Blog do Dresch

30 de junho de 2015

Coruripe vai ganhar Polo Têxtil

                   O município de Coruripe vai ganhar em breve um Polo Têxtil para dinamizar e fortalecer o setor na região sul do estado. Nesta semana técnicos da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo estiveram reunidos com o prefeito Joaquim Beltrão para estruturar o convênio que vai permitir a criação do Polo.  Os recursos para a construção do empreendimento estão garantidos através do Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza (Fecoep), no valor de R$ 531.741,75. A construção do Polo beneficiará 100 costureiras locais, que terão a infraestrutura necessária para desenvolver sua atividade.

Fifa doou 2 bi ao futebol

                   Nos últimos 12 anos em que esteve à frente da Fifa, Joseph Blatter fez doações e criou programas de investimento avaliados em US$ 2 bilhões. Agora o ministério Público da Suíça quer saber até que ponto o dinheiro foi mesmo investido no futebol ou se acabou em uma forma de comprar aliados e favores. Desde que assumiu o poder, em 1998, Blatter construiu sua base de poder proliferando campos de futebol e ajudando a dezenas de federações pelo mundo. Com essa política, vieram os agrados, dinheiro e subornos a cartolas que passaram a ser aliados tradicionais do suíço. Na prática, estes favores garantiram os votos para as cinco vitórias consecutivas na presidência da entidade. Segundo os procuradores suíços, no centro do escândalo esta o projeto GOAL, criado para levar o futebol a locais pobres, com a construção de centros de treinamento, campos e infraestrutura. Mas em muitos casos, o dinheiro nunca chegou a seu destino. As investigações analisam recibos e notas fiscais de obras para saber se são reais ou apenas fraudes para justificar o dinheiro enviado. Entre 1999 e 2014, a Fifa distribuiu US$ 2 bilhões nesses programas. E já havia a promessa que até 2018, seriam investidos mais US$ 900 milhões nessas iniciativas. A Justiça suíça quer saber quanto desse valor poderia ter sido lavagem de dinheiro. O centro das investigações do MP suíço é a designação da Copa de 2018 para a Rússia, e a de 2022 para o Qatar. Mas diante da quantidade de documentos apreendidos, abriram-se novas investigações.


Criminoso argentino

                   Procurado pela Interpol desde 2012, o tenente-coronel Antonio Arrechea Andrade, terá de enfrentar tribunais brasileiros por crimes contra a humanidade cometidos durante a ditadura argentina entre 1976-1983. É a primeira vez que a Procuradoria-Geral da República abre uma ação, no Brasil, por crime de lesa-humanidade cometido durante a ditadura em outro país. Foram requeridas provas à Argentina para abrir o processo contra o militar, como integrante do Exército e chefe de polícia da Província de Tucumán, de patrulhas montadas pelo governo militar para sequestrar, prender, torturar e matar “subversivos”, entre eles um ex-senador provincial peronista.

 Criminoso argentino 2

                   A ação da Procuradoria se deu pelo fato do Supremo Tribunal Federal ter negado, em Maio, a extradição do argentino, solicitada pelo governo do vizinho país. O relator do processo, ministro Gilmar Mendes, justificou que o militar é imune à extradição, pois embora seja cidadão argentino e ter cometido os crimes por lá, ele nasceu no interior do Paraná. A abertura de uma ação no Brasil integra um esforço de procuradores brasileiros e argentinos, que criaram uma equipe para investigar e punir crimes de repressão política, comuns aos regimes vigentes nos dois países durante as respectivas ditaduras militares.

Criminoso argentino 3

                   Antonio Arrechea foi citado em diversas ações penais por violações aos direitos humanos na Argentina, mas foi beneficiado com a suspensão dos processos através da lei do Ponto Final, equivalente à Lei da Anistia no Brasil. A norma foi anulada em 2003, e por isso a família de uma das vitimas, a do senador Guilhermo Vargas Aguinasse pediu a reabertura do processo. No dia do golpe que derrubou a presidente Isabelita Perón (24 de Março de 1976), policiais invadiram a casa do Senador. Foi preso, torturado e morto no presídio de Villa Urquiza. Segundo os procuradores argentinos, Arrechea era um dos executores do plano de repressão que consistia em eliminar cidadãos “por seus antecedentes ideológicos, atividades e condutas públicas e privadas”. A Justiça argentina condenou o militar por violação de domicilio, privação ilegítima da liberdade, tortura e homicídio, e considerou que as violações são crimes de lesa-humanidade.

 

 

Barbárie islâmica

                   Em uma nova demonstração de execuções cruéis, extremistas do Estado Islâmico divulgaram um vídeo com a morte de 16 homens considerados “espiões”. O vídeo tem 7m30s e foi postado em sites jihadistas em Nínive, província do Norte do Iraque. Cinco homens aparecem em uma jaula de aço, que é imersa em uma grande piscina onde o afogamento é filmado por duas câmeras, uma delas embaixo d’água. Outro grupo de quatro homens é colocado em um carro e em seguida destruído por um lança-foguetes. Sete outros são decapitados pela explosão de um cabo de aço amarrado em seus pescoços. Imagens de execuções são a maior propaganda do Estado Islâmico.

Armazenando energia

                    O Japão pretende construir na região de Fukuoka, no sul do país, o maior sistema de armazenamento de energia solar do mundo, com capacidade de 50 mil kilowatts. A construção ficará a cargo da empresa Mitsubishi Eletric contratada pela companhia elétrica japonesa Kyushu Eletric Power e consistirá em uma rede de baterias que ocupará 14 mil m2 e será capaz de fornecer eletricidade a 30 mil habitações. O sistema permitirá armazenar o excesso produzido em fábricas de energia solar e oferecer um abastecimento estável em quaisquer circunstâncias. O Japão tem como meta aumentar a produção de energias renováveis de 22% a 24% do total, até 2030, duplicando o nível atual.

 

 

  • A Presidente Dilma Rousseff e o presidente dos estados Unidos Barack Obama podem anunciar nesta semana, um acordo sobre a participação do Brasil no programa Global Entry, que permitirá a facilitação da entrada de brasileiros naquele país por meio de guichês sem fila, ainda este ano.
  • O gesto é visto como o primeiro passo para uma eventual eliminação da exigência do visto de entrada a longo prazo.
  • Anteriormente já havia sido acertado a participação de 1.500 viajantes frequentes no programa, porém limitado a pessoas com viagens frequentes a maioria a trabalho.
  • O inicio da adesão dos brasileiros no Global Entry não significa, contudo, a eliminação da exigência do visto para ingressar nos EUA. O Global Entry estabelece um trâmite rápido para entrada em território americano de viajantes frequentes e implica em uma série de requisitos que estão sendo negociados.
  • A questão do visto exige um prazo mais longo, e isso deve ser colocado para não criar uma expectativa de que haveria uma isenção de vistos, para os brasileiros que viajam para fazer turismo em território americano.