22 de junho de 2015

Muletas, bengalas, andador e cadeiras de rodas

 

São objetos que inicialmente podem parecer agressivos ou indesejáveis, porém de muita valia para os usuários provisórios ou permanentes.

As muletas tanto axilares como as canadenses são muito boas, porém prefiro indicar mais as axilares, pois tem uma distribuição de carga melhor. O esforço também é menor.

Ao usar as axilares não fazer um apoio total com as axilas. Dividir o peso com as mãos. Pode haver compressão de nervos e vasos no oco axilar. O apoio ao nível das mãos deve ficar entre o osso da bacia e o do quadril. As pontas das muletas ficam afastadas dos pés ou pé uns vinte centímetros. O movimento de caminhar semelhante à marcha normal.

As muletas canadenses não apoiam nas axilas e necessitam de um maior equilíbrio. Devendo ser usada mais como apoio para a marcha com os dois pés no solo, pois sem um deles no solo o equilíbrio deve ser bem maior.

Sempre procurar um (a) fisioterapeuta para o treinamento de marcha no uso das muletas.

O uso da bengala é mais simples, porém um detalhe importante: sempre no lado oposto ao da lesão. Cotovelos devem ficar em torno de vinte e cinco a trinta graus.

O andador pode ter ou não rodas. Dependendo da patologia (doença) do usuário. Dar uma maior condição de equilíbrio e força, porém tem indicações bem definidas. Pelo tamanho também pode causar algum transtorno. Alguns mais modernos são dobráveis.

As cadeiras de rodas possuem várias indicações e utilidades servindo para um deslocamento provisório como definitivo. Utilizada na residência tem formas para ir ao sanitário e ao banho. Pode possuir formatos variados, tamanhos, pesos e material.

São de deslocamento por um auxiliar, pelo próprio usuário através de engrenagem mecânica, como de propulsão elétrica.

Todas necessitam de um cuidado redobrado, pois apesar da existência de legislação as calçadas e os diversos acessos nas ruas e lojas são verdadeiras armadilhas.