homens mais velhos, fumantes e alcoólatras, nos anos seguintes mais que dobrou a incidência da doença em pessoas com idade de 30 a 44 anos, e que não, necessariamente, fumam e bebem.
  • Um dos motivos é o aumento da exposição, pelo sexo oral, ao vírus HPV, o mesmo responsável pela maior parte dos casos de tumor de colo de útero.
  • Os maiores problemas são a falta de informação sobre a transmissão do HPV, somada à liberdade sexual.
  • Algumas sugestões são indicadas na prevenção: banho e higienização bucal. Escovar os dentes e lavar as mãos já é alguma coisa.
  • Dizem que quando se conquistou a liberdade sexual, a partir dos anos 70 e 80, faltaram campanhas de esclarecimento sobre a incidência de doenças sobre algumas práticas.
  • Traduzindo: Antes podia-se fazer tudo e não acontecia nada. Hoje não se pode fazer nada que acontece tudo.