Blog do Dresch

18 de Maio de 2015

Escolas no combate à dengue

                   As escolas da rede municipal de ensino de Maceió deram inicio ontem, ao desenvolvimento do projeto “Escola Alerta! Não tem dengo com a Dengue”, que pretende desenvolver iniciativas de conscientização e de combate efetivo á doença. A Secretária Ana Dayse Dórea, da Secretaria Municipal de Educação, considera a ação de extrema importância pelo engajamento dos alunos e pela responsabilidade na promoção da saúde e bem estar das comunidades escolares. Ontem o projeto foi lançado em 12 escolas, mas em breve vai atingir as 135 unidades que compõem a rede municipal. Serão desenvolvidas diversas ações educativas, visando o combate, a prevenção e a promoção da saúde ambiental para os alunos em geral.

Escolas contra dengue 2

                   O projeto é dividido em cinco fases, nas quais serão desenvolvidas ações envolvendo os alunos, profissionais de educação, serviço social e de saúde. Acontecerão palestras e debate sobre a doença, com a participação da comunidade escolar (alunos, professores, funcionários e pais), agentes e profissionais de saúde. Também serão desenvolvidas atividades nos componentes curriculares de Português, Matemática, História, Geografia, Ciências e Arte. O projeto vai contemplar ainda atividades extracurriculares nas áreas de teatro, dança e música.

Poder de investigação

                   Demorou, mas o Supremo Tribunal Federal (STF) pôs um ponto final na questão: o Ministério Público tem poderes para investigar crimes diretamente, mesmo sem a participação da polícia. A decisão, tomada esta semana, vale para todos os casos sobre o assunto, e encerra uma das principais disputas entre o MP e a polícia em torno do sistema de investigação penal. O STF concluiu o julgamento do ex-prefeito de Ipanema (MG), Jairo de Souza Coelho investigado por não cumprir decisão judicial para pagar precatórios. O MP mineiro realizou investigações penais contra ele, que pediu na Justiça a anulação do caso, alegando que a competência das investigações era somente da polícia. Os ministros Gilmar Mendes, Celso de Mello, Carlos Ayres Britto, Joaquim Barbosa, Luiz Fux, Rosa Weber e Carmen Lúcia negaram o recurso, formando a ala vencedora. Os ministros Cezar Peluso, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio Mello e Dias Toffoli aceitaram o recurso do ex-prefeito. Da corrente derrotada, surgiram duas vertentes distintas: Para Peluso, Lewandowski e Toffoli, o Ministério Público só pode investigar crimes em situações excepcionais e taxativas. Para Marco Aurélio, a função de investigar crimes é exclusiva da polícia. O Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot assegurou que a decisão do Supremo não vai criar um atrito entre o MP e a polícia, e que as duas instituições continuarão a realizar o trabalho de forma cooperada.

 

A barbárie dos dias de hoje

                   Uma adolescente de 15 anos foi abusada sexualmente durante oito meses, além de ser chantageada por seu torturador e acabou sendo queimada viva no último Sábado, na periferia de Nova Délhi, capital da Índia, por tentar resistir a um novo estupro. O caso foi divulgado pelo jornal “Hindustan Times”, segundo o qual quatro pessoas foram presas pelo crime. O principal deles, conhecido como Lokendar, começou a violentar a menina no segundo semestre do ano passado e passou a chantageá-la com a ameaça de divulgar o vídeo que havia feito do abuso.

A barbárie dos dias de hoje 2

                   O criminoso e alguns amigos passaram a estuprar a jovem com frequência. Ela chegou a pagar 5 mil rúpias (R$ 230) para se livrar do pesadelo, mas o grupo continuou com o abuso e a crueldade. No Sábado, Lokendar chamou alguns amigos para mais uma sessão de violência contra a jovem, mas ela resolveu recusar e tentou enfrentar o grupo. O homem e seus cumplices cobriram o corpo da adolescente com querosene e atearam fogo. Ela ainda foi levada a um hospital, mas as queimaduras atingiram 90% do seu corpo e causaram sua morte.

Muito mais petróleo

                   O anúncio foi feito pela Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP): o Brasil deverá dobrar a sua produção de petróleo até 2025. Se a estimativa for confirmada, o país vai estar produzindo aproximadamente 4,4 milhões de barris por dia, contra os 2,2 milhões produzidos no final do ano passado. Anteriormente a Petrobrás chegou a prever que o país poderia produzir 4,2 milhões de barris/dia em 2020, mas a estimativa esta sendo revisada. Os números anunciados pela ANP esta semana, são oriundos de informações atualizadas de concessionárias em atuação no país.

Encontro de cacheadas

                   A cidade de Viçosa sedia, neste Domingo (17), o Primeiro Encontro de Cacheadas da cidade, que tem a proposta de discutir a aceitação do cabelo natural e colocar em relevância a identidade afro-brasileira. O evento acontecerá na Praça Apolinário Rebelo a partir das 14h, e consta do programa sorteios de kits capilares e turbantes, recitais de poesia e apresentações musicais com a cantora Larissa Pedro e a banda Afro Gurungumba. Organizadora do evento, a cientista social Letícia Souza explica que a ideia é mostrar a beleza de todo o tipo de cabelo, cada um com a sua beleza, sem qualquer característica de preconceito. O encontro pretende reunir homens e mulheres de cabelos cacheados, simpatizantes da causa e pessoas com qualquer tipo de cabelo.

 

  • O Plano Estadual de Educação (PEE) esta disponível para consulta pública no site da própria Secretaria de Estado da Educação. O documento reúne as 20 principais metas para a Educação Básica em Alagoas na próxima década.
  • As pessoas interessadas em dar sua contribuição para a construção do PEE devem acessar o site, onde esta a versão preliminar do documento e um formulário para propostas e sugestões.
  • No formulário é possível apresentar alterações ao texto, propor novas estratégias, sugerir e apresentar novas ideias.
  • Além da consulta on line, o documento vai ser discutido com a sociedade em duas audiências públicas, ambas no próximo dia 20 (quarta feira).
  • Uma em Maceió, no auditório da Reitoria da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), e outra em Arapiraca, no auditório do Planetário do Lago da Perucaba, ambas no horário compreendido entre 8h e 13h.
  • Segundo Juliano Brito, coordenador do Fórum Permanente de Educação de Alagoas, a ideia é expandir ao máximo a discussão sobre o Plano, para que toda a população participe e discuta o mesmo, que será uma política de Estado, após ser concluído.