Blog do Dresch

9 de julho de 2015

Compromisso da bancada federal

                   Deputados federais alagoanos assumiram o compromisso com o Secretário Luciano Barbosa, da Educação, de buscarem a liberação em Brasília, de R$ 25 milhões garantidos através de convênios já assinados. Os recursos são destinados, principalmente a dois centros de educação profissionalizante em Arapiraca e em Pilar e ainda para outras ações de combate ao analfabetismo. O compromisso entre a bancada e o secretário aconteceu esta semana, em reunião realizada no auditório da Federação das Indústrias. Barbosa também traçou um diagnóstico da educação em Alagoas e sobre o objetivo de investimento em escolas profissionalizantes e de tempo integral no estado.

Negociação complicada

                   As negociações entre os servidores públicos federais e o governo estão difíceis e tendem a piorar. Os representantes dos servidores rejeitaram a proposta do governo, de reajuste de 21,3% escalonados em quatro anos, e uma nova reunião foi marcada para o próximo dia 21. Na última reunião participaram 23 representantes de 54 entidades que compõem o Fórum Nacional dos Servidores Públicos Federais, e que negocia em nome da maior parte de 1,5 milhão de servidores. A proposta do funcionalismo é de 27,3% para o ano que vem, com negociações anuais. A proposta plurianual do governo foi rejeitada “porque dá muita previsibilidade macroeconômica em relação ao gasto público de uma despesa tão importante” afirmou uma das lideranças. Já o Secretário de Relações de Trabalho do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Sérgio Mendonça, disse que o governo vai avaliar a proposta dos servidores, uma vez que “a distância entre as propostas ainda é muito grande” disse ele. O reajuste proposto pelas entidades visa repor as perdas salariais do funcionalismo desde 2010, uma vez que houve diferenças entre a inflação do período e os reajustes concedidos ao funcionalismo federal, que totalizaram perdas na ordem de 18,75%, que somadas as previstas para 2015 e 2016 alcançam o percentual solicitado e colocado à mesa para negociação.


Sem reforma alguma

                   Os deputados aprovaram na noite de terça feira, o texto base da proposta de reforma política, que de reforma não tem quase nada. Questões fundamentais como a doação de empresas para as campanhas de partidos e de candidatos foram mantidas, assim como o voto obrigatório, a manutenção do sistema proporcional e das coligações para o Legislativo. Reforma mesmo, somente o fim da reeleição e mandato de cinco anos para alguns cargos. Alguns destaques ficaram ainda para serem votados pelos líderes na terça feiras (14), mas acredita-se que pouco deve alterar o texto.

Sem reforma alguma 2

                   O texto agora seguirá para o Senado, onde podem ser feitas algumas modificações. Esta semana, foi divulgada uma pesquisa elaborada pelo Instituto Datafolha, a pedido da OAB, onde 74% dos brasileiros manifestaram-se contrários a doação de campanha pelas empresas. Inclusive dizendo que o procedimento estimula a corrupção. No Senado, o debate principal voltará ser o mandato de cinco anos, inclusive para o Senado. Este tópico foi duramente criticado inclusive pelo próprio Renan Calheiros (PMDB-AL) presidente da Casa. Dificilmente vai passar por lá.

Violência em Jaraguá

                   Se antes o bairro de Jaraguá era o reduto da boemia, e exemplo de local tranquilo e histórico, agora se transformou em um ambiente violento e despoliciado. Roubos, assaltos a mão armada em plena luz do dia e arrombamentos a domicílios tornaram-se constantes, principalmente pela vulnerabilidade do local e pela ausência da polícia. Contribuiu para esta situação a remoção da favela de Jaraguá, ao lado do Porto, que acabou ampliando a ação de marginais e delinquentes, que passaram a ocupar prédios abandonados (usados como pontos de consumo e venda de drogas) e terrenos baldios, colocando em risco a vida de famílias e de pessoas íntegras residentes no local.

Patrimônio depredado

                   A milícia radical do Estado Islâmico continua afrontando o mundo om a destruição de obras que fazem parte do patrimônio da humanidade. Recentemente o EI destruiu a famosa estátua do Leão de al-Lat (“deusa-mãe de Palmira”) que ficava na entrada do museu de Palmira, cidade praticamente tomada pelos jihadistas. A estátua, uma peça única de três metros de altura, pesando 15 toneladas, foi esculpida em calcário no século 1º a.C. e foi descoberta em 1977 por uma missão arqueológica polonesa no templo de Al-Lat. O Museu a tinha coberto com uma chapa de ferro e a cercado com sacos de areia para protegê-la dos bombardeios, mas não se esperava que o EI invadisse a cidade para destruí-la.

Patrimônio depredado 2

                    Lar de antigas ruínas mundialmente famosas e declarada como patrimônio mundial pela Unesco (orgão das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura), a cidade de Palmira foi tomada pelos militantes do EI no fim de Maio último. A partir de então os sítios arqueológicos da região estão sendo saqueados e as peças vendidas para levantar fundos para a organização. Outros patrimônios localizados no Iraque e na Síria, onde o EI tem estendido o seu califado tambem estão sendo saqueados. Segundo alguns historiadores, cerca de 10 mil locais mundialmente reconhecidos foram muito saqueados. E em outros milhares de sítios nem se sabe o que aconteceu, afirmou um historiador.

 

  • Um assassinato ocorrido há uma semana na zona rural do município de Ibateguara e que praticamente passou despercebido pela grande imprensa do Estado, pode ter sepultado de vez o esclarecimento da morte do vice-prefeito da cidade do Pilar, Gilberto Pereira, o Beto Campanha, ocorrido em 2007 na Avenida Durval de Góis Monteiro, em Maceió.
  • Segundo o delegado de Ibateguara, Ronaldo Lopes, a vitima Dorgival Silva de Barros, foi morto com 22 tiros em local de difícil acesso.
  • Ele era considerado testemunha-chave no caso do vice-prefeito, mas também respondia a vários processos, instaurados tanto pela Polícia Civil como pela Polícia Federal.
  • Dorgival foi preso em 2008 pela Polícia Federal sendo acusado de participar de um suposto plano para assassinar um Procurador da República e um Juiz Federal.
  • Sobre a morte de Beto Campanha, em um crime de muita repercussão no Estado, Dorgival acusava políticos conhecidos na cidade do Pilar como mandantes.
  • O delegado Ronaldo Lopes garantiu que esta semana começaria a ouvir familiares da vitima para tentar obter informações mais completas sobre o seu assassinato.
  • As informações são do site CadaMinuto.