Olívia Cerqueira

30 de junho de 2015

Estudantes do Ifal, campus de Murici, se rebelam contra greve

Assessoria

 

Estudantes do Instituto Federal de Alagoas – Ifal, Campus Murici, demonstram revolta por conta da deflagração de mais uma greve na instituição, de professores e servidores, que ocorreu no dia 17 de junho de 2015.

Professores e técnicos administrativos lutam para garantir que o ponto eletrônico não seja colocado na instituição e que não seja retirado o direito de trabalhar 30 horas semanais. Defendendo vários aspectos, os docentes e técnicos administrativos estão com suas atividades paralisadas há quase três semanas e isso vem ocasionando revolta ao corpo discente.

A aluna Mariany Fernandes Barros, estudante do quarto ano do curso de Agroindústria disse que espera que um dia seus filhos possam ingressar nessas mesmas instituições, mas que greve faça parte só do passado.“Ja é a terceira vez que a instituição enfrenta greve da parte dos professores”, destaca.

Os alunos ainda ressaltam que as constantes greves que a instituição enfrenta, ocasionam inúmeras consequências como: evasão escolar, atraso na vida acadêmica, impedição de cursar o ensino superior, sobrecarga de provas e trabalhos, dentre outros problemas.

“Não tem previsão de quando essa greve vai acabar.  Normalmente o movimento dura meses e isso nos traz mais prejuízos do que benefícios; é muito triste”, avalia o aluno Maycon Gomes de Araujo, estudante do quarto ano, do curso de Agroindústria do Ifal Campus Murici.