25 de junho de 2015

Quedas

 

Dizemos em tom de brincadeira: para cair basta estar de pé!

Não há dúvida! Porém para que existam quedas temos que ter uma ou duas razões. São os atos inseguros e as condições inseguras.

Exemplos: descer ou subir escadas com objetos nas mãos sem usar o corrimão. Escadas sem o corrimão. Rampas sem o corrimão.

Quedas podem acontecer em crianças ou adolescentes dependendo de suas “artes”. Temos crianças muito ativas e buliçosas. Que gostam de ter muitas atividades inclusive fazer tudo com pressa. Ou que praticam esportes de contato. São quedas que podemos chamar de “naturais”.

Quedas em idade adulta se são repetidas e apresentam fraturas, temos que procurar razões. Lembro-me de uma senhora que caia sem se aperceber e que com as repetições foi descoberta uma patologia chamada “ausência”.

Claro que quem tem atividade física constante os músculos e as articulações estarão fortes e lubrificadas colocando o nível de equilíbrio em alto grau. As quedas serão evitadas!

As condições inseguras, porém irão ser as vilãs.

Como já citado, escadas e rampas sem corrimãos, calçadas com buracos, desníveis, pisos escorregadios, etc.

Já nas residências os móveis ponte agudos, os fios de extensões espalhados pelo chão, os tapetes, os capachos, os banheiros sem barras de apoio no sanitário e no box do banheiro, representam as condições inseguras.

Os idosos necessitam de muitos cuidados! Ao se erguer da cama sentar por pelos menos trinta segundos. Manter uma luz acesa durante a noite para iluminar o trajeto para, por exemplo, o sanitário.  Ao ouvir o toque do telefone ir com calma, pois quem tiver necessidade de falar irá ligar pela segunda vez. Cuidados com o uso de vários medicamentos que podem interferir no equilíbrio ou na visão. Sempre avisar aos médicos os medicamentos tomados.

Enfim sempre ter uma vida ativa com exercícios físicos!