15 de junho de 2015

Inverdades durante campanha eleitoral

 

Somos obrigados a votar! Sendo funcionário público mais ainda!

Votamos. Procuramos um candidato ou candidata com melhor proposta e com vida pública ou privada melhor. Ficamos depois a mercê de suas atitudes nos quatro anos seguintes.

Desde que comecei a ser eleitor não recordo de nenhum político que conseguiu levar uma nota acima de cinco em sua atividade. Pior ainda quando reeleito!

Deveria haver um mecanismo através do qual a sociedade organizada pudesse reagir e calmamente mudasse ou destituísse o dirigente seja ele de que nível fosse. Infelizmente é algo utópico. Diria impossível, pois quem faz a lei é o político. Lógico trabalha em proveito próprio. Não vai criar nada que o prejudique.

A sociedade que se lixe.

A presidente atual (não sei por quem foi eleita, pois pergunto a várias pessoas que reclamam da situação atual e ninguém votou na mesma) que passou quatro anos fazendo desmandos políticos, financeiros, econômicos e de administração posa de boa senhora levando agora o País a um aperto sem precedentes que só penaliza os mais necessitados.

Durante a campanha para o seu partido PT e para ela presidente vivíamos as mil maravilhas com crescimento, estabilidade e mais inverdades. Reeleita iniciou a fala de tudo ao contrário. Quem plantou todos os absurdos na condução do País? Agora quem paga somos nós!

Vejo o anuncio de um plano? Só para destacar um ponto. Ferrovia transoceânica. Nome pomposo. Construir uma ferrovia para escoar a produção de soja do Mato Grosso do Sul para o Peru. Ouvi de um especialista em ferrovias mundiais que é mais perto levar a soja desse estado para o porto de Santos! Qual então a razão da construção da mesma? Com certeza alguém vai levar vantagem e não seremos nós simples mortais!